A novíssima 89,5 FM da Assembleia Legislativa

Além da atividade dos deputados, programação regional comandada por Jaime Neto e apresentada por profissionais como Eduardo Ferreira

As pessoas que costumam, volta e meia, ‘pedir’ para o celular sintonizar de forma automática as emissoras FM tiveram uma surpresa. Apareceu mais uma estação, a 89,5 MHz, da rádio FM Assembleia. Os celulares ao lado dos receptores em carros são atualmente os maiores ‘audiência’ das transmissões radiofônicas.

E a Rádio Assembleia promete surpreender, com uma programação voltada para o regional, conforme informa o Gerente, jornalista Jaime Neto. A Rádio Assembleia é a primeira emissora a integrar a Rede de Rádio Legislativa, criada pela Câmara dos Deputados, divide o horário meio a meio e é esse meio que compete aos profissionais mato-grossenses.

Jaime Neto nos conta que desde o ano passado a rádio já estava operando, fazendo-se os ajustes quanto a parte técnica, questão de transmissor e, no dia 2 de junho, entrou no ar em caráter experimental para finalmente no último dia 23 passar a operar oficialmente em parceria com a Rádio Câmara de Brasília, o que motivou até uma sessão solene comandada pelo deputado-presidente Guilherme Maluf.

A programação local, porém, é o que nos importa, dentro dessa programação compartilhada. Os carros chefes serão as manhãs de segundas e terças-feiras, as tardes de sextas-feiras, com espaços de 3 a 4 horas seguidas de programação local. O que será feito? Primeiro, a informação da Casa, do dia-a-dia do legislativo mato-grossense, com cobertura das sessões permanentes, sessão publica e sessões plenárias.

Aliado a tudo isso será sendo colocada aos poucos uma programação pautada com informação, prestação de serviço, música e um especial apoio à cultura regional. “O viés da programação que estamos fazendo aqui é um viés cultural”, afirma Jaime Neto.

Dentro desse viés, já nesta segunda-feira, 29 de junho, vai estrear o programa “Sons de Mato Grosso”, com o poeta, acadêmico, historiador e letrista, Moisés Martins. O programa tem uma estrutura de certa forma simples: um entrevistado, músico, cantor, compositor, que vai falar sobre sua vida, trajetória da carreira, intercalada por música. O programa não vai ter um tempo fixo, deve durar entre 30 a 45 minutos e vai ao ar a partir das 11h45.

Na sequência devem entrar nomes como o cantor e compositor Roberto Lucialdo, Habel dy Anjos, Pescuma e Henrique & Claudinho, Alma de Gato (todos já gravados) e João Eloy, Vera & Zuleika, a novíssima safra do rock’in’roll mato-grossense, sob a supervisão de Eduardo Ferreira, poeta e compositor que voltam assim aos espaço em que já atuou, como um dos idealizadores da TV Assembleia. E daqui a nossa torcida para que ali pontifiquem as vozes femininas de Ju Baiana, Bruna Viola, Bia Boréu, Meire Pinheiro, Ana Cecília e, claro, Vera Capilé. Jaime Neto diz que não se vai discriminar nenhum estilo ou origem musical para não dar a impressão que, no Estado, só se tem apenas e tão só o Rasqueado. Vai, sim, tocar também o vanerão. Segundo ele, os entrevistados, sem exceção, estão demonstrando uma imensa alegria pelo novo espaço.

Jaime Neto comemora o fato de que a direção da Casa comprou a ideia do viés cultural e outros projetos artísticos e culturais já estão sendo elaborados e em fase de formatação, como o “Clássicos em Pauta”, no qual vão ser trabalhadas músicas locais com a Orquestra de Mato Grosso, com uma temática, por exemplo: água. Vai se buscar as músicas dos compositores locais que falam da água, dos rios e trabalhar isso.

Na parte de serviço, o programa “Assembleia Entrevista” no qual vai se conversar com profissionais dos mais variados ramos de atividades, como a medicina, para ser falar de assuntos pertinentes, citando, como exemplo, a questão do diabetes, entrando no ar das 6h às 6h30 de segunda-feira a sexta-feira. De segunda e terça, o “Manhã 89,5”, tem um âncora, o jornalista Kleber Dias, que irá ficar ao vivo tocando a programação.

Essa programação recortada, explica Jaime Neto, está dentro do combinado com a Rede Legislativa. A emissora pode ocupar até 50% mas isso não será obrigatório. Ele explica que a programação da Rádio Câmara na madrugada é muito boa e não se vai tirar um programa de boa qualidade apenas para ocupar o espaço e sim, só se tiver outro de excelência para substituir.
Fonte: http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=473970

Share Button