Programa de extensão da UFSCar trata da Saúde Mental no contexto da Reforma Psiquiátrica

Projetos de extensão desenvolvem ações de cuidado e educativas em defesa dos direitos humanos

Sonia Regina Zerbetto

Da Assessoria | Com o objetivo principal de desenvolver ações de cuidado e educativas em defesa dos direitos e para o resgate da cidadania de pessoas em sofrimento psíquico ou dependência e abuso de álcool e outras drogas, o programa de extensão “Saúde Mental no contexto da Reforma Psiquiátrica” vem realizando atividades desde 2004, sob a coordenação de Sonia Regina Zerbetto e com participação de Angélica Martins de Souza Gonçalves, ambas docentes do Departamento de Enfermagem (DEnf) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Atualmente, dois projetos são desenvolvidos no âmbito do Programa. A “Oficina terapêutica sociocultural”, coordenada por Zerbetto, é desenvolvida no Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS-AD), em São Carlos. Por meio da iniciativa, as pessoas atendidas no CAPS participam de atividades culturais, no próprio local ou em visitas a museus, teatros, bibliotecas e outros espaços, sempre nas manhãs das quintas-feiras, além de dinâmicas com foco nos âmbitos terapêutico e social. “O projeto envolve anualmente aproximadamente 15 usuários do CAPS-AD, uma bolsista de graduação e outra da pós-graduação de Enfermagem, bem como acadêmicos do curso de graduação em Enfermagem, durante a disciplina de Atenção à Saúde Mental, ofertada no sexto semestre do curso”, conta Zerbetto. “A oficina tem por objetivo trazer a prática clínica aos estudantes de graduação e, ao mesmo tempo, oferecer aos usuários do CAPS-AD uma atividade no eixo terapêutico e sociocultural”, explica.

Já o projeto “Rastreamento e intervenções breves para o uso de álcool e tabaco na gestação”, coordenado por Gonçalves, tem interface entre pesquisa e extensão e é desenvolvido pela mestranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PPGEnf) Adaene Alves Machado de Moura desde o começo deste ano. A proposta é fazer um levantamento e propor intervenções para reduzir ou cessar o consumo de álcool e tabaco por gestantes vinculadas a unidades de Atenção Primária de São Carlos. Por meio de questionários aplicados junto a este público, é identificada a forma de consumo dessas substâncias e, em seguida, oferecida uma intervenção educacional, ressaltando os problemas associados ao uso de álcool e tabaco, tanto para a mãe, quanto para o feto. Caso a gestante seja identificada como provável dependente de álcool, é feito o encaminhamento dessa mulher para o CAPS-AD. “A experiência deste projeto tem sido bastante produtiva. Temos retomado o contato com as gestantes após a intervenção e observamos que algumas realmente têm se motivado a modificar seu comportamento de beber e fumar quando se deparam com informações pautadas em evidências científicas. Nossos resultados têm sido mais promissores do que os que projetamos inicialmente”, afirma Gonçalves.

Outras atividades desenvolvidas no programa de extensão desde a sua criação são seminários; cursos de extensão (no formato de Atividades Curriculares de Integração Ensino, Pesquisa e Extensão – Aciepes); as oficinas terapêuticas; capacitação de profissionais da rede de Saúde para utilização de instrumentos de rastreamento de uso de álcool em adultos e gestantes; produção científica e apresentação de trabalhos em eventos nacionais e internacionais; o projeto “Prevenção para o uso de álcool e drogas entre usuários e familiares de um serviço de base comunitária de Saúde Mental” (com recursos do Programa de Apoio à Extensão Universitária – ProExt – do Ministério da Educação); e iniciativa de capacitação de professores dos ensinos Médio e Fundamental para prevenção do uso de álcool e outras drogas em escolas (financiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq – e em parceria com a Universidade Federal do Mato Grosso).

Reforma Psiquiátrica – O Programa frente à importância do conteúdo teórico-científico e prático na Reforma Psiquiátrica, entendida como um processo social complexo, que envolve a mudança na assistência à Saúde Mental de acordo com novos pressupostos técnicos e éticos, a incorporação cultural desses valores e a convalidação jurídico-legal desta nova ordem. A Reforma ainda está ocorrendo, e o modelo brasileiro teve várias influências, principalmente da Itália. “As mudanças no tratamento de pessoas com transtornos mentais começaram no final da década de 1970 e ocorreram na estrutura física, com fechamento de hospitais psiquiátricos e criação de serviços substitutivos ao manicômio; na legislação; no conteúdo teórico-científico; nas relações entre profissional e usuário dos centros de atenção; além do amparo, reintegração à sociedade, cuidados, enfim, transformações em saberes e práticas nas dimensões técnico-assistenciais, sociais, culturais e políticas”, conta Zerbetto.

