Entre aspas: Blairo Maggi desembolsa R$ 2,2 bilhões e arremata Fazenda Itamarati, um dos símbolos do poder secular do rei da soja Olacyr de Moraes

><> A informação que o Grupo Amaggi, da família Maggi, comprou a fazenda Itamarati já repercute em nível nacional. A reportagem é assinada pela jornalista Gabriele Schimanoski, define R$ 2,2 bilhões como ‘bagatela’, como sinal que o ministro do governo ilegítimo  Michel Temer tem muita bala na agulha.

Noutra informação, no mesmo O Livre, diz que Maggi convidou o ex-prefeito Mauro Mendes para se filiar ao PP e ser o candidato ao governo do Estado e enfrentar o governador Pedro Taques, o que de certa maneira demonstra a preocupação dele com a sua reeleição ao querer fazer dobradinha com um candidato ao governo competitivo.

Abre aspas: 

Ministro Blairo Maggi arremata Fazenda Itamarati, de Olacyr de Moraes, por R$ 2,2 bilhões

Com 105 mil hectares, a propriedade se tornou um símbolo do desenvolvimento de Mato Grosso

Blairo Maggi plantio querência

Blairo Maggi plantio querência

Gabriele Schimanoski, Da Redação 

O ano de 2018 mal começou e o ministro da Agricultura Blairo Maggi já fez o seu primeiro negócio. A Amaggi, empresa da família do ministro, arrematou a fazenda Itamarati Norte pela bagatela de R$ 2,2 bilhões dos herdeiros de Olacyr de Moraes.

Com 105 mil hectares, a propriedade se tornou um símbolo do desenvolvimento de Mato Grosso e do potencial agrícola do Centro-Oeste brasileiro. Do total, 55 mil hectares são destinados à agricultura, enquanto o restante é dividido entre pecuária e reserva ambiental.

A fazenda fica no município de Campo Novo do Parecis e pertencia ao antigo “Rei da Soja”, mas estava arrendada há alguns anos pela multinacional.

Dentro da propriedade, além de onze pistas para pousos e decolagens, hangar e dezenas de silos, há uma vila que abriga centenas de funcionários da unidade.

Conforme o ministro, a intenção é emancipar o local e transformá-lo em mais um município. Em 2017, a Fundação André e Lúcia Maggi (FALM) – que cuida do capital social da empresa -entregou ao Governo do Estado a Escola Estadual Argeu Augusto de Moraes, com mais de 1.400 m² e dez salas de aula.

Ao que tudo indica, a previsão de que Maggi teria dificuldade nos negócios está longe de ser concretizada.

Outro lado
Procurada pela reportagem do LIVRE, a assessoria da Amaggi confirmou que a transação está em andamento. No entanto, não confirma o valor da negociação.

Source: Ministro Blairo Maggi arremata Fazenda Itamarati, de Olacyr de Moraes, por R$ 2,2 bilhões | O Livre

Share Button

Turismo mato-grossense é divulgado em feira realizada em Londres

Por Renata Menezes | Para representar o Governo do Estado, uma equipe da adjunta de Turismo da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (Sedec) participa do evento a convite do Ministério do Turismo como coexpositor no estande do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur). O objetivo é promover os seus principais polos turísticos, roteiros, passeios e outras informações com folhetos, mapas e materiais audiovisuais. Também integram a comitiva mato-grossense operadoras de turismo, empresários e agentes de viagem.

Com expectativa de público de mais de 50 mil pessoas, a organização da feira espera superar os números da edição do ano passado que contou com cerca de 9,9 mil compradores. Este ano, são cinco mil expositores de 182 países, com a participação de aproximadamente dez mil compradores do ‘WTM Buyers Club’, prevendo assim a geração de mais de US$ 3,8 bilhões em negócios.

