PT, enfim, começa agir e entra com uma representação para impedir Moro de assumir ministério por causa processos no CNJ

Por Felipe Pontes | O PT entrou com uma representação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) contra o juiz federal Sérgio Moro em que pede que ele seja impedido de assumir o cargo de ministro da Justiça no governo do presidente eleito Jair Bolsonaro.

O partido argumenta que Moro não pode se exonerar do cargo de juiz, o que é necessário para que possa assumir o de ministro, enquanto responde a apurações disciplinares. O PT cita o artigo 27 da resolução 135/2011 do CNJ, segundo o qual “o magistrado que estiver respondendo a processo administrativo disciplinar só terá apreciado o pedido de aposentadoria voluntária após a conclusão do processo ou do cumprimento da penalidade”. Continue Reading

Share Button

Entre Aspas: Em Paris, Ciro Gomes diz que está ‘muito cansado’ e que o Brasil ‘está doente’

Em Paris, Ciro Gomes diz que está ‘muito cansado’ e que o Brasil ‘está doente’ O pedetista foi questionado por uma brasileira enquanto andava de metrô na capital francesa O pedetista Ciro Gomes – Edmar Soares/AP   22.out.2018 às 2h00 Diminuir fonte Aumentar fonte Ciro Gomes andava tranquilo na sexta (19) com a mulher, Gisele, na estação Chatelet do metrô de Paris —até se encontrar com uma brasileira, Érika Campelo. Diretora de uma associação cultural, ela é contra a eleição de Jair Bolsonaro (PSL)

Source: Em Paris, Ciro Gomes diz que está ‘muito cansado’ e que o Brasil ‘está doente’ – 22/10/2018 – Mônica Bergamo – Folha

><>Em tempos passados votei duas vezes em Ciro, sendo uma vez após aquela desastrada declaração sobre a ‘função da mulher’ em seu futuro governo.

Acho o Ciro inteligente, sagaz, inclusive preparado para governar o país. Mas hoje acho que o Ciro é um vacilão. Vacila ao fugir do embate final, para até se qualificar numa futura eleição.

Ciro, inteligente, não foi capaz, por exemplo – por ocupar um cargozinho, no governo Lula,de perceber a necessidade de se expor politicamente com o discurso diverso do próprio PT, e não disputou a eleição na releição de Lula.

Ele teria que ir para o embate – usando as mesmas estratégias do Lula, disputar, disputar até uma hora dar certo.

Esse vácuo de três eleições (uma na reeleição de Lula, eleição e reeleição de Dilma) na minha modesta visão foi o combustível que faltou para esta eleição para quem não tem uma máquina partidária (outro caso para se pensar. A Marina criou a sua própria legenda).

O “estamos cansados” de Ciro Gomes também é uma confissão de covardia.

Lamento pelo fim político melancólico de Ciro. Termina sem estatura nenhuma.

Share Button

Agora estamos sem a escritora Zibia Gasparetto, desencarnou aos 92 anos

A escritora Zibia Gasparetto – Biblioteca Santos Dumont/Governo Santa Catarina

Agência Brasil | Desencarnou nesta quarta, 10, aos 92 anos, em São Paulo, a escritora Zibia Gasparetto. Ela lutava contra um câncer no pâncreas. O enterro será às 15h no Cemitério de Congonhas. O velório começa de manhã. Há cinco meses, ela perdeu um dos filhos, o apresentador Luiz Gasparetto, de 68 anos, que morreu de câncer no pulmão.

Em 68 anos dedicados ao espiritismo, Zibia Gasparetto publicou 58 obras e teve mais de 18 milhões de livros vendidos. Os livros dela fazem uma espécie de ponte entre os vivos e os que já morreram. Nas redes sociais, a equipe da escritora confirmou a morte.

“O astral recebe com amor uma de suas representantes na Terra.”, diz o texto. “Zibia Gasparetto, 92 anos, completou hoje sua missão entre nós e parte para uma nova etapa ao lado de seus guias espirituais, deixando uma legião de fãs, amigos e familiares, que foram tocadas por sua graça, delicadeza e por suas palavras sábias.”

Em várias entrevistas, Zibia Gasparetto dizia ser médium consciente, quando recebia mensagens como se fosse alguém a sussurrar no ouvido dela sobre o que deveria ser escrito. Ela costumava escrever quatro vezes por semana, utilizando o computador.

“Esse legado será eterno e os conhecimentos de Zibia sobre as relações humanas e espirituais serão transmitidos por muitas e muitas gerações. Ela segue em paz ao plano espiritual, olhando por todos nós”, diz a equipe da escritora.

Edição: Renata Giraldi

Source: Morre, aos 92 anos, a escritora Zibia Gasparetto

Share Button

Atenção devedores com nome no SPC e Serasa: Haddad diz estar aberto a incorporar propostas de Ciro

Por Camila Maciel , da Agência Brasil | O candidato à Presidência da República pelo PT, Fernando Haddad (PT), disse nesta terça, 9, em São Paulo, que está aberto a incorporar propostas de Ciro Gomes (PDT), terceiro lugar no primeiro turno, em seu programa de governo. Ele falou sobre o assunto após participar de reunião com governadores da Região Nordeste em um hotel na zona sul paulistana em que discutiu estratégias e propostas para a campanha.

“Eu conversei com o Roberto Mangabeira Unger [representante de Ciro] e disse a ele que estaria aberto a incorporar propostas que fossem compatíveis com os princípios [do PT]. E não há incompatibilidade entre os programas”, disse o candidato. Haddad destacou ainda que as diretrizes dos programas são similares, entre elas: soberania nacional, soberania popular, direitos trabalhistas e direitos sociais. “Enfim, os dois programas estão muito afinados”, acrescentou.

Entre os governadores eleitos ou reeleitos presentes estavam Wellington Dias, governador do Piauí; Camilo Santana, governador do Ceará; Rui Costa, governador da Bahia; Flávio Dino, governador do Maranhão. Gleisi Hoffmann, presidenta do PT, e Jaques Wagner, senador eleito pelo PT na Bahia também participou. Wagner passou a integrar a coordenação da campanha. Amanhã (10), segundo Haddad, o PT irá se reunir com governadores do PSB, partido que oficializou hoje (8) apoio ao petista.

Segundo Haddad, durante a reunião com os governadores, foram discutidas propostas “sensíveis ao Nordeste”, como a questão da segurança pública e da saúde. “A Polícia Federal vai passar a atuar no próximo governo contra o crime organizado nacionalmente. A ideia é que nós avancemos no programa que foi apresentado ao Tribunal Superior Eleitoral [TSE] com a ideia de que parte grande do crime hoje tem organizações nacionais”, apontou. No tema da saúde, ele disse que vai criar policlínicas para oferta de serviços de especialidade e cirurgias eletivas.

“Aceno ao mercado”

Questionado sobre um possível aceno ao mercado, Haddad disse que a profissão de professor lhe rendeu a capacidade de rever posições. “Um professor que não seja curioso e nem generoso está na profissão errada. E essa característica me faz todo tempo rever posições, aprender com debate”, declarou.

Ele acrescentou que o partido vem, inclusive, reformulando o plano de governo, como fizeram no tema de uma nova Constituinte. “Deixamos claro que faremos a reforma da Constituição por emenda constitucional. Não tenho nenhum problema com isso. Isso é uma maneira de dizer para a sociedade que nós estamos aqui para aperfeiçoar o nosso programa”, apontou.

Já Jaques Wagner, por sua vez, foi mais duro sobre possíveis declarações do candidato para acalmar o mercado financeiro. “Nós não podemos interferir. Se o mercado escolheu o [Jair] Bolsonaro [do PSL] como o seu candidato, nós queremos que o Haddad seja o candidato do povo brasileiro”, afirmou, acrescentando que é legítimo o mercado dizer quem quer como presidente, mas que “vai ter que conviver com quem for eleito”.

Gratidão

Em entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul, Haddad descartou hoje a possibilidade de se afastar do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde abril em Curitiba. A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) disse que Lula pediu que Haddad se dedique mais à campanha e deixe de visitá-lo. Porém, ele avisou que: “Não cospe no prato que come”.

Para o candidato, o ex-presidente é uma referência para todos. “Lula é um grande líder e foi o melhor presidente que o país já teve. O Brasil teve bons presidentes, mas ele foi o melhor. Nessa condição, ele pode contribuir muito.”

Ao ser questionado se manterá atenção aos conselhos de Lula, ele reiterou sua lealdade ao ex-presidente.

“Eu não cuspo no prato que eu comi e jamais farei isso”, afirmou o candidato. “Outra coisa é que eu não compartilho com injustiça mesmo que eu fique sozinho. Se eu ficar sozinho defendendo uma posição justa, eu prefiro do que ficar com 100% defendendo uma posição injusta. Eu só cheguei ao segundo turno por defender o projeto que Lula representa.”

Para Haddad, a sociedade como um todo tem uma cota de responsabilidade sobre a democracia e a liberdade. Segundo ele, tem três semanas para defender o projeto que ele acredita: do bem-estar do Estado, preservando os direitos e buscando melhor qualidade de vida. “Estou muito disposto a brigar pela vitória.”

Fonte: Haddad diz estar aberto a incorporar propostas de Ciro | Agência Brasil

Share Button

Catorze partidos perdem direito ao Fundo Partidário e ao horário gratuito

Sem cumprir a cláusula de barreira, 14 partidos perdem acesso ao horário eleitoral gratuito – Arquivo Agencia Brasil

Por Luiza Damé, da Agência Brasil | Dos 35 partidos registrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 14 não atingiram a chamada cláusula de desempenho e vão perder, a partir do próximo ano, o direito de receber recursos do Fundo Partidário e participar do horário gratuito de rádio e televisão. Dessas siglas, nove elegeram deputados federais, mas não conseguiram atingir o mínimo de votos ou de eleitos para a Câmara, em todo o território nacional, como é exigido pela Constituição.

Foram atingidos pela cláusula de desempenho: PCdoB, Rede, Patri, PHS, DC, PCB, PCO, PMB, PMN, PPL, PRP, PRTB, PSTU e PTC. O dispositivo atingiu os partidos da candidata a vice-presidente na chapa de Fernando Haddad, Manuela d’Ávila (PCdoB), e do candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro, General Mourão (PRTB). Neste ano, o Fundo Partidário chegou a R$ 888,7 milhões. Em ano eleitoral, há ainda o Fundo Especial de Financiamento de Campanha, que em 2018 foi de R$ R$ 1,7 bilhão.

