Author: Eduardo Mahon

Cultura banguela, por Eduardo Mahon

Por Eduardo Mahon | Cuiabá, 300 anos. Caiu a livraria Pepe dos Siqueira Hugueney. Crônica de um desabamento anunciado. Antes, foi a Casa de Bem Bem dos Figueiredo e Palma. Antes, foram tantas outras. Uma a uma, vão desfalecendo nas chuvas. O que acontece? Os donos de imóveis não gostam deles? Há uma conspiração contra o patrimônio histórico tricentenário? A

Share Button
Continue lendo

Eduardo Mahon: É Para Já, Governador!

É PARA JÁ, GOVERNADOR! (E.M) Ao articulista ainda não é dado o dom da infalibilidade. Que se saiba, só o Papa é infalível. Claro, essa é a opinião da Igreja, pelo Concílio Vaticano I. Eu que não sou cardeal, não confio tanto assim. Por outro lado, dizem que as cartas não mentem jamais e essa é outra mentira. Tarô, runas,

Share Button
Continue lendo

Molecagem contra Cuiabá, por Eduardo Mahon

O governador-candidato Taques, até o momento da campanha, não havia repassado os 82 milhões de reais para equipar o Pronto Socorro. Esperou a derrota nas urnas para inviabilizar o governo seguinte, qual seja, o do adversário Mauro Mendes. Este, na segunda quinzena de dezembro, no apagar das luzes do governo derrotado, barra na Justiça o repasse os valores em 30 parcelas de 2.7 milhões de reais. Pedro Taques saiu sem pagar o 13º salário do funcionalismo público mato-grossense e, num gesto de tresloucada irresponsabilidade, queria comprometer o orçamento do próximo governo que já está sobrecarregado com outros compromissos, somando mais de 500 milhões por mês apenas com a folha.

Share Button
Continue lendo

A inédita Luciene Carvalho de Sempre, por Eduardo Mahon

 A INÉDITA LUCIENE CARVALHO DE SEMPRE (E.M) Já tive oportunidade de comentar sobre o novo ângulo que Luciene Carvalho deu ao que, até então, chamava-se “cuiabania” ou, como querem outros, “cuiabanidade”. Nos primeiros livros, a autora fez questão de desterritorializar a ação do centro para a periferia, descrevendo “tipos” que são diferentes dos consolidados no imaginário coletivo. É no Porto

Share Button
Continue lendo

Eduardo Mahon: A literatura sem pedágios de Luciene Carvalho

CUIABÁ DO AGORA – Eduardo Mahon A literatura sem pedágios de Luciene Carvalho Na resenha anterior, pretendi mostrar como a terra influencia a literatura em seus diversos momentos históricos, mais especificamente fenômenos ligados à Cuiabá e suas transições no tempo e espaço. Tracei um paralelo entre o cânone “aquiniano” que pretendia idealizar a imagem mato-grossense e cuiabana como uma espécie

Share Button
Continue lendo

“Estamos no Estado que apresenta os maiores índices brasileiros de violência contra a mulher, uma tragédia sob todos os aspectos”, diz Eduardo Mahon

Ensinar a não bater (E.M) A deputada Janaína Riva apresentou um projeto para ensinar nas escolas métodos de prevenção à violência contra a mulher. Foi o suficiente para que uma artilharia pesada fosse disparada nos grupos de discussão: a escola precisa ensinar matemática – é o melhor argumento. Os mais criativos dizem que a escola contemporânea precisa ensinar ao aluno

Share Button
Continue lendo

UFMT: além e aquém de si mesma – Por Eduardo Mahon

Por Eduardo Mahon | Alguém se lembra que, todos os meses, a Faculdade de Economia da UFMT era consultada para explicar a variação inflacionária? Que, em todas as grandes obras do Estado, a Faculdade de Engenharia Civil da UFMT era consultada para dar parecer? Alguém se lembra que, em todos as grandes questões ambientais, as Faculdades de Engenharia Florestal e Biologia

Share Button
Continue lendo

Eduardo Mahon: O político é um homem público que tem obrigação de ser simpático, de atender bem, de ser educado e atencioso, de mostrar-se solícito e sensível aos problemas dos outros

O personalismo político é tão atraente como repulsivo. No início, costumamos apostar na figura do herói, do salvador, do xerife, quando não nas três imagens unidas numa única pessoa, como no caso do atual Governador Pedro Taques. Era bastante simples a opção de voto, após a passagem da nuvem de gafanhotos que devastou Mato Grosso. Eu mesmo cheguei a lançar

Share Button
Continue lendo

Sobre quem faz e fica e quem fala e passa… – Por Eduardo Mahon

SOBRE QUEM FAZ E FICA E QUEM FALA E PASSA… A propósito de políticas públicas, quero chamar atenção para a diferença entre quem faz e fica nos registros históricos e quem fala demais e acaba sendo esquecido. Sobre a educação musical cuiabana, por exemplo, grandes nomes ensinaram o povo a entender e apreciar música de qualidade: Zulmira Canavarros, Maria Benedita