Conforme o secretário adjunto de Turismo, Luis Carlos Nigro, iniciativas como esta são muito importantes para promover os atrativos da região de forma global, pois, um evento internacional congrega gente do mundo todo interessada em um mesmo objetivo. “Saber que o nosso Estado está presente em um evento tão gabaritado como a WTF, nos deixa ainda mais confiantes para seguir com o nosso trabalho de estruturar e desenvolver cada vez mais o turismo em Mato Grosso. No evento, temos a oportunidade de divulgar e, ao mesmo tempo, comercializar os pacotes de viagens ‘in loco’, para milhares de compradores ansiosos por novidades, lugares diferentes, e é isso que temos para oferecer”, defende Nigro.

Outros países também participam da WTF, como Peru, Caribe, Uruguai, Argentina, El Salvador e Costa Rica no espaço destinado para a América Latina. Segundo a diretora da WTM Latin America, Luciane Leite, a WTF é uma oportunidade única para que os empresários do Turismo possam conhecer o que está sendo feito por diferentes players do segmento e antecipar tendências. “Todos os produtos do portfólio WTM têm o objetivo de gerar muito mais do que networking. Queremos multiplicar os negócios, criando parcerias comerciais sólidas”, conta Luciane.

A WTF – O WTM Inspire Theatre – um anfiteatro de 300 lugares – volta ao pavilhão do evento, após seu lançamento no ano passado. Cerca de 80 seminários serão realizados ao longo dos três dias, abordando todos os principais segmentos, como aviação, hotéis, turismo esportivo, turismo responsável, blogs, redes sociais e tecnologia de viagem. Entre os palestrantes já confirmados estão Carolyn McCall, CEO da EasyJet, e Terry Jones, fundador da Travelocity.

Para aumentar o montante de negócios gerados pelo evento, uma das estratégias pensadas para esta edição foi acrescentar mais um dia de rodada de negócios ‘Speed Networking’. No último dia do evento acontecerá ainda uma sessão especial dos ‘Influenciadores Digitais’.

Fonte: Turismo mato-grossense é promovido em feira realizada em Londres – Notícias – SEDEC

Share Button

Entre aspas: Agência russa anuncia que Pequim criou um sistema de pagamento em rublo e yuan deixando dólar de fora

A notícia do site Sputnik – uma espécie de órgão extraoficial do governo russo – postou nesta sexta-feira, 13, que o “Sistema de Comércio Cambial da China (CFETS, na sigla em inglês), gerenciado pelo Banco Popular da China, anunciou ter criado um sistema de pagamento que permite realizar transações tanto em yuan como em rublo”.

“Trata-se do sistema “payment versus payment” ou PVP (Pagamento versus pagamento), lançado em 9 de outubro depois da autorização do Banco Popular da China. Com o sistema é possível realizar transações em moedas nacionais da Rússia e da China”.

“Esta plataforma permitirá aos dois países evitar pagamentos recíprocos em dólar. Segundo o comunicado do CFETS, o novo sistema reduzirá os riscou relacionados ao câmbio de moeda e melhorará a eficiência do mercado de divisas”.

><>Consequências desse comunicado. A primeira é que marca o início do fim do dólar como moeda fiduciária, caráter assumido depois que o EUA, em 1971 praticamente decretou o fim do Tratado  de Bretton Woods, que convencionou após o fim da Segunda Grande Guerra que o dólar teria também conversibilidade em ouro, como a libra esterlina. Com essa medida do governo Nixon, os EUA desobrigou em controlar o seu deficit e passou a emitir dólares sem lastro já que é dono da impressora.

O Iraque de Saddam Hussein passou a vender seu petróleo cotado em euro, fato que expunha as fragilidades da economia americana e o resultado foi o que foi.

Agora a Venezuela sofre as mesmas ameaças. Em setembro último o governo Maduro encaminhou uma série de medidas econômicas ao parlamento entre as quais a da conversibilidade do bolívar ao rublo, yuan e a rúpia, moeda indiana, que também restringe o uso dólar no país.

Agora a China propõe a fazer o mesmo com os países europeus que vão integrar a nova Rota da Seda.