><>Nós do NAMARRA apoiamos qualquer iniciativa que avance no tratamento dos portadores de transtornos mentais.

Share Button

Marco Marrafon pede pra sair e Marioneide Kliemaschewsk assume a Seduc

Da Assessoria | O governador Pedro Taques nomeou a professora Marioneide Kliemaschewsk para assumir a Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer (Seduc) em substituição ao ex-secretário Marco Marrafon, que deixou o comando da pasta a pedido, nesta quinta-feira (05.04). Marioneide ocupava o cargo de secretária adjunta de Gestão Educacional e Inovação da Seduc.

A nomeação está publicada no Diário Oficial do Estado (DOE), que circula nesta sexta-feira (06.04).

Taques agradeceu o trabalho realizado pelo secretário Marco Marrafon e afirmou que tem completa confiança na nova secretária, que irá dar continuidade aos programas que tem transformado a Educação estadual.

Marioneide conta com mais de 31 anos de serviços prestados à educação pública atuando como professora, coordenadora, diretora, secretária de Educação da Prefeitura de Cuiabá entre outras funções. “Espero poder honrar a escolha do governador Pedro Taques e do secretário Marco Marrafon com muito trabalho sério, eficaz e acima de tudo com compromisso da minha vida – que sempre foi me dedicar à Educação”.

Conforme a secretária, o seu principal objetivo será dar continuidade ao trabalho desenvolvido junto à rede estadual e às ações do programa Pró-Escolas, que é construído por uma grande equipe, do qual ela também fez parte, enquanto esteve à frente da secretaria adjunta, e aos 10 projetos estratégicos desenvolvidos na Educação: Escola Plena, Muxirum da Alfabetização, Anjos da escola, Pró-Escolas Estrutura, Avalia MT, Pró-Escolas Digital, Pró-Formação, Programa de Integridade, Programa de Qualidade de vida e Esporte na escola.

“Contribuir para que a Educação continue o processo de melhoria contínua, buscando atingir o foco principal, que é a missão de ofertar um ensino de qualidade as crianças, adolescentes e jovens de Mato Grosso”, enfatizou.

Carreira

Marioneide Kliemaschewsk é graduada em pedagogia, administração de empresas e economia, pós-graduada em recursos humanos e gestão escolar, é servidora efetiva da rede municipal de educação de Cuiabá há 31 anos, onde atuou como professora do ensino fundamental e por 13 anos como diretora.

Em 2013, a professora assumiu o cargo de diretora-geral de Gestão Educação na Secretaria Municipal de Educação de Cuiabá. Cinco meses depois, assumiu como adjunta de educação e em 2016 se tornou secretária Municipal de Educação.

Em 2017, Marioneide foi convidada pelo então secretário Marco Marrafon a dirigir a Secretaria Adjunta Gestão Educacional e Inovação, onde implementou diversos projetos, entre eles o Avalia MT, que tem como objetivo traçar um diagnóstico detalhado de toda a rede de Educação do Estado.

Share Button

Governo do golpista Michel Temer e suas ‘mudanças’ de última hora para dificultar a vida dos gestores da educação

Atualização cadastral é condição necessária para receber recursos do PDDE

Quem atualizar o cadastro até 15 de março deve receber primeira parcela do Programa Dinheiro Direto na Escola mais cedo

Da Assessoria | O Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) tem uma novidade a partir deste ano. Para receberem os recursos do programa, estados, municípios e as Unidades Executoras Próprias – UEx (Caixas Escolares, Associações de Pais e Mestres, Colegiados Escolares) devem atualizar seus cadastros no sistema PDDEweb.

Além de garantir dados cadastrais atualizados de todas as entidades envolvidas na execução do programa, a medida é importante para melhorar a interlocução do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), responsável pelo repasse de recursos do PDDE, com as entidades que executam o programa.

“Quem atualizar o cadastro até 15 de março tem grande chance de receber os recursos da primeira parcela do PDDE nos primeiros lotes de pagamento, que devem sair já em abril”, afirma o presidente do FNDE, Silvio Pinheiro. “É importante preencher todos os campos de informação no PDDEweb corretamente para que a entidade não fique sem receber os recursos e também para que o FNDE possa enviar orientações aos gestores do programa sobre a execução do PDDE e de suas ações agregadas”, completa Pinheiro.