A cláusula de desempenho toma por base a votação para a Câmara. São duas regras: perderão o acesso ao fundo e ao horário partidário, entre 2019 e 2023, as legendas que não conseguiram, nestas eleições, uma bancada de pelo menos nove deputados federais em nove unidades da federação ou pelo menos 1,5% dos votos válidos distribuídos em um terço das unidades da federação, com no mínimo 1% em cada uma delas.

Para o analista político Antônio Augusto de Queiroz, diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), a cláusula de desempenho tem aspectos positivos e negativos. “De um lado, evita os chamados partidos de aluguel que, sem chances de eleger ninguém, vendiam o espaço no horário gratuito. De outro, prejudica partidos tradicionais e ideológicos, como o PCdoB, que perdem o horário gratuito para divulgar sua doutrina e os recursos para fazer campanha”, disse.

Eleitos

Neste pleito, 31 deputados foram eleitos por partidos que não atingiram a cláusula de desempenho. O PCdoB elegeu nove deputados em sete estados – dois na Bahia, dois no Maranhão, uma no Acre, uma no Amapá, uma no Rio de Janeiro, um em Pernambuco e um em São Paulo. Não chegou, portanto, ao mínimo de nove unidades da federação. O PHS elegeu seis; o Patri, cinco; o PRP, quatro; o PMN, três; o PTC, dois; o PPL, a DC e a Rede elegeram um cada.

Esses deputados podem mudar de partido a qualquer momento sem risco de perder o mandato. Porém, a cláusula de desempenho não prejudica o funcionamento dos partidos na Câmara, que mantêm o direito de encaminhar as votações, informando a posição das bancadas, e de ter liderança ou representação. A tendência, segundo Queiroz, é que os parlamentares busquem outras legendas para garantir maior visibilidade política, reduzindo o número de partidos na Câmara.

A cláusula de desempenho vai aumentar progressivamente até 2030, quando os partidos terão de conquistar 3% dos votos válidos para a Câmara, distribuídos em um terço das unidades da federação, com no mínimo 2% em cada uma delas, ou eleger no mínimo 15 deputados federais em nove unidades da federação.

No próximo pleito, em 2022, por exemplo, os partidos precisam atingir 2% dos votos válidos para a Câmara, em nove unidades da federação, com um mínimo de 1% em cada uma delas, ou eleger 11 deputados federais em nove unidades da federação.

Edição: Nádia Franco

Source: Partidos perdem direito ao Fundo Partidário e ao horário gratuito

><>A cláusula de barreira é uma das formas para reduzir o grande, enorme número de partidos no Brasil. Aos poucos a política partidária será depurada.

Share Button

Entre aspas: Lula retira pedido de liberdade para evitar manobra jurídica para barrar sua candidatura

Da Assessoria | Em coletiva após encontro com o ex-presidente Lula em Curitiba nessa segunda (6/8), a senadora e presidenta do PT Gleisi Hoffmann anunciou que Lula decidiu retirar a medida cautelar em que requeria sua liberdade, reafirmando seu compromisso com o país e privilegiando mais uma vez sua dignidade à sua liberdade. A retirada da medida cautelar visa impedir qualquer tipo de manobra judiciária que  pudesse tornar Lula inelegível: o ex-presidente abre mão temporariamente de sua liberdade em nome de seu direito de ser candidato.

“Lula tem compromisso com o Brasil, por isso é candidato, e vai até as últimas consequências”, afirmou a senadora. Gleisi ressaltou que Lula está “esperando Moro apresentar  as provas contra ele, até dia 15”, e mandou um recado: “Não estaremos ao lado da rede globo e do mercado financeiro. Nosso lado é o povo”.  Segundo Hoffmann, Lula disse “receber com satisfação a coligação (PT/PCdoB e PRos), estar animado e continuar candidatíssimo”.

Fernando Haddad, porta-voz de Lula e candidato à vice-presidência na coligação,  reafirmou que a candidatura de Lula será registrada dia 15/08 junto ao STF. Ele lembrou  que , mesmo que sub judice, a candidatura de Lula tem os mesmo direitos que qualquer outra. Portanto, ele tem direito a participar de debates e conceder entrevistas:  “A candidatura de Lula está definida pelo PT. Nosso pedido é que Lula vá ao debate. Se isso não for possível, que isso possa indicar um representante.”. Haddad reiterou que serão utilizados todos os recursos cabíveis para garantir a participação de Lula nessa eleição. Sobre a retirada da medida cautelar, ele afirmou:  “é um pedido de liberdade. Só que a impressão que causou pelas declarações é de que ia ser usado esse expediente para julgar a elegibilidade, o que não constava no pedido. Então para não correr risco, e o Lula sempre deixou claro que não trocaria a dignidade pela liberdade, ele está retirando esse pedido hoje”.

Na próxima quinta,  9/8, Manuela D’Ávila e Fernando Haddad visitarão o ex-presidente em Curitba.  Haddad  será o vice e  porta-voz de Lula até o trâmite final da homologação da candidatura Lula na Justiça Eleitoral. Concluída essa etapa, a ex-deputada Manuela D1Ávila assumirá a posição de vice na chapa.

Acesse aqui a petição: Esclarecimentos – Desistência – Assinado

Source: Lula retira pedido de liberdade para evitar manobra jurídica para barrar sua candidatura – Lula

Share Button

O potencial brasileiro para a implantação de novos museus e os 200 anos do Museu Nacional

Da Assessoria | No próximo mês, o Brasil comemora os 200 anos de fundação do Museu Nacional (RJ), hoje vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro, um marco para o estabelecimento dessas instituições em terras brasileiras. No início do século eram 12 museus existentes e hoje são mais de 3,8 mil, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), do Ministério da Cultura.

Do total de museus mapeados, 40% estão na região Sudeste e 27% no Sul do País. Nessas regiões estão concentradas 2540 instituições, sendo São Paulo o estado com o maior número (667), seguido por Rio Grande do Sul (475), Minas (432), Rio de Janeiro (324) e Paraná (302). A região Nordeste tem 21% da representatividade, com 809 museus. Já as regiões Norte e Centro-Oeste juntas tem apenas 459 instituições, o que representa 12%.

“Embora o número de museus tenha aumentado, o Brasil tem potencial para implantação de novas instituições. Para se ter uma ideia, no último levantamento realizado pelo Institute of Museum and Library Services (agência governamental independente que registra o número e o tipo de museus), em 2014, os Estados Unidos – com extensão territorial próxima a nossa –  contam com mais de 35 mil instituições, sendo maioria de pequenos museus, quase familiares”, afirma Nelson Colás, diretor de Relações Institucionais da Federação de Amigos de Museus do Brasil (Feambra). “O cenário é animador se pensarmos nas potencialidades. Entretanto, não podemos esquecer que ainda é necessário avanços na preservação, investimentos e qualificação de pessoal”, finaliza Colás.

 Museu Nacional (RJ) – Com acervo de mais de 20 milhões de itens, constituído principalmente por itens relacionados às áreas de Antropologia, Botânica, Entomologia, Geologia e Paleontologia, o Museu Nacional/UFRJ é a mais antiga instituição científica do Brasil voltada à pesquisa e à memória da produção do conhecimento, hoje reconhecida como centro de excelência de pesquisa em história natural e antropológica na América Latina.

Alguns números a partir da criação do Museu Nacional (RJ)

Após a Independência do Brasil novas instituições foram fundadas:

1838 – Museu do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro;

1895 – Museu de História Natural – Hoje Museu Paulista Ipiranga

1903 – Museu Júlio de Castilhos

1912 – Museu Paranaense

No período Republicano, destacam-se a criação:

1922 – Museu Histórico Nacional

1937 – Museu Nacional de Belas Artes

1938 – Museu da Inconfidência

1940 – Museu Imperial

1941 – Museu de Arte Brasileira; acoplado às dependências da FAAP

1951 – Museu de Arte de São Paulo MASP

1948 – Museu de Arte Moderna de São Paulo MAM

1954 – Museu de Arte do Rio Grande do Sul

“>

Share Button

‘Um Conto de Batman: na Psicose do Ventríloquo’, 1º Batman Fan Film do mundo concorre ao prêmio de melhor filme no Gen Con Film Festival 2018

Da Assessoria | 1º Batman Fan Film do mundo em formato longa-metragem concorre ao prêmio de melhor filme no Gen Con Film Festival 2018, que acontece em agosto, em Indianapolis, nos EUA, e integra o Gen Con 2018, mais tradicional e original evento de games do mundo. Obra sobre o ‘Homem Morcego’ pode render mais um prêmio internacional ao cineasta brasileiro Elvis delBagno.

Elvis delBagno é um diretor de cinema amante da arte conceitual e que não privilegia efeitos especiais ou reviravoltas constantes na história. Com ‘Um Conto de Batman: na Psicose do Ventríloquo’, 1º Batman Fan Film do mundo em longa-metragem, delBagno conquistou diversos prêmios internacionais e em agosto vai concorrer a mais um: melhor filme no Gen Con Film Festival 2018, que acontece nos EUA. Também em agosto, ele tenta participar do 22º CINE-PE, um dos maiores festivais do Brasil, com outra obra, ‘A Suíte Epifânica de Luíza’.

No Gen Con Film Festival 2018, Elvis concorrerá ao prêmio de melhor filme com a obra ‘Um Conto de Batman: na Psicose do Ventríloquo’, o 1º Batman Fan Film do mundo feito em formato longa-metragem e que rendeu diversos prêmios a delBagno em festivais internacionais.

Já no CINE-PE 2018, delBagno vive a expectativa de concorrer com o filme ‘A Suíte Epifânica de Luiza’, que passa por avaliação dos jurados. Trata-se de uma obra poeticamente polêmica que aborda a história de uma idosa aprisionada em sua casa junto aos seus medos, angústias e aflições que marcaram sua infância.
Gen Con Film Festival 2018

Neste evento, Elvis está concorrendo ao prêmio de melhor filme longa-metragem com ‘Um Conto de Batman: na Psicose do Ventríloquo’, o 1º Fan Film do mundo do Homem-Morcego no formato de longa. A obra tem enredo autoral, prioriza as histórias dos personagens ao invés de explosões, lutas e efeitos especiais, e mostra uma narrativa lenta, por vezes, sem falas. Uma analogia à sociedade brasileira moderna aliada ao estudo profundo do Ser Humano.