Share Button

Prefeitura inaugura Centro de Atendimento ao Turista em shopping de Cuiabá

Por Alessandra Barbosa | Pensar em Cuiabá dos 300 anos é planejar os mínimos detalhes. Neste sentido, a Prefeitura de Cuiabá instalou no Shopping Goibeiras um novo Centro de Atendimento ao Turista (CAT). São nestes centros comerciais que circulam muitos turistas ou pessoas que estão a negócio na cidade e desejam conhecer melhor a Capital mato-grossense.

A partir de agora, o turista ou mesmo as pessoas que moram em Cuiabá poderão contar com um espaço voltado ao turismo do Vale do Rio Cuiabá. O CAT conta com uma estrutura para fornecer informações aos visitantes da cidade sobre pontos turísticos, eventos, hotéis, além de esclarecer alguns itens que podem auxiliar o turista no melhor aproveitamento durante a sua estadia em Cuiabá.

De acordo com o secretário de Cultura, Esporte e Turismo, Francisco Vuolo, não há como pensar em turismo sem buscar parceiros na iniciativa privada. “É preciso buscar os instrumentos para aproximar o poder público das ações da iniciativa privada. Entre os locais que se entende como potenciais de movimentação econômica e atividades turísticas está o shopping”, explicou o gestor.

“Ter um centro de atendimento dentro do shopping faz a aproximação do grande público que vem de fora e circula nele. Muitas vezes estas pessoas não têm a orientação necessária e nem alternativas de restaurantes, locais para fazer visitações e atrativos culturais. Pensando neste viés, o CAT no shopping vem a somar conosco. Aqui, teremos mais um mecanismo de atuação”, explicou o secretário.

O termo de cessão entre a Prefeitura e Shopping prevê o uso do espaço por um prazo quatro meses para divulgar a cidade. Nete período, será colocado um questionário à disposição do público visitante. Com o resultado desta consulta, a Secretaria pretende incrementar, corrigir e dispor de números para contribuir com políticas públicas para o setor turístico.

Segundo o secretario-adjunto de Tursimo, Marcus Fabricio, a parceria com o shopping é importante para o turismo local, tendo em vista que este tipo de espaço comercial recebe um grande fluxo de pessoas diariamente e reforça ainda mais a preocupação da gestão em todos os aspectos da cidade. “É um grande avanço para o município poder disponibilizar este serviço. Sempre teremos um ou mais turismólogos preparados para passar todas as informações”, disse.

Conforme a gerente de marketing, Tassia Carvalho, a ideia de trazer a prefeitura para dentro do shopping era um desejo antigo. “O prefeito Emanuel Pinheiro recebeu a instituição para apresentar o projeto ‘Viva Cuiabá, Viva’, que consiste na valorização do turismo e a cultura da capital. Desde que estivemos em reunião com o prefeito, vimos a oportunidade de estreitar os laços entre o shopping e a prefeitura pelo turismo.

A cerimônia de inauguração atraiu algumas pessoas que circulavam no local, como o pastor Pedro Paulo de Barros acompanhado de sua família, que parou para conhecer o ambiente. “Estou admirado com a iniciativa do prefeito e espero que possa dar resultados para o desenvolvimento da cidade e que as pessoas venham desfrutar o que a nossa capital pode oferecer”, observou o religioso.

O evento contou também com a presença da diretora financeira da Associação Brasileira de Agentes de Viagens (ABAV), Esther Grecco. “Eu acho muito importante ter esse centro de atendimento aqui. O shopping é o primeiro lugar que a gente vai quando chega a uma cidade. É aqui que você começa a conhecer a cidade. Atualmente, a Secretaria de Turismo está fazendo um trabalho que até então não tínhamos visto, estão todos de parabéns” ressaltou a diretora.

Fonte: Secom-Cuiabá

Share Button

Cuiabá ganha Guia on-line de cultura, turismo e lazer: Guru da Cidade

Da Assessoria | Quem nunca passou horas na internet tentando descobrir o que está acontecendo na cidade ou mesmo buscando um bom lugar para comer ou passear com as crianças? Com a proposta de facilitar essa busca e reunir em um só lugar tudo o que Cuiabá tem de melhor para oferecer, em termos de cultura, gastronomia, turismo e serviços, foi criado o portal Guru da Cidade.