A exigência da atualização cadastral para recebimento de recursos do PDDE está prevista na Resolução do Conselho Deliberativo do FNDE nº 6/2018, publicada no Diário Oficial da União (DOU) do dia 1º de março. “Mesmo se a entidade já tiver atualizado seus dados em 2017, deverá confirmá-los agora em 2018”, reforça o presidente do FNDE.

Para atualizar o cadastro, é necessário possuir senha do PDDEweb. A entidade que esqueceu sua senha ou que ainda não a possui deverá solicitá-la no próprio sistema, lembrando que o PDDEweb abre apenas no navegador Internet Explorer.

O sistema irá pedir dados sobre localização da entidade e de identificação de seus dirigentes. O cadastro estará concluído quando o PDDEweb apresentar a mensagem “Operação realizada com sucesso” e emitir formulário com as informações cadastrais da entidade. Para auxiliar os gestores locais a fazer a atualização cadastral, o FNDE disponibiliza um passo a passo do processo.

><>O absurdo da medida é que exige que mesmo as unidades que atualizaram os dados no ano passado tem que fazer agora. Qual a finalidade disso? Qual o propósito? Só podemos entender como o de dificultar o recebimento dos recursos. Muitos gestores – principalmente aqueles que atualizaram os dados em 2017 – serão pegos de surpresas ao não verem os recursos no caixa da escola.

Outro absurdo, dos absurdos, o programa PDDEweb abre apenas no internet explorer do Windows  

Share Button

Seduc/MT estuda projeto de escola indígena sustentável em parceria com a ONU

Da Assessoria | A construção de uma escola indígena modelo, com arquitetura sustentável e construída com mão de obra e matéria prima local, foi tema de reunião entre o governador Pedro Taques, secretário de Educação Marco Marrafon e especialistas do Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (Unops). O encontro foi realizado nesta terça-feira (27.02), no Palácio Paiaguas e foi acompanhado por uma equipe técnica da Secretaria de Educação, Esporte e Lazer (Seduc).

O planejamento vai além da estrutura educacional e visa uma área de convivência indígena, preservando sua identidade cultural. Responsável pelo projeto em parceria com a Seduc, o Unops trabalha em aproximadamente 80 países e tem experiência em projetos de construção em áreas de difícil acesso. Em abril os especialistas da ONU irão até o Xingu, na etnia Waurá, onde será construída a escola modelo, para conhecer a realidade, princípios e valores do seu povo.

Nesta semana, os representantes da ONU realizarão um workshop como forma de capacitar os técnicos da Seduc em projetos de edificação verde e sustentabilidade, observando o meio ambiente, cultura e aspectos sociais. “É importante entender a infraestrutura sustentável, planejar, fazer um desenho adequado, construir, operar e manter. Temos vários exemplos no mundo inteiro de como podemos apoiar o governo no desenvolvimento da capacidade técnica, particularmente na fase de planejamento e de desenho dos projetos. Estamos muito felizes de estar aqui e ajudar em um projeto como este”, ressaltou o Diretor Global de Infraestrutura do Unops, Steven Crosskey.

O governador Pedro Taques destacou a importância da comunidade indígena para o estado de Mato Grosso, um dos que possuem maior diversidade de etnias do Brasil, e da parceria com o Unops. “Temos mais de 45 mil índios e entendo que o estatuto indígena está ultrapassado. A educação é o melhor caminho, com construções de escolas que respeitem a forma de viver e a estética de cada povo. Esse projeto de arquitetura sustentável é muito importante, pois preserva as características e traços culturais. A arquitetura é um objeto de transformação”.

Projeto Escola Sonhada

O Projeto ‘Escola Sonhada’, um desejo antigo dos indígenas, vem sendo planejado pela Seduc há alguns anos. Para que saia do papel, a secretaria buscou parcerias não remuneradas com diversos órgãos além do escritório da ONU, entre eles Ministério Público Estadual, Fundação Nacional do Índio (Funai), Ministério da Educação e associações indígenas. O projeto que será realizado no Xingu, de forma inovadora e diferenciada, será modelo para outras escolas indígenas e comunidades quilombolas.

O secretario adjunto de Obras da Educação, Alan Porto, que está a frente do projeto, pontuou que há dificuldade em relação a construção sustentável e a logística, já que muitas das 70 escolas indígenas ficam fora da rota terrestre. “Hoje achar uma empresa de estrutura convencional para executar esse serviço é complicado, esbarramos na questão de logística, já que transporte de material para muitas aldeias é fluvial. Dessa forma nosso pensamento para a construção verde, sustentável, é o mutirão, com mão de obra indígena remunerada. Uma construção convencional, de alvenaria, sai em torno de R$2 milhões. Mas esse projeto sustentável com mão de obra e matéria prima local terá um custo estimado de R$600 mil”.