Share Button
Continue lendo

Espelho Cansado – por Eduardo Mahon

ESPELHO CANSADO Aloísio saiu de casa logo cedo. Era um sábado que se emendava ao feriado. Pegou as chaves, deu partida no carro e seguiu para o centro da cidade. Quero um espelho – pediu ao vendedor. Não estava em uma vidraçaria, como recomendou a mulher, e sim num pregão de usados. O sujeito voltou-se para o interior e, de

Share Button
Continue lendo

O Velho Palacete – Por Eduardo Mahon

Por Eduardo Mahon | Ninguém diria que o palácio nasceu do mesmo tamanho que todos os demais casarões na rua de terra batida. Contudo, a despeito do que ignorem os meninos que estudam arquitetura contemporânea, esses mesmos que acham que o aço, o vidro e o concreto aparente constituem o catecismo do futuro, naquela rua algum dia estiveram alinhados casarões da

Share Button
Continue lendo

O Incomensurável nada – por Eduardo Mahon

O INCOMENSURÁVEL NADA (E.M) Ao cabo de uma pia de louça suja, a mulher olha para o nada, como uma coruja que acaba de acordar ao final da tarde e ainda não se decidiu sobre a própria fome, como uma duna de areia que não tem certeza exatamente do próprio tamanho ao ser inchada e ressecada a cada tempestade de

Share Button
Continue lendo

O Moralista no Divã – Por Eduardo Mahon

  Há fobias de muitas naturezas. Coincidem, no entanto, com a aversão a alguma coisa: lugares abertos, aglomeração de gente, micróbios, lugares escuros ou apertados. Há fobias que passam despercebidas e foram naturalizadas – fobia de barata, de cobra, de lagartos, enfim. Outras são sazonais na história da humanidade: fobia de um determinado povo, língua ou território. Finalmente, há aversões

Share Button
Continue lendo

Silêncio – por Eduardo Mahon

Por Eduardo Mahon | No centro da cidade, um calor escaldante. A ruela repleta de lojinhas acotovelando-se por atenção dos transeuntes foi tomada por placas que encobriram as antigas fachadas. Alguém teve uma ideia infeliz: colocar um vendedor na frente, munido de um microfone ligado à caixa de som. Daí em diante, todos repetiram a dose e, quem pensar comparar aquela

Share Button
Continue lendo

Corrupção Socialmente Responsável – Por Eduardo Mahon

Por Eduardo Mahon | A corrupção brasileira é a mais improdutiva, predatória e concentradora que se tem notícia. É preciso educar os corruptos para a responsabilidade social da corrupção. Um corrupto responsável gera empregos, é ambientalmente equilibrado, não gasta com excentricidades e se envolve em projetos de corrupção solidária. O corrupto precisa se qualificar para multiplicar conhecimento. Isso significa que deve

Share Button
Continue lendo

O Meu Vizinho, Gustavo Lima e a Morte. Por Eduardo Mahon

O MEU VIZINHO, GUSTAVO LIMA E A MORTE (E.M) Mania besta de morrer. Como se não fôssemos todos nós para a mesma vala. Calma! Cada um terá vez. A gente morre. Inevitavelmente. Eu diria até pontualmente. Ainda assim, tem gente que morre em vida dezenas, centenas, milhares de vezes. Morro de vontade… é o que se diz. Morro de medo.

Share Button
Continue lendo

O lugar de tudo é em Marília Beatriz e o lugar de Marília Beatriz é na literatura mato-grossense pela eternidade – Por Eduardo Mahon

Viva, Marília Beatriz! Por Eduardo Mahon | A gestão de Marília Beatriz vai se despedindo com galhardia. Soma mais um troféu valioso para a literatura mato-grossense: a eleição de Aclyse Mattos. Nossa presidente merece o nosso aplauso. Não foi fácil. A responsabilidade, no caso dela, foi redobrada por uma tripla coincidência: Gervásio Leite, o poeta, jornalista, cronista, educador, deputado e

Share Button
Continue lendo

Eu bem que avisei – Por Eduardo Mahon

EU BEM QUE AVISEI (E.M) Há um inconfessável gozo na expressão – eu bem que avisei. Um prazer erótico, mórbido, sádico e sórdido em ver concretizado o alerta que se deu a quem deu de ombros. Uma espécie de síndrome de Cassandra nos consome contra aqueles que fazem ouvidos moucos ao nosso mau augúrio mais bem-intencionado. Cassandra, coitada, recusou-se a

Share Button
Continue lendo

Transparência por princípio

O que está em jogo na polêmica atual entre o Governo de MT e o Tribunal de Contas é uma discussão juridicamente superada nos tribunais superiores: trata-se de verificar que interesse é prevalente, se o privado em conservar o sigilo fiscal de empresas ou o público em proceder às auditorias sobre a arrecadação estadual. Desse embate, é preciso posição principiológica,