Mariana Vianna, jornalista / Divulgação

“Vamos produzir e organizar todo esse conteúdo que está espalhado na internet para que a população possa saber sobre os eventos, as novidades, os serviços e as notícias do universo do entretenimento, com poucos cliques, seja no computador ou no celular”, explica a jornalista e idealizadora do guia, Mariana Vianna.

O site está dividido em três partes: guia de entretenimento, notícias e agenda de eventos. “Sabe quando a gente quer comer algo e não sabe onde? Agora você vai poder buscar no Guru da Cidade, hambúrguer, por exemplo, e ver todas as opções de hamburgueria, com os comentários de quem já comeu no local, fotos, cardápios e muito mais. Cada estabelecimento terá uma página com todas as informações sobre o seu negócio. O guia também vai conter bares, hotéis, escolas, academias, pontos turísticos, lojas, serviços, dentre outras opções”, explica Mariana. Continue Reading

Share Button

Notícia recorrente: sonegação e inadimplência fiscal ou tributária, sem muita variação

‘Arrastão Fiscal’ combate inadimplência e sonegação tributária

Da Reportagem

A secretaria de Gestão Fazendária de Várzea Grande deu início nesta manhã (25) a mais uma etapa da operação ‘Arrastão Fiscal’ que estará até dezembro verificando in loco a situação tributária das empresas dos segmentos do comércio, indústria e prestação de serviços.

Vinte e dois inspetores fiscais agrupados em duplas começaram a checagem das empresas nas três principais avenidas da cidade, Couto Magalhães, Alzira Santana e Filinto Müller. São alvo devedores de tributos municipais de Alvará, IPTU, ISS e demais taxas.

Como explica o secretário municipal de Gestão Fazendária, João Benedito Gonçalves Neto, “Estamos indo atrás desses devedores. Fizemos durante todo o primeiro semestre fiscalizações e abordagens de caráter educativo e demos prazo para que os inadimplentes e até mesmo os sonegadores pudessem se organizar e regularizar a vida fiscal junto ao Município. Agora estamos retornando aos locais inicialmente visitados no primeiro semestre e vamos autuar. Esta etapa será realizada de forma mais ostensiva, podendo gerar interdições e a inclusão dos devedores nos órgãos de proteção ao crédito”.

Fonte: http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=496602

><> O Meu Peixe, como sempre palpiteiro, não deixa de se manifestar nessa questão tão ‘delicada’, que é a reforma tributária.

No Brasil todo mundo fala em reforma tributária, mas a reforma pra ele pagar menos impostos. Meu Peixe quer uma reforma em que todos, todo mundo, pague impostos.

Uma maneira simples e eficaz de acabar com a inadimplência e sonegação fiscal é cobrar os impostos no ato da compra. De um pacote de arroz aos automóveis e outros bens duráveis – aviões, barcos etc.

Qual a vantagem? Para o governo a garantia de arrecadação, com a certeza que os impostos iriam pra os cofres e não se perderia entre o comerciante e o fisco. Para o consumidor a redução do valor cobrado mesmo que as alíquotas permaneçam nos mesmos patamares.

Exemplo. Na compra de um carro no valor médio de R$ 80 mil, o consumidor está pagando em média 50% de impostos embutidos no carro. Ora, retirando todos os impostos, o preço do mesmo carro cai para R$ 40 mil. Imaginando que os impostos continuem os mesmos 50%, no ato da compra o consumidor vai pagar apenas R$ 20 mil, e não os R$ 40 mil de antes. Vantagem. Assim como também não pagaria juros sobre o valor dos impostos que estão embutidos no preço final do carro.

Como seria isso, uma operação que o governo e nem o consumidor perdem e ambos saem ganhando. As compras, depois de um determinado valor – R$ 20,00 (vinte reais) – obrigatoriamente seria com cartão de débito – coisa mais banal.