O filme traz uma visão desvinculada das características “hollywoodianas” tradicionais, mas com produção robusta, fotografia marcante e enredo denso que não deixam dúvidas quanto à qualidade e importância do filme na carreira de Elvis.
Batman brasileiro de Elvis delBagno se mostra perturbado e confuso por se perder em seu ‘Eu’ a cada dia que tenta descobrir mais sobre si mesmo. Já o vilão, um boneco ventríloquo, tem sua existência explorada a fundo a fim de explicar a mente psicopata de um chefe da máfia.

22º CINE-PE

Já no festival pernambucano, Elvis está com o filme ‘A Suíte Epifânica de Luíza’ em análise dos jurados para concorrer ao prêmio em agosto. Sombrio, dramático e muito poético, a obra traz detalhes que remetem à solidão e a fatos da infância aprisionados na mente de Luiza, que não a deixam em paz. Sua imaginação e seres inanimados completam o sofrimento só. O espectador vivencia a atormentada vida da personagem, repleta de traumas, medos e polêmicas que transbordam poesia.

Uma obra do gênero ‘fantástico’, onde o roteiro, a produção, a filmagem, a sonorização e a edição são claramente autorais, respeitando uma narrativa lenta que seduz delBagno, ao mesmo tempo que o caracteriza como um cineasta diferente. Repleta de símbolos e metáforas bem construídas, a existência de Luiza se mostra sofrida, assustadora e cercada por monstros criados por ela mesma.

Após conquistar prêmios e prestígio em festivais de cinema ao redor do mundo, Elvis vive a expectativa de participar do CINE-PE 2018 para alcançar o reconhecimento também entre o público e crítica aqui do Brasil.

Elvis delBagno – Divulgação

Elvis delBagno gosta de utilizar o ambiente, o local das filmagens, como um dos protagonistas, pois é ele o responsável pelos males das pessoas, por uni-las ou afasta-las. Para mostrar o ambiente como um dos “astros” da obra, delBagno se inspira em nomes como Roman Polanski e Luis Bruñuel. “Aprecio demais essa peculiaridade, pois é o ambiente que faz você entender sobre o ser humano. Uma pessoa só é o que é devido aos incontáveis fatores e forças que o ambiente exerce sobre ela”, comenta Elvis.

Para delBagno, as crises existenciais sobrepõem os problemas externos e seus roteiros buscam mostrar o porquê daquela pessoa se tornar um vilão, quais motivos a levaram a esta condição. Elvis preza por filmes do gênero ‘Fantástico’ com toques surrealistas, de horror ou dramas que fogem do convencional. “Busco inverter histórias, dar outro fim ao final já conhecido, desestruturar narrativas. Assim, acredito que o filme se torna mais autoral, com características marcantes. Sempre procuro associar o filme a uma discussão política ou social de nosso país. E prefiro o ritmo do cinema clássico”, afirma delBagno.

Em breve, Elvis delBagno pretende anunciar um novo projeto, baseado em uma figura conhecida e exaltada na literatura brasileira. Algo bem brasileiro, na visão de um brasileiro, que não privilegia o conceito dos blockbusters.

Leia também: “Batman Brasileiro” concorre em duas categorias no FanFilm Awards 2018

Share Button

STF derruba decisão de Edson Fachin de enviar delação envolvendo Lula para Moro e acaba com o tribunal de exceção; tarde, mas acabou

Por André Richter, da Agência Brasil | A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje (24) derrubar a decisão individual do ministro Edson Fachin que determinou o envio de acusações de delatores da Odebrecht contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a 13ª Vara Federal em Curitiba, comandada pelo juiz federal Sérgio Moro.

De acordo com os delatores, entre eles Marcelo e Emílio Odebrecht, a empreiteira teria custeado despesas pessoais de Lula, como reformas em um sítio frequentado por sua família em Atibaia (SP), a compra do terreno para instalação do Instituto Lula em São Paulo e pagamentos por palestras realizadas pelo ex-presidente em eventos organizados pela empreiteira no exterior.Por 3 votos a 2, seguindo voto divergente do ministro Dias Toffoli, a Turma entendeu que as acusações contra Lula não têm relação com os desvios de recursos na Petrobras, cujo relator é o juiz Sérgio Moro.  Dessa forma, o processo deve ser enviado para a Justiça Federal em São Paulo, onde os supostos crimes ocorreram. Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes seguiram o voto de Toffoli. Edson Fachin e Celso de Mello não conheceram o recurso.

Na decisão, após pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR), Fachin desmembrou parte dos depoimentos de delação de executivos da empreiteira Odebrecht e enviou os fatos para Justiça Federal em Curitiba. No entanto, a defesa de Lula discordou da decisão, e o recurso foi julgado na sessão do colegiado.

Defesa Em nota, a defesa de Lula disse que a decisão da Segunda Turma reforça o entendimento que sempre foi sustentado pelos advogados. Segundo Cristiano Zanin, o juiz Sérgio Moro não é competente para julgar as acusações.

“Não há qualquer elemento concreto que possa justificar a competência da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba nos processos envolvendo o ex-presidente. Entendemos que essa decisão da Suprema Corte faz cessar de uma vez por todas o juízo de exceção criado para Lula em Curitiba, impondo a remessa das ações que lá tramitam para São Paulo”, afirmou Zanin.

Source: STF derruba decisão de enviar delação envolvendo Lula para Moro | Agência Brasil

“>

Share Button

Jurista Joaquim Falcão é eleito para a ABL

O novo imortal, Joaquim Falcão (Divulgação/ABL)

O jurista e educador Joaquim Falcão, de 74 anos, foi eleito hoje (19) para a Cadeira 3 da Academia Brasileira de Letras (ABL), sucedendo o jornalista e escritor Carlos Heitor Cony, que morreu no dia 5 de janeiro deste ano. Antes de Cony, a Cadeira 3 foi ocupada pelo fundador da instituição, Filinto de Almeida, por Roberto Simonsen, por Aníbal Freire da Fonseca e por Herberto Sales.

Participaram da sessão, no Petit Trianon, como é conhecido o prédio-sede da ABL, 24 acadêmicos, e 11 encaminharam seus votos por carta. Por motivo de saúde, quatro imortais não votaram. Além disso, houve três votos em branco.

Joaquim Falcão disse que sua eleição simboliza a busca de Brasil pelo Brasil. “Simboliza a capacidade de ver e interpretar o Brasil, a liberdade de informação e a adversidade do Brasil.”

Ao comemorar em casa, junto com parentes e amigos, a eleição para a ABL, Falcão adiantou qual será a sua contribuição para os debates com os imortais, como são chamados os membros da academia. Ele lembrou que sua origem é jurídica e que é especializado em Supremo Tribunal Federal (STF). “O Supremo representa o sentimento de justiça do Brasil, assim como os intelectuais representam a consciência do povo brasileiro”, afirmou.

Ao comentar o papel do STF no momento atual, Falcão foi direto: “O Supremo não vai falhar ao Brasil.”

Sucessão – Para Falcão, o fato de suceder o escritor Carlos Heitor Cony na ABL também é motivo de satisfação. “Cony representou, nos meses mais difíceis que o Brasil passou, uma voz que ia além de si mesmo. Cony foi uma voz de liberdade. Ele disse o que o Brasil inteiro queria dizer.”

O presidente da ABL, Marco Lucchesi, ressaltou que o novo imortal é figura de destaque no meio jurídico, e uma conquista para a Casa. Joaquim Falcão é um nome de marca na área jurídica e um intérprete sensível e profundo de nosso país. Tem uma cultura ecumênica e plural, raro conhecedor do STF e dos desafios do Brasil. É um grande nome para a Casa.”

A acadêmica Rosiska Darcy de Oliveira, destacou que Falcão já deveria sido eleito para a ABL. “Joaquim Falcão é não só um jurista notável, é também uma figura incontornável da cultura brasileira. Seu lugar é nesta Casa e já tardava esta eleição. Joaquim é muito querido entre os Acadêmicos, como prova a sua votação”, afirmou a escritora.

O novo acadêmico nasceu no Rio, mas é de origem pernambucana. Bacharel em direito pela Universidade Católica do Rio de Janeiro, é mestre em direito na Harvard Law School e em planejamento de educação, além de ter doutorado na Universidade de Genebra. Foi diretor da Faculdade de Direito da PUC-Rio, professor associado da Universidade Federal de Pernambuco e da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro, fundador e professor titular da Escola de Direito da Fundação Getulio Vargas do Rio de Janeiro.

Entre outros cargos políticos, Joaquim Falcão foi chefe de gabinete do ministro da Justiça no governo Sarney, Fernando Lyra; fez parte da Comissão Provisória de Estudos Constitucionais, a Comissão Afonso Arinos; presidiu a Fundação Nacional Pró-Memória, responsável pelas principais casas de cultura do Brasil, como Biblioteca Nacional, o Museu Nacional de Belas Artes e o Museu Histórico Nacional.

No fim dos anos 70, começou a colaborar com o jornal Folha de S.Paulo, escrevendo durante anos na página 2. Seu livro A Favor da Democracia, publicado em 2004, é resultado desse período.

O livro Mensalão – Diário de um Julgamento: Supremo, Mídia e Opinião Pública, publicado em 2013, descreve uma nova estratégia de “difusão de massa do conhecimento jurídico”, traduzindo para o grande público, as grandes questões sobre estado democrático de direito.

Source: Jurista Joaquim Falcão é eleito para a ABL | Agência Brasil

Share Button

Entre aspas: Pobreza extrema aumenta 11% e atinge 14,8 milhões de pessoas, informa o Valor Econômico

><>Quando vejo pessoas amigas, algumas inteligentes, mas com fervor ‘combatem’ a corrupção, segundo elas o maior câncer da humanidade, e festejam a prisão de Lula, fico me questionando, será que não enxergam a manipulação da mídia por trás de tudo isso???

O Brasil hoje paga em torno de 50% de seu Orçamento para o sistema financeiro (juros e serviço da dívida) e que o atual governo está fazendo economia para pagar mais aos bancos? A matéria é do Valor Econômico e assinada pelo jornalista Bruno Villas Boas. Era não terá impacto nenhum pois não será repercutida nos demais veículos das Organizações Globo.

Apesar da queda da inflação e do início de recuperação da atividade econômica, a pobreza extrema continuou se alastrando pelo país em 2017. Levantamento da LCA Consultores, a partir dos microdados da Pnad Contínua, divulgada ontem pelo IBGE, mostra que o número de pessoas em situação de extrema pobreza no país passou de 13,34 milhões em 2016 para 14,83 milhões no ano passado, o que significa aumento de 11,2%.

