Antigamente – poema de João Bosquo

Não se vêem mais poetas como de antigamente…
Os poetas de antigamente escreviam à mão
em brancos papéis suas diletas poesias…

Bem antes, porém, os poetas cantavam musas
intrusas, in métricas precisas e de cabeça
guardavam na memória e iam aos recitais

Depois vieram as máquinas Remington
os poemas passaram a surgir sob formas
até chegarmos no modernismo
e desaguou no concretismo…

A poesia ficou assim
Assim como que não se quer nada
mexendo – pois sempre mexe –
com as cordas do coração.

><>Ainda da mesma seleção de poemas inscrita num concurso da Prefeitura (gestão WS),que foi cancelado por baixa qualidade dos participantes.

Share Button

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...