No ato de pagar, por exemplo, uma compra de R$ 50,00, o consumidor é informado do valor do imposto X%, e esses X%, são debitados à parte. Os 50 reais vão para o comerciante e os X% para o governo, sem passar pelo caixa do comerciante, e os governos municipais não precisariam mais fazer arrastão fiscal.

Share Button

Não tá fácil pra ninguém, agora com Temer muito menos: Inflação e desemprego fecham mais de 6 mil lojas comerciais no Rio de Janeiro

Por Alana Gandra / da Agência Brasil

No período de janeiro a julho deste ano, 2.376 estabelecimentos comerciais fecharam as portas na capital fluminense. Esse número se eleva para 6.080 no estado em razão do momento difícil da economia brasileira, informou neste domingo, 9, o presidente do Clube dos Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio), Aldo Gonçalves.

Segundo Gonçalves, em situações de crise o comércio “está na linha de frente. É o primeiro a sentir os efeitos da retração da economia, considerando, principalmente, a inflação alta que corrói o salário do trabalhador e, também, o desemprego. As pessoas sem trabalho não podem comprar, não podem consumir”.

Aldo Gonçalves informou que, apesar da crise, já se avista luz no fim do túnel. “Só que o túnel é muito comprido.” De acordo com o dirigente, as perspectivas de melhora só ocorrerão no próximo ano. “Temos expectativas de melhora, mas as medidas concretas ainda não apareceram”.

Alugueis – O presidente do CDL-Rio lembrou que o índice de desemprego é o primeiro a ser atingido em qualquer crise e o último a sair. “Até a retomada dos investimentos pelas empresas, o emprego é o último índice a se recuperar. E o emprego é fundamental para o comércio”, afirmou.

Para Aldo Gonçalves, também contribuiu para o fechamento dos estabelecimentos comerciais o elevado preço dos alugueis, principalmente no custo das renovações contratuais. O fechamento das 2.376 lojas varejistas nos sete primeiros meses deste ano mostra aumento de 15,7% em comparação ao mesmo período do ano passado. Em todo o estado do Rio de Janeiro, a extinção de 6.080 empresas superou em 18,8% o resultado registrado em igual período de 2015.Somente no mês de julho, 793 estabelecimentos comerciais encerraram atividades na cidade do Rio, com crescimento de 102% em relação ao mesmo mês de 2015. Dessas, a maior parte (278) ocorreu na zona norte, seguida de 224 na zona oeste, 150 na zona sul e 141 no centro.

><>Todos sabem da ojeriza de Meu Peixe em dar notícias ruins, mas esta, como presidente do CDL carioca diz que vê uma luz no fim do túnel, só que fez uma ressalva que o túnel é comprido, ele fez questão de publicar, pela questão do detalhe. “Deve ter o comprimento de dois anos, no mínimo, e a luz deve começar a ser vista, de fato, depois de 2018”, disse o inocente Meu Peixe.

Fonte: Inflação e desemprego fecham mais de 6 mil lojas comerciais no Rio de Janeiro | Agência Brasil

Share Button

Quando a vaquinha realiza seus sonhos

Em algum momento da vida você já deve ter ouvido falar da famosa vaquinha. Aquela ação que se faz com amigos e familiares para reunir dinheiro e adquirir um produto. A antiga vaquinha, ganhou uma nova roupagem e tem ajudado muita gente a realizar seus projetos, seja no setor cultural, seja no social. É o financiamento coletivo, tema da oficina que será ministrada por Luiza Campos, entre os dias 13 a 15 de outubro, no Palácio da Instrução em Cuiabá. Luiza é integrante da Benfeitoria, uma plataforma que conecta projetos interessantes a pessoas interessadas.

Além da Benfeitoria, existem outras plataformas virtuais que se dedicam a ajudar na arrecadação de recurso. Ao contrário da antiga vaquinha, tudo é realizado virtualmente e as condições de participação varia de site para site. Alguns, solicitam uma porcentagem do valor arrecadado. Outros, exercem políticas de repasse integral do que foi coletado ao proponente.