Source: Pobreza extrema aumenta 11% e atinge 14,8 milhões de pessoas | Valor Econômico

Share Button

Gilmar Mendes e Barroso batem boca  e expõe o ridículo que se tornou o STF dominado pela mídia por vaidade de seus ocupantes

Poe Felipe Pontes – Repórter da AgBr | Os ministros Luís Roberto Barroso e Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), protagonizaram novo bate-boca em plenário, com trocas de ofensas pessoais. A presidente da Corte, ministra Cármen Lúcia, precisou suspender a sessão para acalmar os ânimos.

Durante julgamento sobre a constitucionalidade ou não de doações ocultas para campanhas eleitorais, Mendes fez críticas a diversas decisões recentes do Supremo, inclusive a “manobra” que liberou o aborto para grávidas com até três meses de gestação, ação relatada por Barroso.

“Agora eu vou dar uma de esperto e vou conseguir a decisão do aborto. De preferência com três ministros, que aí a gente consegue com dois a um”, ironizou Mendes, em referência ao julgamento de um habeas corpus, na Primeira Turma, no qual a decisão do aborto foi tomada.

“Vossa Excelência me deixe fora desse seu mau sentimento. Você é uma pessoa horrível, uma mistura do mal com o atraso e pitadas de psicopatia. Isso não tem nada a ver com o que está sendo julgado”, reagiu Barroso, com a voz elevada.

“É um absurdo [que] Vossa Excelência faça um comício aqui, para falar grosserias. Vossa Excelência não consegue articular um argumento. Fica procurando. Já ofendeu a presidente, já ofendeu o ministro Fux, agora chegou a mim. A vida, para Vossa Excelência, é só ofender as pessoas, não tem nenhuma ideia. Nenhuma. Nenhuma!”, acrescentou Barroso.

Cármen Lúcia resolveu então interromper a sessão, mas antes Gilmar Mendes soltou mais uma provocação ao microfone dirigida ao ministro Barroso: “o senhor deveria fechar seu escritório de advocacia”, disse.

Essa não a primeira vez que os dois ministros protagonizam um bate-boca acalorado em plenário. Ambos têm se colocado como antagonistas na Corte. Por um lado, Barroso defende uma postura mais assertiva do Judiciário, que segundo ele deveria suprir lacunas deixadas pelo Legislativo e Executivo, ao mesmo tempo em que deve ser mais rígido no âmbito criminal.

Mendes, em campo oposto, defende que o Judiciário deve ter um maior cuidado com a independência entre os Poderes da República, e também que os ministros do Supremo devam observar uma maior garantia de direitos individuais e do devido processo legal em ações penais.

Source: Gilmar Mendes e Barroso batem boca no STF; sessão é suspensa | Agência Brasil – Últimas notícias do Brasil e do mundo

Share Button

Fim da linha pra você, ex-presidente ladrão – Um poema realista de Herton Gustavo Gratto 

Por Herton Gustavo Gratto | 

Fim da linha pra você, ex – presidente ladrão
mesmo sem provas
bato panelas
em prol da sua condenação
isso é pra você aprender
que o pobre não tem direito a mais que uma refeição

Fim da linha pra você, metalúrgico boçal
isso é pra você aprender
a nunca mais fazer assistência social
com meu dinheiro
e nem se atrever a transformar em engenheira
a filha do pedreiro

Fim da linha pra você ex presidente aleijado
não é pelo triplex
que você está sendo condenado
é pela sua ousadia em ajudar o garçom a virar advogado
em contribuir pra ascensão do negro favelado
que agora acredita que pode estudar medicina
sair da miséria e até conhecer a Capela Sistina

Fim da linha pra você, ex presidente bandido
isso é pra você aprender
que o nordeste deve continuar a ser esquecido
e que saúde e educação é pra quem pode
e não é que pra quem quer

Fim da linha pra você, semi analfabeto atrevido
graças a sua insensatez
o filho da faxineira chamou o meu filho de amigo
você está sendo condenado
pela sua falta de noção
de achar que é pobre é gente
que agora pode usar aparelho nos dentes
ter casa própria e andar de avião

Fim da linha pra você, ex presidente imundo
isso é pra você parar com essa palhaçada
de estimular a minha cozinheira
a querer ter carteira assinada
era só o que me faltava
o proletariado sonhar com qualidade de vida
você devia saber que essa gente nasceu pra me servir
e não pra servida, mas você é tão inconsequente
não enxerga um palmo diante do nariz
que fez a babá do meu caçula
sonhar que pode estudar pra ser atriz
e fazer aula de inglês
essa pouca vergonha é resultado da sua insensatez
da sua irresponsabilidade desmedida
aprenda de uma vez
barriga vazia e bala perdida
fazem parte do cotidiano
dessa gente bronzeada
foi querer mudar o mundo
se meteu numa enrascada

Fim da linha pra você, ex presidente imbecil
você está sendo condenado
não por ter roubado
porque isso não foi provado
seu erro
foi ser fazer história
ser do tamanho do Brasil
ter oitenta por cento de aprovação popular
acreditar em igualdade
e saber governar.

FIM DA LINHA PRA VOCÊ, EX-PRESIDENTE!

Share Button

Movimentos sociais ocupam a sede das Organizações Globo no Rio de Janeiro

A sede da Rede Globo no Rio de Janeiro acaba de ser ocupada. Cerca de 150 pessoas estão acampadas no prédio da emissora na Rua Jardim Botânico. A ação organizada por movimentos populares tem por objetivo denunciar o empenho da Rede Globo na condenação de Lula e da democracia.

A emissora teve sua atuação questionada em diversos momentos da história e influenciou os principais episódios politicos, sustentando com uma atuação parcial durante desenrolar do Golpe de 2016. Uma pesquisa realizada na Universidade Federal do Rio de Janeiro, constatou que entre dezembro de 2015 e agosto de 2016 o Jornal Nacional dedicou quase 13 horas de noticias negativas sobre Lula e nenhuma hora de noticias favoráveis.

Sob o mote “Globo condena Lula. Povo enfrenta a Globo” movimentos populares, entre eles MST e Levante Popular da Juventude, “o judiciário do Moro não conseguiria sozinho condenar o Lula. Já tentaram várias manobras, mas o que sustenta a República de Curitiba e as inconstitucionalidades do processo é a Globo, que tem se empenhado para atacar Lula para que ele não concorra às eleições em 2018”, afirma Luma Vitório do Levante.

Na ocupação cartazes nomeiam a Rede Globo de Tribunal Federal da Injustiça e denunciam as investigacoes que a corporação carrega, entre elas o esquema de pagamento de propina para transmissão de jogos de futebol e sonegação fiscal.

Em todo o Brasil atos estão sendo programados para o dia 24, dia que ocorrerá o julgamento de Lula no TRF4 em Porto Alegre. Movimentos sociais iniciaram hoje Acampamento em Porto Alegre que terá programação até o dia do julgamento.

Leia as observações de Fernando Brito em seu blog Tijolaço: 

A garotada do movimento secundarista ocupa, neste momento e pacificamente – a calçada diante da sede da Rede Globo, no Jardim Botânico, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Embora não haja violência ou depredação alguma, não vai demorar para a polícia tira-los de lá.

É que a Globo é mais sagrada que igreja e, se fossem garotos do MBL diante do Instituto Lula seria “democracia”. Na Globo, não é.

Aos guris, um abraço e um pedido de calma. Quando os tirarem daí, não deixem que digam que há confusão. A tele da TV é deles, não é?

 

Share Button

Lula, PT e CUT: outra hora da verdade, por Aldo Fornazieri

por Aldo Fornazieri | É forçoso constatar que as esquerdas brasileiras têm sido refratárias em aprender com as lições da história. Os mais eminentes clássicos da Filosofia Política sempre chamaram a atenção para o fato de que os grandes líderes políticos precisam recorrer história, extraindo dela lições negativas, para evitar caminhos que levam a derrotas, e lições positivas, seguindo como modelos as ações exemplares que levaram a grande vitórias e contribuíram para construir a grandeza do Estado e alcançar a glória imorredoura dos grandes condutores políticos e dos povos. Basta ler as biografias de um Péricles, de um Alexandre, de um Cipião, de um Júlio César, de um Otávio Augusto, de um Carlos Magno, de um Napoleão, de um Bismark e de tantos outros, antigos e modernos, para ver como esses líderes se esmeravam no estudo da história, visando compreender os segredos das vitórias ou das derrotas, da grandeza ou da vergonha, da virtude combativa ou da covardia da fuga.


Desgraçadamente, a maior parte dos políticos brasileiros é constituída de arrogantes. Arrogância e ignorância andam juntas. Eles pressupõem que sabem tudo e, na sua desastrosa auto-suficiência, se negam a aprender com a história, com os bons exemplos e com os bons conselhos. Todo líder sábio e prudente tem essas três fontes de sabedoria política: a história, os bons exemplos e os bons conselhos.

Todo golpe tem dois grandes conjuntos de causa: os erros e a inépcia dos golpeados e a ação criminosa e ilegal dos golpistas. As circunstâncias e causas que estão imbricadas no o golpe militar de 1964 e no golpe jurídico-parlamentar de 2016, são diferentes, embora algumas questões de fundo sejam as mesmas. Outro elemento comum aos dois eventos, com nuances e circunstâncias diferentes, é a conduta capitulacionista das forças de esquerda, a sua fraqueza e desorganização, a sua retórica inflamada e a sua inconsequência na ação prática.

Os líderes sindicais haviam convocado uma greve geral para 31 de março de 1964, mas, praticamente, ninguém aderiu. Com alguns líderes presos, outros foragidos, os sindicatos mostraram toda a sua debilidade. O suposto esquema militar de Jango, a rigor, era um campo minado. Jango tinha mantido em postos de comandos alguns militares que se tornaram chefes golpistas. Se não eram golpistas, eram incompetentes. O próprio general Castelo Branco era chefe do Estado Maior do Exército.

Com Dilma, não foi diferente: Temer, participava das reuniões para evitar o impeachment ao mesmo tempo articulava o golpe com alguns ministros do governo, com líderes do governo no Congresso, notadamente o senador Romero Jucá. Ministros saíram das explanada dos Ministérios para orientar as suas bancadas para derrubar Dilma. Desta vez sequer existiam tanques e baionetas. Mas também não existiam os prometidos exércitos do MST e as trincheiras do presidente da CUT. Os manifestantes do fatídico 17 de abril de 2016, é bom que se repita, no final do dia, e em face da derrota imposta por uma Câmara dos Deputados ignominiosa, que fez corar de vergonha até mesmo a grama da praça dos Três Poderes, se retiraram para as suas casas cabisbaixos e desmoralizados.

