Caminhar sem pés – um poema de João Bosquo

Caminhar por sobre as águas
Como uma canoa aprendiz
De conhecer as veredas mansas
E rasas de todos os rios

Caminhar sem pés
Com o pensamento fito
No galgar sereno
Da elevação sem traumas

Sem traumas, porém, o corpo não sai
Do porto, e somente parte no fim
No fim do entardecer
A partida, sempre, precisa
Ser mais cedo
Antes do amanhecer

Canoa não tem asas, não voa
Calma navega sem pressa
Até chegar ao grande mar azul
Oceano pantanal de todos nós.

Cuiabá, 12/12/11

Share Button