Com essas ferramentas e tecnologias disponíveis, as pessoas interessadas em realizar um projeto, pode apostar na sustentabilidade de seus trabalhos, sem depender dos financiamentos privados e de editais públicos. Na oficina Luiza Campos irá compartilhar estratégias de como criar uma campanha de financiamento coletivo e arrecadar recursos para o seu projeto e apresentar a Benfeitoria, que  é considerada um laboratório de inovação cultural e social que desenvolve conteúdos e ferramentas para mostrar que novos modelos de ação em sociedade são possíveis.

Luiza Campos é formada em administração pela ESPM Rio e mestre em Comunicação, cultura e tecnologia pela UERJ. Já atuou como produtora cultural em diversas áreas como teatro, musica, audiovisual, editorial e como produtora de conteúdo para web.

Continue Reading

Share Button

Saques da poupança superam R$ 50 bilhões em nove meses

Por Kelly Oliveira / Agência Brasil – Os saques na poupança superaram os depósitos pelo nono mês seguido. A retirada líquida (descontados depósitos) ficou em R$ 2,351 bilhões, em setembro, informou hoje (6) o Banco Central (BC).

Desde janeiro do ano passado, o único mês em que foi registrado resultado positivo (mais depósitos do que saques) foi em dezembro de 2015 (R$ 4,789 bilhões). Nos nove meses de 2016, a retirada chegou a R$ 50,539 bilhões, quase o mesmo valor registrado em todo o ano passado (R$ 53,567 bilhões).

Os saques da poupança chegaram a R$ 148,624 bilhões, em setembro, e a R$ 1,465 trilhão de janeiro a setembro deste ano, superando os depósitos, que ficaram em R$ 146,272 bilhões e R$ 1,415 trilhão, respectivamente.

Os rendimentos creditados nas cadernetas totalizaram R$ 4,215 bilhões no mês passado. O saldo total nas contas ficou em R$ 642,990 bilhões, em setembro.

Com os juros e a inflação em alta, outras aplicações têm se tornado mais atrativas. Além disso, a recessão econômica contribuiu para a fuga de recursos da poupança. Por causa da crise e do desemprego, os brasileiros têm menos dinheiro para aplicar na caderneta e precisam sacar mais recursos para pagar dívidas.Edição: Lílian Beraldo

><>Meu Peixe: A ‘brincadeira’ do golpe já está mexendo no bolso das pessoas.

Primeiro se liquida a poupança, o país sem poupança não tem como fazer investimentos, arrocha os salários, sem poder de compra a economia desacelera-se mais ainda… Os bancos, as grandes corporações acreditam que não serão tragados pela crise que se instala no país.

O tempo dirá, pois agora vivemos outros tempos.

Share Button

A crise brasileira fomentada para justificar o impeachment agora se instalou e o cenário econômico mato-grossense se agrava ainda mais

Com projeção econômica em baixa, austeridade deve aumentar em Mato Grosso

Por Euziany Teodoro – O Governo Federal publicou o balanço financeiro do mês de agosto, confirmando que o cenário econômico é o pior dos últimos anos e deve continuar em recessão. Segundo o levantamento, a arrecadação teve queda real de 10,12% se comparado a agosto de 2015. No total, a União recolheu R$ 91,8 bilhões em 2016, contra R$ 102,2 bilhões em agosto do ano passado.

Para o secretário de Planejamento de Mato Grosso, Gustavo de Oliveira, um cenário que já estava ruim, deve piorar. “Infelizmente as projeções não são boas. O Governo Federal prevê que a economia só comece a se recuperar em 2019 e isso atinge diretamente a economia de todos os estados, especialmente Mato Grosso”, afirmou.

O Executivo Estadual já implantou várias ações para conter as despesas e a contenção deve ficar ainda mais rigorosa, de acordo com o secretário. “Teremos que intensificar a redução de custos, postergar os gastos com tudo o que não for emergencial ou essencial e termos um rigor ainda maior com este controle.”