As esquerdas sofreram outras derrotas como resultado da sua impotência ou da sua omissão. No contexto das Diretas Já, após grandes mobilizações populares, se limitaram a votar contra a chapa Tancredo-Sarney no Colégio Eleitoral. Após as mobilizações pelo impeachment de Collor, nenhum saldo mais significativo. Os caras-pintas evaporaram e o resultado foi o reinado de oito anos de FHC.

Agora mesmo o governo golpista de Temer impôs a reforma trabalhista sem grande resistência de rua. No dia da votação da reforma no Senado, o presidente da CUT, Wagner Freitas, se encontrava no recinto querendo entrar no plenário. Compare-se esta atitude com a atitude dos sindicatos e dos movimentos sociais argentinos que, na última semana, cercaram o Congresso e inviabilizaram a votação da reforma da previdência naquele país. Uma das palavras de ordem entoada pelos manifestantes é que lá “não é o Brasil”.

Este grito precisa vibrar nos ouvidos dos governantes argentinos, mas também dos sindicalistas e líderes sociais brasileiros. Na verdade, os sindicatos brasileiros vêm revelando uma debilidade histórica: garantidos à sombra do imposto sindical, são dirigidos por burocracias de bem viventes, bem vestidos e bem alimentados, distantes de suas bases e alheios às vicissitudes destas. Este afastamento entre direções e bases impede que nos momentos decisivos se tenha força mobilizadora, força de combate.

A interdição da candidatura Lula deve ser inaceitável e inegociável

O julgamento de Lula em 24 de janeiro pelo TRF4 será uma nova hora da verdade para as forças de esquerda e progressistas brasileiras, particularmente para o PT e para a CUT. Em que pese a resolução do Diretório Nacional do PT chamar para a mobilização, se observa um certo ar de capitulacionismo em setores do partido. A CUT está desafiada a conseguir ir além do tom declaratório dos seus dirigentes. O PT terá que mostrar que sabe ir além de si mesmo, chamando as demais forças democráticas, progressistas e de esquerda para enfrentar este último ato do golpe. Caso contrário, poderá caminhar sozinho para uma nova derrota. Pensar num plano B, neste momento, numa candidatura substituta a Lula, significa antecipar a derrota sem luta. Mas setores de esquerda são tão ufanistas e inconsequentes que acreditam que se Lula for impedido, transferirá os votos para outro candidato e o elegeria. Prefere-se acreditar em fantasias do que lutar.

As forças progressistas e de esquerda precisam perceber que existe um embate prévio às eleições: garantir o direito à candidatura Lula como uma questão democrática central, como uma questão da luta do povo contra as elites predadoras. Não cabem condutas oportunistas nessa questão, por mais ressentimentos que muitos possam ter do PT. Se surgir uma Frente Democrática e Progressista desse processo, tanto melhor. Se não surgir, as diversas candidaturas e partidos de esquerda poderão participar das eleições com a dignidade do dever cumprido se lutarem por garantir Lula na disputa.

É preciso perceber que as forças golpistas perderam a legitimidade moral junto à sociedade e que este é o momento da confraofensiva. Os fatores são vários: por ser o governo uma quadrilha; pelo PSDB ter ser revelado um partido hipócrita, moralista sem moral; pelo STF ser um abrigo de bandidos de colarinho branco, soltando empresários corruptos, salvando Aécio Neves, abrindo mão de suas prerrogativas e rasgando a Constituição; por existirem juízes do STF e de outros tribunais tisnados pela suspeição de graves irregularidades; pela parcialidade persecutória do juiz Moro e pela suspeita de que a Lava Jato tem se tornado um balcão de negócios de Moro e dos procuradores; pelo fato de que em vários setores do Judiciário se resvalou para o arbítrio, para a exceção e se deixou de cumprir a lei. Não se pode aceitar a condenação de Lula, sem provas, por um Judiciário carcomido pela incompetência, pela corrupção, pelos privilégios, pela proteção de criminosos ricos e pela penalização dos pobres

As forças progressistas e de esquerda do Rio Grande do Sul têm o dever de se colocar na linha de frente desta luta, mobilizando os ativistas de todo o estado para ocupar Porto Alegre. Trata-se de fazer confluir caravanas de todas as regiões do estado para dizer que o último capítulo do golpe não será aceito. Trata-se, não só de ocupar Porto Alegre, mas de parar a capital gaúcha usando táticas que não se restrinjam a um mero piquenique cívico, como vem ocorrendo na Avenida Paulista.

Os movimentos sociais e progressistas do Rio Grande do Sul precisam resgatar as virtudes combativas, de enfrentamentos cívicos, das lutas sociais e populares -virtudes e combates que estão enredados com a história do próprio estado. É preciso transformar o dia 24 de janeiro num novo paradigma da história dos progressistas e das esquerdas no Brasil. Um paradigma que seja o da organização social, do poder social e do poder da mobilização popular, escrito com brio, coragem e combatividade. Travar a luta no interior das instituições é uma necessidade, mas criar poderosas e combativas organizações e movimentos da sociedade, a exemplo do MTST, é uma garantia de que haverá lutas por direitos e dignidade e que golpes não poderão ser dados sem enfrentamentos.

Aldo Fornazieri – Professor da Escola de Sociologia e Política (FESPSP).

Source: Lula, PT e CUT: outra hora da verdade, por Aldo Fornazieri | GGN

Share Button

Entre aspas: Tacla Duran confirma conversa com Carlos Zucolotto, amigo de Moro, e mostrará provas à CPI da JBS

Mônica Bergamo: Tacla Duran apresentará perícia para provar conversa com amigo de Moro

Reprodução
Rodrigo Tacla Duran, ex-advogado da Odebrecht, durante entrevista por Skype a Folha. Foto: Reproducao ***DIREITOS RESERVADOS. NÃO PUBLICAR SEM AUTORIZAÇÃO DO DETENTOR DOS DIREITOS AUTORAIS E DE IMAGEM***
Rodrigo Tacla Duran, ex-advogado da Odebrecht, durante entrevista por Skype a Folha

 O advogado Rodrigo Tacla Duran vai apresentar na quinta (30), em depoimento na CPI da JBS, uma perícia feita a pedido dele, na Espanha, em fotos de correspondência que diz ter mantido com o advogado Carlos Zucolotto, do Paraná, pelo Wickr.

BORRACHA
Ele acusa o advogado, que é amigo e padrinho de casamento do juiz Sergio Moro, de intermediar negociações paralelas dele com a força-tarefa da Operação Lava Jato. As mensagens pelo aplicativo, que são destruídas em pouco tempo, comprovariam as tratativas. Duran fotografou os diálogos e diz que apresentará as imagens na CPI.

NUNCA VI
Zucolotto nega ter feito qualquer negociação paralela com a Lava Jato. Diz que nunca conversou com Duran pelo Wickr e que sequer baixou o aplicativo no celular.

PALAVRA DE ACUSADO
Moro não foi acusado por Duran. Mas, quando a história veio a público, defendeu Zucolotto e disse ser “lamentável” que se desse crédito a um “acusado foragido” -Duran, investigado na Lava Jato, hoje vive na Espanha.

><> Só para esclarecer, embora todo mundo já saiba. Wickr, segundo o Wikipédia, “é um aplicativo para Android e iPhone designado para ajudar pessoas no envio de mensagens, incluindo fotos e anexos, que são automaticamente deletados a partir de um certo tempo”.

Como as mensagens se apagam depois de um determinado tempo elas só podem ser registradas fotograficamente como anuncia a jornalista Mônica Bergamo, em sua coluna na folha de S. Paulo.

Lembrando Tacla Duran seria mais uma vítima da Lava-jato se não tivesse se exilado na Espanha, país do qual tem passaporte também.

Tacla Duran, assim como a ex-contadora de Alberto Youssef, Meire Poza, são exemplos de pontos sem nó na Lava jato. Esses pontos vão pra de baixo do tapete e apenas – daqui alguns anos – serão apenas referência em algum livro de história do direito brasileiro (ou nem isso) .

A Lava Jato, depois que o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) confirmar a condenação de Lula, será devidamente ‘arquivada’, pois terá cumprido seu papel.

Share Button

Senador Wellington Fagundes aparece na nova lista da JBS divulgada pela revista Época

Reprodução da reprodução publicada pela revista

Os vazamentos, ah! os vazamentos, continuam como antes de antes.

A revista das Organizações Globo, dita Época, chega às bancas com uma planilha de pagamento de propina a políticos.

O objetivo da divulgação é desgastar o desgastado (usurpador) Michel Temer, mas também acaba sobrando para o senador mato-grossense Wellington Fagundes, então deputado federal, que teria recebido no dia 05 de setembro de 2014 R$ 300 mil, três dias depois do então vice-presidente receber R$ 1 milhão.

Share Button

Entre aspas: O STF jamais será o mesmo depois que Gilmar Mendes se aposentar; ele é único em defesa dos seus e que se dane a constituição e as súmulas

 Inovações e Desafios (Elza Fiuza/Agência Brasil)

O minsitro do STF, Gilmar Mendes, comentou o julgamento desta quarta-feiraElza Fiuza/Agência Brasil

Por Daniel Mello | O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes disse nesta segunda feira, 09, que o julgamento de ação direta de inconstitucionalidade (ADI) que decidirá se a Corte pode aplicar medidas cautelares alternativas à prisão a parlamentares resolverá um problema de interpretação do texto constitucional.
“O Senado e a Câmara se manifestaram no sentido de que o afastamento cabe a cada uma das Casas e é isso que está também no Artigo 53 da Constituição. Há um problema de interpretação que será resolvido”, disse após participar de um seminário promovido pelo Instituto de Direito Público.

O resultado do julgamento, marcado para esta quarta-feira (11), poderá ter repercussão no caso do senador Aécio Neves (PSDB-MG), que foi afastado do seu mandato após decisão da Primeira Turma do STF. Os ministros também determinaram que o senador deve permanecer recolhido em casa pela noite.

A decisão da Primeira Turma ocorreu no âmbito do inquérito em que Aécio foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por ter recebido R$ 2 milhões em propina do empresário Joesley Batista, do grupo J&F, em troca de sua atuação política. O senador tucano nega as acusações, afirmando que a quantia se tratava de um empréstimo pessoal, numa operação legal.

