A Copa dos ipês

Que todas as coisas neste ano da Copa pudessem atrasar, mas eles não se atrasariam nunca. De novo, no tempo certo, eles estão aí com suas copas coloridas, embelezando a cidade e o estado. Chegam primeiro em rosa, depois no roxo, branco e amarelo. Algum de nós fica indiferente ante um ipê florido? Imagine os turistas estrangeiros. Até os japoneses que têm nas suas cerejeiras em flor uma das maravilhas do mundo, com certeza também se encantarão com nossos ipês, a flor oficial do Brasil desde o presidente mato-grossense Jânio Quadros.

Os ipês floridos, que poderão ser a maior atração da Copa do Pantanal, passou distante dos planejamentos, das verbas e das preocupações de todos. E talvez tenha sido até bom, pois de outra forma haveria o risco de algum luminar projetar substituí-los por novas mudas, que certamente seriam bem caras e não estariam florindo a tempo da Copa. Absurdo? Não nestes tempos pós-modernos que nos surpreendem a toda hora para o bem ou para o mal. Ora, não fecharam com tapumes a paisagem da Chapada a pretexto de salvá-la, privando o povo mato-grossense e brasileiro do orgulho de exibir aos visitantes da Copa um de seus mais preciosos patrimônios naturais? Faz lembrar a história do gênio que matou o cachorro para acabar com as pulgas.

Mas os ipês estão aí, chegando aos poucos, exibidos, cientes de sua própria beleza, chamando nossa atenção desde longe nas paisagens e ensinando que a graça e a beleza de uma cidade está no carinho e respeito que dedicamos a seus valores naturais, culturais e à vida de sua gente. Que venham os novos edifícios, arenas, fábricas, shoppings avenidas, viadutos, pontes e trincheiras, se necessários, mas não dá para esquecer os ipês, que por isso estão aí a cada ano protestando com sua beleza forte e delicada de cores e formas. Nada mais belo e digno a oferecer aos nossos visitantes. Na Copa do Pantanal cuja principal atração deveria ser a natureza, justamente ela foi deixada em segundo plano. Talvez este tenha sido seu principal equívoco, entre os tantos acertos e erros cometidos. Mas os erros também são absorvidos como legado positivo por aqueles que os aceitam como lição.

E a bola da Copa vai rolar nesta quinta próxima. Que bonito ver a cidade também se enfeitar com bandeiras e cores, com operários e máquinas em grande esforço para concluir tudo aquilo que ainda puder ser concluído. Obras em andamento são motivos de orgulho e os visitantes ficarão admirados com uma cidade literalmente em obras públicas e privadas, refletindo uma região que se transforma em uma das mais dinâmicas e produtivas do planeta e todo seu esforço na preparação para recepcionar um dos maiores eventos do mundo. Que alegria acompanhar pela internet uma das caravanas de chilenos com cerca de 800 carros enfeitados atravessando os Andes rumo a Cuiabá, onde apoiarão sua seleção ao lado de outros milhares de conterrâneos e de sua presidente da República. Bom ver que a cidade e o estado começam a receber também os primeiros australianos, russos, coreanos, nigerianos, colombianos, bósnios e japoneses, e que nosso aeroporto já liberou – sem lona e tão pouco noticiado – seus novos saguão principal, estacionamento e área de desembarque para recebê-los.

Não dá para errar o foco de novo. Vamos receber os visitantes com aquilo que temos de mais autêntico e original, razão da Copa do Pantanal, que são nossas belezas naturais e nosso modo de viver, em especial a alegria e hospitalidade. E, daí sim – por que não? – receber também com a beleza de nossa cidade e estado, construída por nossas mãos ao longo de quase três séculos e sintetizada na maravilha high-tech da Arena Pantanal. A beleza dos ipês nos apoiará.

 

Share Button

José Antônio Lemos dos Santos

José Antonio Lemos dos Santos, arquiteto e urbanista, é professor universitário. Troféu "João Thimóteo"-1991-IAB/MT/ "Diploma do Mérito IAB 80 Anos"/ Troféu "O Construtor" - Sinduscon MT Ano 2000 / Arquiteto do Ano 2010 pelo CREA-MT.

Você pode gostar...