O governador Pedro Taques e a equipe econômica do governo estadual tem ido frequentemente à Brasília em busca de recursos da União a fim de recuperar a capacidade de investimento, que este ano ficou em média de 4% da receita líquida do Executivo. No entanto, as dificuldades devem aumentar.

“Se a arrecadação federal está em queda, a probabilidade é que tenhamos linhas de crédito restritas, dificuldades para conseguir convênios e empréstimos. Ou seja, além da nossa baixíssima capacidade de investir, ainda teremos mais dificuldades para apoio do Governo Federal.”

Aumento das despesas Por conta da crise econômica nacional, diminuição dos repasses federais e pagamento da oitava parcela da dívida dolarizada, o Governo de Mato Grosso anunciou na semana passada que pagará no próximo dia 30 o salário do mês de setembro a 90% dos servidores do Poder Executivo. Os outros 10% serão pagos até o dia 10 de outubro, conforme prevê a Constituição Estadual.

Dentro do mês serão pagos os servidores que recebem até R$ 6 mil líquidos e os que recebem acima desse valor receberão até o dia 10. O 13º salário dos servidores efetivos que fazem aniversário no mês de setembro será quitado até o dia 15 de outubro.

Para regularizar o calendário de pagamento o governador Pedro Taques cobra da União o repasse de cerca de R$ 420 milhões referentes ao Auxílio Financeiro para Fomento das Exportações (FEX). Do total, 25% serão repassados as prefeituras dos 141 municípios de Mato Grosso. O valor é uma compensação pelo imposto que o Estado deixa de cobrar por produtos in natura produzidos em Mato Grosso e destinado à exportação. A isenção do imposto e a compensação pela não cobrança estão previstas na Lei Kandir.

><>Meu Peixe está aqui refletindo.

A crise foi criada e embalada por Eduardo Cunha e que depois aceitou o pedido de impeachment, que não existia crime de responsabilidade para tal – inclusive o governador José Pedro Taques – no entanto seguiram em frente.

Agora, com queda da arrecadação se acelerando, abaixo das previsões e da meta do déficit fiscal, Mato Grosso é engolfado ainda mais tsunami que se anuncia…

José Pedro Taques, segundo Meu Peixe, deve explicações sobre o quadro atual e dizer se tinha ou não ideia do quadro futuro quando apoiou o golpe para a derrubada da presidenta legitimamente eleita por mais de 54,5 milhões de votos.

Share Button

Silval inaugura fábrica de combustíveis da Bunge

Nova Mutum, MT – O governador Silval Barbosa, ao lado do ministro Pepe Vargas, do Desenvolvimento Agrário, participou da inauguração da primeira fábrica de biodiesel no Brasil da empresa Bunge. A nova unidade está instalada no município de Nova Mutum, distante 303 km de Cuiabá, onde a Bunge já tem uma unidade de esmagamento de soja, inaugurada há quatro anos. A fábrica de biodiesel representa um investimento de R$ 60 milhões e vai produzir 150 mil m³ de combustível verde, metade da capacidade instalada, segundo o presidente da empresa, Pedro Parente.

“Essa empresa, que já tem perto de 30 unidades em Mato Grosso, vem contribuir de maneira significativa, com esta unidade, para a agregação de valores e dar poder de competitividade aos nossos produtores”, disse o governador. Silval Barbosa destacou que “em Mato Grosso estamos comemorando como o maior gigante da produção”. Ele falou dos desafios que o Estado precisa superar. O maior de todos é o desafio logístico. Lembrou que os produtores detém a tecnologia da produção mas o gargalo do transporte tem segurado o desenvolvimento.

O ministro Pepe Vargas destacou o programa nacional de produção e uso do biodiesel (PNPB), no qual a nova fábrica se insere, proporcionando a liderança do Brasil na produção e consumo do biodiesel..

Continue Reading

Share Button