Artista plástica Osvaldina dos Santos morre aos 79 anos

Mato Grosso, nesta data, 26 de agosto, perde uma de suas mais significativas artistas plásticas: Osvaldina dos Santos, aos 79 anos, entre os quais mais de 40 dedicados à pintura.

Osvaldina do Santos, podemos dizer, faz parte da mesma ‘escola’ que a poetisa goiana Cora Coralina, aquela que revela o talento, o dom artístico, o presente de Deus, já na idade madura. Osvaldina dos Santos, nascida em 1931, exerceu o magistério dos 19 aos 46 anos, e quando já estava se aposentando como professora primária descobriu as artes plásticas. Uma idade já bem avançada para adestrar as mãos para a pintura. Mesmo assim, Osvaldina dos Santos, foi reconhecida como uma artista plástica.

Na década de 70, Osvaldina dos Santos começa a frequentar o Ateliê da Fundação Cultural de Mato Grosso, na época sob a supervisão da artista Dalva de Barros. “Uma artista popular, começou pintando em casa, mas que tinha muita criatividade”, disse Dalva de Barros, que foi decisiva para o desenvolvimento da técnica de Osvaldina dos Santos.

O artista Gervane de Paula, em apresentação do catálogo “Artistas do Século”, em maio de 2000, no Museu de Arte e Cultura Popular, da UFMT, escreveu: “Na década de 70, no Ateliê Livre da Fundação Cultural de Mato Grosso, sob orientação da pintora Dalva de Barros, surge um novo momento, que chamamos de segundo período, com nomes como o de Adir Sodré, Gervane de Paula, Regina Pena, Alcides Pereira dos Santos, Benedito Nunes, Carlos Lopes, Nilson Pimenta, Osvaldina dos Santos, Jonas Barros, entre outros.”

Osvaldina dos Santos foi participante de inúmeros Salões de Mato Grosso (com as suas diferentes denominações) e foi premiada no Salão Jovem Arte Mato-grossense, com a tela “São Benedito” foi vencedora; em 1983 foi premiada no VI Salão Nacional de Artes Plásticas e diversos prêmios em salões no interior de São Paulo; em 1989, foi a grande vencedora na Concorrência Fiat, com o conjunto de telas homenageando os casarios.

De “aluna” do Ateliê Livre da FCMT, Osvaldina dos Santos passou a orientadora e lá trabalhou quase vinte anos, e no fim dos anos 90 o ateliê é batizado de Ateliê Livre Osvaldina dos Santos.

O corpo da artista será velado na Capela Pax, na Av. Pernambuco – CPA 2, a partir das 20 horas. A saída para o sepultamento está prevista para as 15 horas desta sexta-feira (27.08), com destino ao cemitério Recanto da Paz, em Várzea Grande (próximo ao Trevo do Lagarto).

Fonte: Secom/MT

Share Button

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR
nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...