Hoje, Gilmar Mendes voltou a criticar a forma como as decisões vem sendo tomadas no STF. “O que nós devemos evitar são decisões panfletárias, populistas, que não encontram respaldo no texto constitucional. Esse é o grande risco para o sistema, porque a cada momento nós vamos produzindo uma decisão o que provoca dúvidas sobre a capacidade do tribunal de aplicar bem a Constituição”, criticou.

Na última semana, o Senado chegou a convocar sessão para analisar e reverter a decisão sobre o mandato de Aécio Neves. No entanto, os parlamentares decidiram aguardar um posicionamento do STF após a votação desta quarta-feira. Por 50 votos a 21, os senadores decidiram retomar o debate sobre o tema somente no dia 17 de outubro.

Fonte: Gilmar Mendes: julgamento resolverá problema de interpretação da Constituição | Agência Brasil – Últimas notícias do Brasil e do mundo

><> Gilmar Mendes diz hoje: “O que nós devemos evitar são decisões panfletárias, populistas, que não encontram respaldo no texto constitucional”,  mas ele não sabia nada disso quando impediu a posse de Lula como Ministro da Casa Civil do governo Dilma.

Decisões panfletárias, populistas, sem respaldo no texto constitucional é isso que GM vem fazendo ao longo do tempo, mas agora outros ministros estão seguindo o mesmo caminho, com prejuízo aos seus amigos, principalmente Aécio Neves, essa chamada pública aos demais ministros.

Ninguém é capaz de arriscar o que será decidido, mesmo porque o no STF perdeu o restinho de moral que tinha depois de sacramentar o golpe de 2016.

Share Button

Estarrecedor: Braço da Lava Jato em Santa Catarina impediu o reitor receber apoio espiritual por quatro vezes

Padres denunciam: PF impediu reitor de receber ajuda religiosa

#EXCLUSIVO |Ao celebrar missa em homenagem ao reitor Luiz Carlos Cancellier neste domingo (8/10), pela manhã, no Templo Ecumênico da UFSC, o padre William Barbosa Vianna fez uma denúncia espantosa: ele e o Frei Frigo Luiz, da Paróquia da Trindade, foram impedidos ao menos quatro vezes pela Polícia Federal de oferecer apoio ao reitor, embora esse direito seja garantido pela Constituição. Cancellier foi preso, algemado nu, submetido a exame interno vexatório e encarcerado sem processo judicial. Segundo o padre, a primeira recusa ocorreu quando a Pastoral Carcerária tentou visitá-lo no dia da prisão, em 14 de setembro. A segunda, quando a prisão de Cancellier foi relaxada, mas a juíza o manteve exilado da universidade e em reclusão domiciliar noturna. Sabendo de seu abalo emocional, os padres novamente tentaram socorrê-lo, mas não obtiveram permissão para visitá-lo, mesmo tendo essa prerrogativa.por lei.Assessor da Pastoral Universitária da UFSC, Vianna alertou: “É preciso lembrar que o direito à assistência religiosa é garantido pelo artigo V da Constituição”. Até então, sabia-se apenas que Cancellier foi privado do apoio de amigos, principalmente de pessoas de sua convivência na gestão da universidade. Durante la missa, Vianna eu o artigo V da Constituição, inciso VII: “É assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva”.William Vianna, que além de padre é professor e chefe do Departamento de Ciências da Informação da UFSC, disse com clara consternação que há muitos anos a Pastoral Carcerária vem avisando sobre os abusos nas revistas vexatórias a mães, filhas e familiares em geral dos presos. Também fez alusão às chacinas ocorridas neste ano nos presídios. Jornalistas Livres

Publicado por Jornalistas Livres em Segunda, 9 de outubro de 2017

#EXCLUSIVO | PADRE DENUNCIA: “FOMOS IMPEDIDOS DE PRESTAR APOIO ESPIRITUAL AO REITOR”

Por Raquel Wandelli, dos Jornalistas Livres | Assista em vídeo a denúncia do padre da Pastoral Carcerária, William Barbosa Vianna, na missa em homenagem ao reitor da UFSC, que foi levado ao suicídio por um linchamento moral pela PF.

Ao celebrar missa em homenagem ao reitor Luiz Carlos Cancellier neste domingo (8/10), pela manhã, no Templo Ecumênico da UFSC, o padre William Barbosa Vianna fez uma denúncia espantosa: ele e o Frei Frigo Luiz, da Paróquia da Trindade, foram impedidos ao menos quatro vezes pela Polícia Federal de oferecer apoio ao reitor, embora esse direito seja garantido pela Constituição. Cancellier foi preso, algemado nu, submetido a exame interno vexatório e encarcerado sem processo judicial.

Segundo o padre, a primeira recusa ocorreu quando a Pastoral Carcerária tentou visitá-lo no dia da prisão, em 14 de setembro. A segunda, quando a prisão de Cancellier foi relaxada, mas a juíza o manteve exilado da universidade e em reclusão domiciliar noturna. Sabendo de seu abalo emocional, os padres novamente tentaram socorrê-lo, mas não obtiveram permissão para visitá-lo, mesmo tendo essa prerrogativa.por lei.

Assessor da Pastoral Universitária da UFSC, Vianna alertou: “É preciso lembrar que o direito à assistência religiosa é garantido pelo artigo V da Constituição”. Até então, sabia-se apenas que Cancellier foi privado do apoio de amigos, principalmente de pessoas de sua convivência na gestão da universidade. Durante la missa, Vianna eu o artigo V da Constituição, inciso VII: “É assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva”.

William Vianna, que além de padre é professor e chefe do Departamento de Ciências da Informação da UFSC, disse com clara consternação que há muitos anos a Pastoral Carcerária vem avisando sobre os abusos nas revistas vexatórias a mães, filhas e familiares em geral dos presos. Também fez alusão às chacinas ocorridas neste ano nos presídios.

 

Share Button

IBGE diz que 5 mil empresas fecharam as portas de 2014 para 2015 e a vida de mais de 40 milhões de brasileiros foram afetadas

Por Ana Cristina Campos | O total de empresas no país caiu 0,1% de 2014 para 2015 com 5 mil empreendimentos a menos, segundo dados da pesquisa Demografia das Empresas, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada nesta quarta-feira, 4. Em 2015, foram contabilizadas 4,552 milhões de empresas ativas no Brasil.

Nessas empresas, trabalhavam 40,2 milhões de pessoas, sendo 33,6 milhões (83,6%) como assalariadas e 6,6 milhões (16,4%) na condição de sócio ou proprietário. Em comparação a 2014, houve queda de 4,5% no pessoal ocupado assalariado, o que equivale a 1,6 milhão de postos a menos. Esta foi a primeira queda no pessoal assalariado desde o início da série, em 2008, segundo o IBGE.

Os salários e outras remunerações pagos pelas empresas totalizaram R$ 982,4 bilhões em 2015, com um salário médio mensal de R$ 2.168,91, o equivalente a 2,8 salários mínimos.

Do total de empresas ativas em 2015, 15,6% (708,6 mil) correspondiam a empresas que entraram no mercado. Por outro lado, saíram do mercado 713,6 mil empresas, o que representa 15,7% do total de empresas no país em 2015. Segundo o IBGE, a taxa de sobrevivência foi a maior da série e registrou valor de 84,4%, representando 3,8 milhões de empresas que continuaram ativas de 2014 para 2015.

As atividades econômicas que mais se destacaram nas entradas de empresas no mercado em 2015 foram comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas com 276,1 mil empreendimentos (39%).

Em 2015, 37,8% das empresas criadas em 2010 ainda estavam ativas no mercado. Nesse período, as atividades que apresentaram as mais altas taxas de sobrevivência foram saúde humana e serviços sociais (54,8%) e atividades imobiliárias (50,8%). A pesquisa indica que a taxa de sobrevivência do comércio está entre as mais baixas no período (36,1%).

Fonte: Brasil fecha 5 mil empresas de 2014 para 2015 | Agência Brasil – Últimas notícias do Brasil e do mundo

Share Button

Vamos ficar na torcida para que esta PEC que veda coligações e cria cláusula de desempenho seja pra valer e o STF não derrube novamente

Por Paulo Victor Chagas | O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira, 3, em dois turnos, a proposta de emenda à Constituição (PEC) que acaba com a coligação de partidos para eleições proporcionais e estabelece a cláusula de desempenho, que gradativamente impede a propaganda de rádio e TV e o repasse de dinheiro do fundo partidário a partidos pequenos.

Aprovada na semana passada pela Câmara, a emenda constitucional será promulgada pelo Congresso Nacional nos próximos dias para que possa valer nas eleições de 2018. No caso das coligações partidárias, a proibição valerá a partir de 2020.

Com aprovação unânime, as discussões entre os senadores foram rápidas, já que o projeto é originário do próprio Senado. Na Câmara, após várias semanas de debates, os deputados aprovaram a PEC 282/2016 (convertida no Senado em PEC 33/2017) mas, como a proposta foi alterada, precisou ser votada novamente no Senado. Até o momento, esta é a única proposição sobre a reforma política que valerá para o próximo pleito.

Desempenho – A emenda cria uma cláusula de desempenho para que os partidos só tenham acesso aos recursos do Fundo Partidário e ao tempo de propaganda gratuita no rádio e na televisão se atingirem um patamar mínimo de candidatos eleitos em todo o país.

A partir de 2030, somente os partidos que obtiverem no mínimo 3% dos votos válidos, distribuídos em pelo menos um terço dos estados, terão direito aos recursos do Fundo Partidário. Para ter acesso ao benefício, os partidos também deverão ter elegido pelo menos 15 deputados distribuídos em pelo menos um terço dos estados.

O mesmo critério será adotado para definir o acesso dos partidos à propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão. A mudança, no entanto, será gradual, começando pelo piso de 1,5% dos votos válidos e nove deputados federais eleitos nas eleições de 2018; chegando a 2% e 11 deputados eleitos, em 2022; a 2,5% e 13 eleitos em 2026, até alcançar o índice permanente de 3% e 15 eleitos em 2030.

Dois turnos – No primeiro turno, a PEC foi aprovada por 62 votos favoráveis e nenhum contrário. Com a quebra de interstício, que previa um intervalo mínimo de sessões para que a proposição fosse analisada novamente, os senadores confirmaram por 58 votos a 0 a aprovação da matéria.