Share Button
Continue lendo

A Gripe de Carlos Alberto – Um conto de Eduardo Mahon

Antônio Carlos era um sujeito comum, não fosse o nariz. O nariz em si, ele mesmo um alongamento da cara, não era nada escandaloso: longo, meio adunco, afinado na ponta. O que causou espanto era a capacidade que Carlos Alberto tinha de identificar todos os odores conhecidos e desconhecidos pela ciência. Foi assim que, com dezesseis anos, o jovem Carlinhos

Share Button
Continue lendo

Ivens e as Asas de Ícaro

Ivens Cuiabano Scaff lançou Asas de Ícaro pela ed. Entrelinhas, obra que trata do amor. O surpreendente é que, já no título, comparou o sentimento humano ao delírio mitológico do personagem que pretende voar e chegar perto do Sol. O autor deixa claro, inicialmente, a leitura de que o amor (não a paixão, como seria costumeiro) não se coloca conservador

Share Button
Continue lendo

Bovinices literárias

Em MS, acabaram com o ensino da literatura! Quando fiz o haicai “talvez seja o clima/ criando rebanhos/ de gente bovina”, estava sufocado com a bovinice da nossa intelligentsia mato-grossense. Tudo muito tacanho em termos de apoio cultural. Talvez por serem nossos governantes partidários do agronegócio, onde o que há para ler resume-se a um manual de tratores ou as

Share Button
Continue lendo

À Beira de um ataques de nervos, por Eduardo Mahon

À BEIRA DE UM ATAQUE DE NERVOS (E.M) Qualquer governo precisa de apoio popular. Além do voto, um governo se sustenta com base em vários segmentos: agronegócio, indústria, comércio, cultura, esporte, sindicatos e, claro, o suporte político que representa diretamente o eleitor. O governo Pedro Taques, mais do que qualquer outro, precisa de apoio. Isso, por algumas razões evidentes: não

Share Button
Continue lendo

Pobre País Rico – por Eduardo Mahon

Meus amigos, às vésperas do ano novo, trago más notícias. O Brasil não chegará a lugar algum no ano que vem, nem na próxima década. Muito menos Mato Grosso. Triste, né? Pois então. Em meio a tantas urgências do país, a maior das reformas é adiada indefinidamente. Tem gente que pensa ser a reforma política a nossa redentora. Ou a

Share Button
Continue lendo

Manual de instruções para um ano novo

É no sumidouro de dezembro que se classificam os anos. Há os que são leves. Espevitados, encasquetam em correr como doidos. Lembram de 1994? Pois então. Não tomam fôlego e nem água gelada. Começam como todos os outros, num janeiro qualquer e já pulam pra março; depois, pra julho e, quando menos se espera, alcançam novembro; daí então, é uma

Share Button
Continue lendo

Cartografia da Cama, por Eduardo Mahon

No início, estranhei dormir com alguém ao lado. Não sabia se ia conseguir me acostumar. É como um travesseiro novo. Custa habituar. O travesseiro sabe de tudo: as ansiedades, as impaciências, os sonhos. É quase um segundo casamento. Só falta a aliança e o papel passado. A presença da mulher reconfigura a geografia da cama. Pela manhã, ficam os decalques

Share Button
Continue lendo

Ai de ti, Cuiabá – Por Eduardo Mahon

Por Eduardo Mahon Não vou me meter a pregador. O proselitismo enche infernos de muitas naturezas. Mas gosto muito da expressão “ai de ti, Jerusalém” que retrata o choque de Jesus ao chegar à capital hebreia. A frase é simples. Passa uma emoção verdadeira. Um homem que tem pena de uma cidade pelos caminhos que seguiu. Lembrando desse trecho, olho

Share Button
Continue lendo

Estado de Gestação – Por Eduardo Mahon

Por Eduardo Mahon O bordão “Estado de Transformação” é muito pretensioso. O que é transformação? Entendo que o novo governo propunha uma reformulação na forma de gerir a máquina pública, estancando os desvios dos administradores criminosos, o desperdício burocrático de servidores pouco engajados e, finalmente, o lançamento de uma plataforma consistente para o futuro em termos de educação. Transformação não

Share Button
Continue lendo

Nós não somos Emanuéis

Por Eduardo Mahon Fomos colonizados por muitos Emanuéis. Os filhos de portugueses nobres que voltavam à terra natal com as burras cheias de ouro foram os primeiros a serem chamados de ‘brasileiros’. Nem bem chegavam aos trinta anos e já estavam montados na riqueza que havia de sustenta-los (e às gerações seguintes), afora as vantagens oficiais. Antes da independência, um

Share Button
Continue lendo

Agradeço a oposição

Por Eduardo Mahon Silval Barbosa não tinha oposição. Sem ninguém que colocasse freios, que fiscalizasse, que pressionasse, deu no que deu. Ele está preso, juntamente com outros integrantes que são confessos. Alguns elementos da quadrilha celebraram acordos de delação premiada, onde descreveram o funcionamento da organização criminosa e entregaram bens obtidos ilicitamente. Nenhum governo se sustenta sozinho, como todos sabem. É

Share Button
Continue lendo