Artistas e produtores culturais cobram 3 vagas na comissão eleitoral durante a reunião com o governador Pedro Taques sobre o Conselho Estadual de Cultura

Os fazedores de cultura e arte de Mato Grosso foram recebidos na manhã desta quarta-feira, 25, pelo governador José Pedro Taques em seu gabinete no Palácio Paiaguás. A reunião teve como pauta principal distender as relações entre alguns segmentos e o titular da pasta que andava bastante desgastadas.

O ápice desse desgaste foi a publicação da convocação para participar da elaboração do regimento interno para a eleição da escolha dos membros do Conselho Estadual de Cultura (o “C” do CPF da Cultura), no último dia 5 e com prazo de encerramento no último dia 20. O encontro, no entanto, serviu também para discutir melhorias e sugestões que tragam avanços para as políticas públicas culturais. Entre as pautas, além do CEC, os editais de incentivo cultural e cobrança de descentralização das ações do setor.

Pedro Taques, Leandro Carvalho, Kleber Lima e produtores culturais

O coletivo da cultura se mobilizou por meio das redes sociais manifestando o descontentamento com a exiguidade do tempo, menos de 15 dias praticamente, enquanto o próprio processo de colaboração on-line do sistema criado pelo governo do Estado não garante que sua contribuição fora lida ou não, sem falar que o Estado se exime de qualquer falha no sistema.

A renovação do Conselho Estadual de Cultural foi a parte mais delicada da conversa com o governador, quando – ufa! – houve o reconhecimento de falha por parte da secretaria na formatação do comitê eleitoral. Sim, os prazos para editais também foram bastante criticados.

Os produtores pediram que fosse aberto espaço para participação de três representantes da categoria na Comissão Eleitoral que vai formatar o regimento eleitoral para a escolha dos novos conselheiros. Agora os mesmos estão no aguardo da definição por parte da Secretaria de Cultura.

Lembrando: o CEC está praticamente desativado desde 2014, quando da deflagração da operação Alexandria da Polícia Civil, que investigava desvio de recursos do Programa de Apoio à Cultura. É o CEC que acompanha a implementação do Plano Estadual de Cultura, além de deliberar sobre programas de apoio e fomento à cultura, fiscalizar a aplicação dos recursos e funcionamento do Sistema Estadual de Cultura, daí a preocupação dos gestores, produtores culturais, enfim a cadeia produtiva da cultura, com a sua formação.

O governador Pedro Taques, trabalhando como um verdadeiro bombeiro, reafirmou o compromisso de manter o diálogo com a classe artística, e que a importância dessa reunião vai além de uma troca de informações. “A Secretaria de Cultura está de portas abertas para ouvir os segmentos culturais, e a intenção é que o setor seja parceiro para aprimorar as ações da pasta nas diversas áreas, como o audiovisual, artes plásticas, literatura, música, dança e teatro”.

O secretário Leandro Carvalho, ao final do encontro, reconheceu que apesar dos avanços estruturantes,  “tem ciência que precisa avançar, precisa ajustar”. “Precisamos olhar para frente e precisamos construir sempre de forma colaborativa, de forma participativa, ouvindo os diferentes segmentos e tentando absorver todas as vozes desses segmentos. Mato Grosso é um Estado grande, complexo, diverso e nós acreditamos que está nessa diversidade está a nossa grande riqueza”, disse.

O cineasta e publicitário Bruno Bini, viu o encontro como uma oportunidade de – mais que insatisfações – de apresentar contribuições para a construção de um processo de discussão, de debate e, lógico, de fomento dos projetos culturais e das políticas públicas da cultura aqui no estado de Mato Grosso.  Quanto aos editais – que é uma coisa nova em Mato Grosso – o cineasta acredita que o momento é de amadurecimento e correção daquilo que não esteja dando certo.

Segundo ele, a reunião foi muito interessante, mesmo porque uma das principais cobranças do setor era a ampliação do diálogo por parte da secretaria. “A reunião em si foi um primeiro passo no sentido de abrir a conversa, no sentido de ampliar a interação. A classe reconhece que existe uma evolução no trabalho que vem sendo feito pela SEC, com relação a gestão anterior, principalmente, mas é preciso ter a consciência que não dá para comparar, por que simplesmente não existia política pública cultural na última gestão. Tanto que a operação policial, com prisão de conselheiros, é prova de como todo o processo estava viciado, deturpado. Ali se fazia tudo, menos cultura. Então, não se pode comparar”, analisa.

Bruno Bini diz que embora esse quadro de descalabro não sirva de comparação, reconhece os avanços. “Mas quando a gente parar para analisar, a gente vê que dá para evoluir, dá para consertar outras coisas e é nesse sentido que os produtores se reuniram, no sentido de contribuir. É preciso ter construída de forma muito sólida que os maiores parceiros são os próprios produtores culturais”.

Cristina Campos, escritora e membro da Academia Mato-grossense de Letras, afirma que “a reunião dos artistas e produtores culturais com o governador do Estado de Mato Grosso e a equipe da Secretaria de Estado de Cultura foi positiva, pois mostrou, da parte do governo, uma abertura para o diálogo com a categoria. Esperamos, entre outras coisas, que resulte na construção de um processo democrático para a eleição do Conselho Estadual de Cultura, que deve efetivamente representar a categoria e ser respeitado em suas deliberações. Aguardamos mudanças”.

Quanto a consulta pública divulgada no último dia 5, o secretário Leandro Carvalho disse que a mesma primou por ampliar o processo democrático, dando a oportunidade de pessoas de diversos lugares do estado participarem, pela internet.

“Uma participação social inédita, nunca um Governo em Mato Grosso fez uma consulta pública. Um processo democrático que contou com a participação de milhares de pessoas. Estamos trabalhando para reconstruir o Conselho de Cultura”, afirma.

Participaram da reunião, além dos citados, Maria Hercília Panosso, Paulo Traven, Amilton Martins, entre outros.

Leia também:

Governador Pedro Taques e artistas debatem a formação do novo Conselho Estadual de Cultura

Pedro Taques promove encontro em busca de uma distensão entre a classe artística-cultural e o secretário Leandro Carvalho

DC Ilustrado: Artistas cobram mudanças no Conselho Estadual de Cultura

Artistas, agentes culturais, produtores e agitadores detonam o método de escolha para o Conselho Estadual de Cultura

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR
nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...