A azeitona é nossa

Independente do Brasil ser ou não campeão, Cuiabá e Mato Grosso já ganharam esta Copa de 2014. E começaram a ganhar em 2006 durante uma visita do presidente da CBF ao estado quando o então governador Blairo Maggi decidiu que Cuiabá disputaria uma das sedes da Copa, na época ainda só 10 e o Brasil nem estava definido como sede da Copa. Uma postura de coragem que nunca faltou ao cuiabano, mas também de audácia, esta nem sempre presente neste povo pacato que sempre se vê apequenado, incapaz de valorizar a si e as suas coisas ou reivindicar o que lhe é de direito e devido por conta de tudo o que produz para o Brasil. O mesmo vale para o mato-grossense que apesar de alimentar o mundo vive acuado, acusado de destruidor do planeta justo por aqueles que fabricam armas de destruição e se alimentam de nossa produção.

Mato Grosso ganhou a sede da Copa do Pantanal para Cuiabá, assumindo o enorme desafio da preparação para o grande evento, desafio de porte talvez jamais assumido por Mato Grosso ao longo de sua história. Mesmo sob intenso fogo dos interesses das cidades preteridas e daquela parte da imprensa nacional que até hoje não engoliu a escolha de Cuiabá, a Copa do Pantanal aconteceu em Mato Grosso com brilhantismo, e a pequenina sede acabou dando um show de cordialidade, hospitalidade e calor humano, com tudo funcionando a contento.

E aquela cidade distante, no coração do continente, aquela coisinha estranha no ninho não era um patinho feio, mas, na verdade, um belo tuiuiú, desengonçado ao levantar voo, mas que voou bonito, serenando nos céus pantaneiros. Quanto vale uma simples citação no New York Times, um dos jornais mais importantes do mundo? E que tal duas matérias? A primeira, não muito simpática é verdade, mas bastou iniciar a Copa do Pantanal para o poderoso jornal se render exaltando a boa surpresa da “menor das cidades-sede” em nova e bela matéria. Até o insuspeito UOL colocou a belíssima Arena Pantanal como a primeira entre todas as arenas da Copa após pesquisa com os jornalistas estrangeiros presentes no grande evento no Brasil. Trata-se de um importante reconhecimento, pois, não se sabe porque, o importante site sempre dedicou especial “carinho” a Cuiabá, destilando críticas, comentários e mesmo matérias amplificando aspectos negativos nem sempre comprovados sobre a cidade e sua preparação.

E logo surgem grandes times nacionais em dificuldades para atrair grandes públicos em seus estádios querendo usufruir deste rentável encantamento inicial da Arena Pantanal sobre amantes ou não do futebol. Calma. Agora é hora de saber administrar esse grande legado da Copa em favor dos interesses de Cuiabá e Mato Grosso, em especial, dos times locais que já há algum tempo avançam no cenário futebolístico nacional, para os quais a Arena deverá ser poderosa ferramenta de formação e consolidação de suas torcidas, os verdadeiros lastros de qualquer time no mundo, como defende com firmeza o senhor Helmute Lawisch, presidente interino da Federação Mato-grossense de Futebol. O primeiro jogo na Arena do Pantanal depois da Copa deveria ser uma nova grande festa, agora a preços acessíveis ao povo, com uma partida de algum dos nossos times em suas lutas difíceis pelo tão disputado acesso a níveis mais elevados do futebol nacional. Poderia ser a partida entre o Cuiabá e o tradicional Paysandu, de Belém do Pará, programada para o próximo dia 20, decisiva para a permanência do nosso atual bicampeão no topo da série C do campeonato nacional. Mas não, antes disso a Arena receberá uma partida da série B entre dois times de fora do estado. E mais uma vez lá vai nossa azeitona rechear a empadinha alheia. Uma pena. Mas vamos para frente!

Share Button