Alan explicou que o envolvimento indígena no projeto gera sensação de pertencimento, com uma arquitetura que remete as origens e ao cotidiano das etnias, já que o espaço, além de escola, será usado também como centro de convivência social. Em reunião com os indígenas foi decidido que a construção terá formato de cocar, com pinturas típicas na parede e objetos, como pias, em cerâmica.  “As tecnologias que foram desenvolvidas por eles serão herdados na arquitetura da obra. Será um centro de convivência e o espaço poderá ser usado para fazer vários eventos da comunidade, apresentar o artesanato, uma forma de valorizar a cultura. Teremos alguns consultores que estarão ali capacitando esses índios, na realização dessa obra”, afirmou. (Texto: Renata Prata/GCom)

Source: Em parceria com a ONU, Seduc estuda projeto de escola indígena sustentável – Notícias – mt.gov.br

Share Button

UFMT divulga edital de vagas para 2018

Da Assessoria | O Diário Oficial da União (DOU) publicou na última sexta-feira (12) o edital de vagas nos cursos de graduação presencial da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) para o ingresso no ano letivo de 2018 por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Neste ano, além do novo curso de bacharelado em Cinema e Audiovisual, que conta com 30 vagas distribuídas entre os dois semestres, haverá oferta para Pessoa com Deficiência (PcD).

No total, serão oferecidas 5.964 vagas em 98 cursos, distribuídas nos Câmpus de Cuiabá (2.929 vagas em 47 cursos); Rondonópolis (1.147 vagas em 19 cursos); Sinop (881 vagas em 11 cursos); Araguaia, nas unidades Barra do Garças e Pontal do Araguaia (712 vagas em 16 cursos); e Várzea Grande (315 vagas em cinco cursos).

Os candidatos PcD concorrem à 684 vagas ofertadas pela Instituição. As demais estão distribuídas da seguinte maneira: candidatos com renda familiar bruta igual ou inferior a 1,5 salário mínimo per capita que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (415); candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas, com renda familiar bruta igual ou inferior a 1,5 salário mínimo per capita e que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (767); candidatos que, independentemente da renda per capta, tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (406); candidatos autodeclarados pretos, pardos ou indígenas que, independentemente da renda per capta, tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas (732); e à Ampla Concorrência (2.960).

Segundo o edital, o candidato não poderá escolher o período de ingresso, sendo que os primeiros colocados aprovados serão alocados nos cursos com início no primeiro semestre e os demais no segundo semestre. Além disso, o candidato que não comparecer nos primeiros dez dias letivos sem apresentar qualquer justificativa junto à Coordenação do Curso de Graduação terá sua matrícula automaticamente cancelada.

Sisu

De acordo com o cronograma disponibilizado no site do Sisu, as inscrições iniciam no dia 29 de janeiro e vão até o dia 1º de fevereiro. O resultado da primeira chamada acontece no dia 02 e a matrícula dos selecionados entre 05 e 07 de fevereiro.

Mais informações sobre o processo seletivo 2018 podem ser obtidos na Central de Ingresso.

Source: UFMT divulga edital de vagas para 2018

Share Button

Verdade dos fatos no Dia do Professor: a carreira desperta cada vez menos o interesse de jovens

 

No quadro-negro da sala de aula da professora Elieth Portilho estão fotos de pássaros e frutas do Cerrado. As cartilhas falam de temas rurais e práticas do campo e foram elaboradas pela professora e os Valorização do professor deve começar na educação básica, diz o MEC Elza Fiuza/Arquivo/Agência Brasil

Por Sabrina Craide | A falta de reconhecimento e de condições de trabalho tem atraído cada vez menos alunos para uma profissão que já esteve entre as mais valorizadas no país: a de professor. O Dia do Professor é hoje, mas há motivo para comemorar?

A cada 100 jovens que ingressam nos cursos de pedagogia e licenciatura no país, apenas 51 concluem o curso. Entre os que chegam ao final do curso, só 27 manifestam interesse em seguir carreira no magistério. As informações foram levantadas pelo movimento Todos Pela Educação, com base em dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Temos um apagão de professores, principalmente pela desvalorização. A gente já atrai pouco e, dos que vão para a formação inicial, poucos permanecem na carreira. E não se consegue ter uma área de atuação que consiga atrair os melhores alunos do ensino médio”, diz a presidente executiva do Todos Pela Educação, Priscila Cruz.