“Nós, hoje, acabamos com essa coisa esdrúxula chamada coligações partidárias proporcionais. Também criamos a cláusula de desempenho, que vai moralizar a vida pública brasileira, diminuindo essa quantidade enorme de partidos”, disse o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Segundo ele, a nova emenda será promulgada até a próxima quinta-feira (5).

Fonte: Senado aprova PEC que veda coligações e cria cláusula de desempenho | Agência Brasil – Últimas notícias do Brasil e do mundo

><>Lembrando a cláusula de desempenho não é inédita. Ela já tinha sido aprovada e em dezembro de 2006, o STF, em decisão unânime, considerou inconstitucional a cláusula de barreiras que havia sido aprovada pelo Congresso Nacional.

Quanto ao fim das coligações era mais que necessária, até mesmo com o implantação da cláusula de desempenho a coligação perde o sentido.

Share Button

Não convidem para a mesma mesa Marco Aurélio e Gilmar Mendes, agora é definitivo

Se duelasse com Gilmar, Marco Aurélio diz que escolheria ‘uma arma de fogo’

247 | Em entrevista à Rádio Guaíba, de Porto Alegre, nesta quarta-feira 6, Marco Aurélio disse haver uma ‘inimizade capital’ entre ele e Gilmar. “Em relação a mim ele passou de todos os limites inimagináveis. Caso estivéssemos no século XVIII, o embate acabaria em duelo e eu escolheria uma arma de fogo, não uma arma branca”, disparou.

O ministro não comentou a declaração de Gilmar classificando o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de “delinquente” por conta da revisão do processo de delação premiada de executivos da JBS. “Não me pronuncio, não sou censor do ministro Gilmar Mendes”, disse.

Marco Aurélio traçou um paralelo entre o caso envolvendo a mala de R$ 500 mil do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) com os R$ 51 milhões achados no apartamento do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB). “É uma malinha de mão, sem dúvida. É algo inimaginável.”

Fonte: Se duelasse com Gilmar, Marco Aurélio diz que escolheria ‘uma arma de fogo’

Share Button

Entre aspas: Tá mais que explicado porque o bilionário, mega produtor e ministro do governo golpista, Blairo Maggi defende com unhas e dentes mishell temer

O novo banqueiro

Investigado por lavagem de dinheiro e corrupção, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, ganhou do governo Temer autorização para operar um banco comercial

Ministro da Agricultura, Blairo Maggi, no lançamento do Plano Safra

Ministro Blairo Maggi Foto: Beto Barata/Presidência da República

Por José Casado | Ministro da Agricultura, Blairo Maggi acaba de ingressar no restrito clube dos donos de casas bancárias. Ele ganhou do governo Michel Temer autorização para operar um banco comercial em Cuiabá, sede das empresas agrícolas, de navegação e de energia que renderam à sua família um patrimônio de R$ 14 bilhões, equivalente a 25% do Produto Interno Bruto de Mato Grosso.

Natural para um bilionário. Exceto pelo fato de que o novo banqueiro está sendo investigado por lavagem de dinheiro e corrupção em negócios públicos, usando bancos privados como Daycoval, BicBanco, BMG e Rural (em liquidação).

Na quinta-feira 10 de agosto, o Banco Central permitiu-lhe a abertura do Banco Amaggi S.A. Isso aconteceu 72 horas depois de Maggi ter se mobilizado no Supremo Tribunal Federal por informações sobre inquéritos nos quais é personagem. Tropeçou no segredo de justiça, só levantado na última terça-feira, 22.

Ele é retratado nos autos como líder de um “ecossistema delitivo” no Mato Grosso durante década e meia. Foram pagos quase R$ 1 bilhão em subornos no Executivo, Legislativo e no Tribunal de Contas durante seu governo (2003 a 2010), de Silval Barbosa (2010 a 2014) e de Pedro Taques (desde 2015).

Documentos, gravações e 150 confissões mostram um histórico de corrupção em contratos de obras — muitas inacabadas; no socorro a vítimas de enchentes; na saúde e até na distribuição de óculos a pobres. A propina fluía em dinheiro vivo; créditos falsificados; incentivos; promissórias, e até em barras de ouro.

Pagava-se pela “governabilidade, alimentando o ‘sistema’ montado na gestão Blairo e herdado dele, com seu conhecimento e atuação ativa” — contou Silval Barbosa, ex-governador.

Maggi ganhou um mandato de senador, do qual se licenciou para ser ministro. Integra o partido Progressista, antigo PP, recordista em investigados por corrupção (32) na Lava-Jato. Um deles, o senador piauiense Ciro Nogueira, leva o nome do ministro-banqueiro no bolso como moeda para a disputa presidencial de 2018.

Maggi, 61 anos, é um empresário que aprendeu a vestir o figurino do político sem culpa.

Em 2004 governava Mato Grosso quando ocorreu desmatamento recorde da Floresta Amazônica. “Um aumento de 40% no desmatamento não significa nada” — disse ao jornal “The New York Times”, acrescentando: “Não sinto a menor culpa sobre o que fazemos aqui.” Acabou premiado com a Motosserra de Ouro, do Greenpeace.

Sábado passado, em Esteio (RS), o ex-governador explicou como via a corrupção em Mato Grosso: “Quando me elegi, algumas lideranças da Assembleia me procuraram. O governo anterior fazia repasses para que pudessem ter uma complementação de salário ou coisa parecida (…) Disse a eles que colocassem tudo que tinham necessidade dentro do seu orçamento, que o governo passaria para o orçamento do Legislativo, que eles que administram: ‘Façam como querem, do jeito que querem, e da maneira que podem fazer.’”

Simples assim, como o sorriso quase ingênuo do ministro, banqueiro noviço, olhos apertados no rosto arredondado, papada distendida sobre o colarinho azul imaculado.

Fonte: O novo banqueiro

Responda a nossa enquete:

 

Share Button

Seminário no Museu do Amanhã discute os caminhos da inovação no Brasil

Evento reunirá inventores brasileiros em cartaz em exposição temporária na próxima quarta-feira (16)

Da Assessoria | O Museu do Amanhã, em parceria com a Finep, realiza na próxima quarta-feira (16/8), às 9h30, o Seminário Inovanças – A inovação feita no Brasil, um desdobramento da Exposição Inovanças – Criações à Brasileira, inaugurada em abril, e que já recebeu mais de 120 mil visitantes. A necessidade de errar, de valorizar a tecnologia social e de saber como os brasileiros têm inovado no país serão os temas que nortearão a discussão. O evento, gratuito, será realizado no Auditório do Museu do Amanhã. As inscrições podem ser feitas no site.

Para falar sobre novas maneiras de criar e de reinventar, o seminário reunirá alguns dos brasileiros inventores apresentados na Exposição Inovanças, como Joana D’arc Félix, PhD em Harvard que superou a fome e o preconceito e, atualmente, soma 56 prêmios em sua carreira. Joana desenvolveu uma pele artificial a partir da epiderme de porco que pode ajudar na recuperação de queimaduras em humanos. Além dela, o jovem Ronaldo Tenório criou o aplicativo Hand Talk, software apoiado pela Finep que traduz o português oral e escrito para LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) de modo on-line – vencedor do prêmio da ONU como o melhor aplicativo social do mundo.

Marcos Cintra, presidente da Finep; Roberto Lerusalimschy, desenvolvedor da Linguagem de Programação Lua; Dávila Souza Corrêa, representante do Instituto Mamirauá; Regina Tchelly, criadora do projeto Favela Orgânica; Wang Shu Chen, diretora da empresa Adespec e criadora da supercola sem solventes, também compõem o grupo de palestrantes de Inovanças – A inovação feita no Brasil.

Todos esses personagens centrarão forças para ajudar o público a conhecer o atual status da inovação do Brasil e a debater sobre como a sociedade não tolera o erro, visto como sinônimo de fracasso – mas necessário como tentativa rumo ao acerto. Além disso, os participantes terão a oportunidade de entender as tecnologias sociais que são vetores para o desenvolvimento do país – tradução da habilidade humana de moldar a realidade ao redor – e poderão ouvir de inventores brasileiros quem inventa os benefícios e dificuldades de se criar algo por aqui.

“Há um consenso sobre o papel da inovação para o desenvolvimento econômico ao redor do mundo: trata-se do elemento-chave para o crescimento econômico sustentado e o bem-estar social. A inovação deve ser tratada como um bem público”, destaca Marcos Cintra, presidente da Finep.

“O evento será uma oportunidade de debater o atual status da inovação no Brasil, discutindo o ponto em que estamos, para onde vamos e como queremos ir”, finaliza Leonardo Menezes, gerente de Conteúdo e do Observatório do Museu do Amanhã.

Serviço:

Seminário Inovanças – A inovação feita no Brasil
Data: 16 de agosto (quarta-feira)
Horário: das 9h30 às 14h30
Local: Auditório do Museu do Amanhã (Praça Mauá, nº 1, Centro – Rio de Janeiro)

 

Share Button

Agora estamos sem Luiz Melodia, autor de ‘Pérola Negra’

247 – O cantor, compositor e músico Luiz Melodia, 66, morreu na madrugada de hoje (4), em sua cidade natal, o Rio de Janeiro (RJ), em decorrência de complicações de um câncer que atacou a medula óssea.

Melodia faleceu por volta das cinco horas da manhã.

O artista chegou a fazer um transplante de medula óssea e resistiu ao procedimento, mas não vinha respondendo bem à quimioterapia.

O câncer voltou e o estado de saúde de Melodia se agravou bastante ontem. O artista estava internado no hospital Quinta D’Or, na zona Norte do Rio.

Fonte: Luiz Melodia morre aos 66 anos no Rio

Share Button

Entre Aspas – Tudo que Blairo Maggi não queria: Voltar à mídia como patrocinador de mensalinho da Assembléia Legislativa-MT

Blairo usou precatórios para comprar apoio no MT, diz delator

Ex-governador Blairo Maggi nas manchetes da midiazona

Ex-deputado afirma que ministro da Agricultura fraudou pagamentos e criou ‘mensalinho’ quando era governador

Os pagamentos de precatórios foram realizados entre março de 2009 e dezembro de 2012. Blairo foi governador de Mato Grosso por dois mandatos consecutivos, entre 2003 e 2010. O dinheiro, segundo o ex-parlamentar, abasteceu uma conta-corrente usada para pagar deputados estaduais e integrantes da base em troca de apoio ao governo. O Estado apurou que a negociação do acordo de colaboração de Riva com a PGR foi finalizado na sexta-feira passada. O ministro negou as acusações e afirmou que os pagamentos de precatórios seguiram o “rito legal”.

Leia mais: Blairo usou precatórios para comprar apoio no MT, diz delator

><>Nós, Meu Peixe e eu, estamos admirados com obstinação da PGR em pegar o senador licenciado, ex-governado e ministro da Agricultura do governo golpista de mishell temer, Blairo Maggi.

Segundo fontes, o senador-ministro também aparece com destaque na delação premiada de Pedro Nadaf.

Share Button

Agora estamos sem Paulo Nogueira e o jornalismo brasileiro fica mais pobre

Paulo Nogueira (1956 – 2017)

Por Kiko Nogueira, 30 de junho de 2017

Paulo Nogueira morreu na noite de 29 de junho. Tinha 61 anos.

Estava com câncer. Depois de uma batalha de dez meses, finalmente descansou.

Paulo está vivo.

Paulo está em seus filhos: meus sobrinhos Emir, Pedro, Camila e Fernando. Paulo está em minhas cunhadas Erika e Luísa.

Está nos seus irmãos Mari, Zé, Kika. Nos seus sobrinhos e sobrinhas. Na minha tia Maria Ely. Nos amigos, como Sergio Berezovsky, Caco de Paula, Bia Parreiras e aqueles que peço desculpas por não citar nesse momento.

Está em mim e em você.

Está em seu legado vasto e generoso, digno do nosso pai, o jornalista Emir Nogueira, a quem Paulo dedicou linhas e linhas de beleza e gratidão.

Ele fez de tudo no jornalismo. Foi repórter, editor, diretor de redação, superintendente. A maior parte da carreira na Editora Abril, outra parte na Editora Globo, os anos mais recentes neste Diário do Centro do Mundo.

Um dos maiores jornalistas do país, passou pela Veja, foi editor da Veja São Paulo, reinventou a Exame, lançou diversas outras publicações.

Deixou sua marca em cada uma delas. A vibração, a provocação, o apuro, a busca da excelência. Antecipou tendências, fez acontecer.

Nunca foi santo. Era duro. Era também de uma paciência infinita. Fez companheiros para a vida toda nas redações e revelou vários talentos. Fez inimigos, também, como todo grande homem.

“Sempre que você se desentender com alguém, lembre que em pouco tempo você e o outro estarão desaparecidos”, dizia, repetindo Marco Aurélio, o imperador romano, seu filósofo de cabeceira.

O DCM era seu projeto preferido. Ele falava do privilégio de poder exercer o ofício depois dos 50. Poderia ter tido uma aposentadoria tranquila, jogando tênis e pôquer às margens do Tâmisa.

Preferiu combater o bom combate, com a mesma paixão de sempre. Em 2012, quando começamos, comemorávamos quando conseguíamos alcançar 20 mil visualizações num dia. Ele de Londres, eu de São Paulo. Hoje são 500 mil.

O Paulo tinha uma visão e a perseguia com a mesma obstinação que tinha jogando futebol (um dia eu conto do gol mais bonito que ele fez. Um dia eu faço isso, quando não me doer desse jeito).

A utopia do Brasil escandinavo, um Brasil mais justo, foi a nossa bússola no DCM. Continuará sendo.

Uma vida intensa, um homem que fez tudo à sua maneira. Nasceu e morreu no mesmo quarto na casa dos nossos pais, no Jardim Previdência.

Como ele queria.

O Paulo vive. Obrigado, Fratello.

Fonte:  DCM

 

Share Button

Entre aspas: A Globo, as organizações Globo, está no radar do FBI, segundo matéria assinada por Luis Nassif

><>Eis um pequeno trecho, a Peça 3, da matéria que revela a enorme omissão do Ministério Público Federal, hoje um braço político da anarquia institucional que transformou o Brasil numa república de bananas.

Peça 3 – o know how brasileiro e a Globo

A FIFA é um escândalo eminentemente brasileiro, know how tupiniquim, desenvolvido pela Rede Globo, em parceria com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e levado por João Havelange para a FIFA.

Cria-se uma empresa laranja, que adquire os direitos de transmissão por um preço mínimo. Depois, a laranja vende para as emissoras de TV, que faturam várias vezes mais com a venda do patrocínio. Parte da diferença fica com os laranjas, que repassarão para os dirigentes esportivos.

Confira na tabela um exemplo hipotético de como funciona o esquema. Usei percentuais aleatórios, pelo fato das investigações ainda não terem consolidado os números reais.

Nos campeonatos brasileiros, o laranja era a empresa Traffic Group, do ex-jornalista J. Hawilla. Na Argentina, o Torneios y Competencia. Na FIFA, a ISL, que quebrou em 2001. Nos negócios de Rosell, a Alianto.

Os grupos de midia acertavam os acordos com os dirigentes de federações, mas o contrato era fechado com os laranjas. Era da parte dos laranjas que saiam as propinas para os dirigentes. E se fosse muito grande a diferença entre o valor recebido pelas emissoras na venda de patrocínios, e aqueles pagos aos laranjas, tratava-se de negócio entre privados. Crime perfeito!

Fonte: Xadrez de como a Globo caiu nas mãos do FBI | GGN

Share Button

Anunciados os vencedores de 2017 do Prêmio Sesc de Literatura

Autores do Distrito Federal e do Pará foram os ganhadores da 14ª edição do concurso que este ano teve 1.793 livros inscritos, sendo 980 romances e 813 contos

João Meirelles Filho / Divulgação

Da Assessoria | José Almeida Junior e João Meirelles Filho são os vencedores do Prêmio Sesc de Literatura 2017, nas categorias Romance e Conto, com os livros “Última Hora” e “Poraquê e Outros Contos”, respectivamente. Os trabalhos foram selecionados entre 1.793 livros inscritos, sendo 980 romances e 813 contos. A avaliação ficou por conta de uma comissão especializada formada pelos escritores e críticos literários Andrea del Fuego, Luis Rufatto, Sidney Rocha e Ronaldo Correa de Brito.
Criado em 2003, o Prêmio Sesc de Literatura tem o objetivo de identificar novos escritores, cujas obras possuam qualidade literária para edição e circulação em todo o país. Além do reconhecimento nacional, os vencedores terão suas obras publicadas pela editora Record, com tiragem inicial de 2 mil exemplares.

José Almeida Júnior / Divulgação

Vencedor da categoria Romance com “Última Hora”, o potiguar José Almeida Júnior, de 34 anos, é natural de Mossoró (RN) e reside em Brasília há 10 anos, onde exerce o cargo de Defensor Público do Distrito Federal. Para ele, a premiação minimiza uma das grandes angustias dos escritores estreantes, “que é manter os originais de um trabalho na gaveta por falta de uma editora para publicar”. “Desde quando comecei a escrever ficção, meu objetivo era participar do Prêmio Sesc. O concurso virou referência para o escritor ainda não publicado e ganha-lo é a consagração do que me propus quando resolvi me aventurar na literatura”, destaca.

O romance “Última Hora” trata de uma narrativa histórica passada no jornal fundado por Samuel Wainer, sob o ponto de vista de um personagem fictício chamado Marcos. Por ter sido vítima de tortura no Estado Novo, Marcos reluta em trabalhar para o periódico, mas acaba aceitando a oferta de Wainer por conta de problemas financeiros e vive o dilema de escrever para um jornal que apoia o governo de Vargas.

Ativista ambiental e empreendedor social, João Meirelles Filho, 57 anos, é o ganhador da categoria Conto com “Poraquê e Outros Contos”. Nasceu em São Paulo e há 13 anos vive com a esposa em Belém do Pará. Sua obra, com oito contos, representa a primeira incursão no campo da ficção. Em comum, trata da relação do homem e o desconhecido na Amazônia – seja diante do impacto de mudanças climáticas, seja das encantarias. O autor se interessa pelos que vivem na fronteira, onde as questões estão por resolver e a natureza predomina. “É inexplicável a emoção de ganhar o Prêmio Sesc. Estou muito feliz. É como se fosse uma tempestade amazônica em minha vida! É um estímulo para seguir na ficção”, ressalta o autor.

Os ganhadores da 14ª edição do Prêmio Sesc de Literatura estão confirmados na programação do Centro Cultural Sesc Paraty, durante a Flip 2017, que acontece de 26 a 30 de julho, e também serão premiados em cerimônia, no segundo semestre, por ocasião do lançamento dos livros.

Sobre o Prêmio Sesc

Além de incluir os autores em programações literárias do Sesc, o Prêmio Sesc de Literatura abre uma porta do mercado editorial aos estreantes. Mais do que oferecer uma oportunidade a novos escritores, o concurso cumpre um importante papel na área cultural, proporcionando uma renovação no panorama literário brasileiro.

Desde a sua criação, já revelou 25 novos autores, entre eles, o pernambucano José Mario Rodrigues, vencedor na categoria Conto com “Receita para se fazer um monstro”, e o baiano Franklin Roosevelt, com o Romance “Céus e Terra”, ganhadores do ano passado. Escritores revelados em anos anteriores também já conquistaram importantes premiações literárias, como a paulista Sheyla Smanioto Macedo, vencedora da edição 2015 com o Romance “Desesterro”, que também conquistou o Prêmio Machado de Assis. Marcos Peres, com “O Evangelho Segundo Hitler”, vencedor do Prêmio SP de Literatura 2014 na categoria estreantes; Alexandre Rodrigues, com a obra “Parafilias”, finalista do Prêmio Jabuti 2015; e Debora Ferraz, autora do livro “Enquanto Deus não está olhando”, vencedora do Prêmio São Paulo de Literatura 2015.

Share Button

Luis Nassif, em detalhes, desmonta a farsa do e-mail registrado em cartório pelo escritório do irmão do Procurador da Lava jato

Xadrez da prostituição no Judiciário – Por Luis Nassif

Peça 3 – a mercearia e os advogados amigos

Com a quantidade de delações em curso, e com a possibilidade de terem co-autoria no roteiro, a Procuradoria Geral da República, a Lava Jato e o juiz Sérgio Moro montam uma verdadeira mercearia, com condimentos para qualquer receita de bolo. Tem especiarias da Índia, da China, do Japão, einsbein da Alemanha, hot dog dos EUA, o que o freguês precisar, a mercearia fornece.

O senhor deseja um processo que mostre que a ex-presidente Dilma Rousseff sabia do caixa 2? Por enquanto, não temos, porque nenhum executivo da Odebrecht se dispôs a bancar essa denúncia. Mas temos a dona Mônica Moura, que pode servir. Continue Reading

Share Button