Na opinião de Priscila, entre as políticas de atratividade necessárias para aumentar o interesse na profissão está a melhoria dos salários. Segundo Priscila, atualmente o professor ganha metade do que os profissionais de outras áreas com ensino superior completo. “Realmente fica difícil atrair os melhores alunos do ensino médio para a carreira se a gente não conseguir fazer com que o salário melhore”, acrescenta.

Priscila destaca que é preciso melhorar também as condições de trabalho do professor. A proximidade dos jovens com a profissão faz com que eles vejam de perto a realidade dos professores, que nem sempre é atrativa. “O fato de o jovem verificar no seu dia a dia que os professores não são valorizados, e muitas vezes são atacados pelos próprios jovens, pelas famílias, pela sociedade, pelo governo, isso faz com que o jovem desista da profissão”, lamenta Priscila.

Modelos ideais de educação mobilizaram brasileiros ao longo da história Alguns estados pagam o piso salarial tanto para professor do nível médio quanto para o do nível superior”, diz o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, Heleno Araújo Arquivo/Agência Brasil

Desmotivação – Para o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), Heleno Araújo, a falta de políticas que valorizem os profissionais da educação desmotiva os profissionais. Segundo Heleno, existe atualmente um processo de disputa muito grande com outras profissões, que oferecem melhor remuneração.

“Até os profissionais de pedagogia estão fugindo dessa profissão, porque os salários são diferentes, e vão fazer o seu trabalho em outros espaços, que têm uma valorização maior”.

Ele ressalta que, apesar de alguns avanços nos últimos anos no processo de valorização dos profissionais da educação, como a lei do piso nacional do magistério, ainda há dificuldades, como o descumprimento, em alguns estados e municípios, da legislação que define o mínimo a ser pago a profissionais em início de carreira, além do achatamento da carreira de professor. “Há estados que pagam o piso para o professor do nível médio e o mesmo valor para nível superior”, diz Heleno Araújo.

De acordo com a CNTE, em 2004 o salário dos professores no país representava cerca de 60% da média salarial de outras profissões – atualmente é 52% da média. “Este é o movimento inverso do Plano Nacional de Educação, que diz que, até 2020, o salário médio dos professores deve ser equiparado ao salário médio de outras profissões”, afirma.

Plano nacional – O Ministério da Educação (MEC) deve lançar nos próximos dias uma política nacional de formação de professores, já articulada à Base Nacional Comum Curricular, que vai focar na valorização dos profissionais. Segundo o MEC, está em estudo a ampliação das oportunidades das licenciaturas para a nova geração de docentes da educação básica e também para os que já estão em sala de aula.

Para o MEC, a valorização do professor é fundamental para a educação. “Existe a clareza de que o professor tem um papel central no desenvolvimento educacional de nossos estudantes e de que, para exercer essa profissão, ele precisa ser valorizado em todas as suas dimensões”, diz o ministério, em nota.

Fonte: Carreira de professor desperta cada vez menos o interesse de jovens

><>Incrível o desprezo que nós brasileiros temos pelos professores. Alunos não respeitam mais os profissionais em sala-de-aula, quando são repreendidos, pais vão à escola para confrontar com os professores…

Os discursos políticos quase de forma unânime é pela valorização da Educação, mas na prática não é isso que se vê.

Professores desmotivados, despreparados são péssimos exemplos como paradigma para atrair jovens para a profissão.

Porque os professores são despreparados, porque – conforme revela Priscila Cruz, do movimento Todos pela Educação – os melhores alunos do ensino médio não sentem atração pela profissão e alunos médios, mais ou menos, os menos que mais acabam indo para o magistério.

A formação do professor acaba sendo o de ‘ensinar’ aquilo que ele já deveria saber e pouca preparação nas áreas pedagógicas e didáticas e aí  voltamos o começo…

Share Button

No calor do inverno cuiabano encontro literário de hoje até sexta-feira

O encontro em Cuiabá é inspirado na “Primavera Literária Brasileira”, que acontece na França

A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), por meio da Coordenação de Letras, vinculado ao Instituto de Linguagens (IL) realiza entre hoje, 2, até sexta-feira,4 de agosto o evento “Inverno Literário Cuiabano”.  O Inverno, vamos combinar, é apenas no nome, pois hoje, os termômetros devem registrar mínima de 20 e máxima de 36 graus (na sombra). Na sexta, último dia do evento, há uma ameaça da mínima baixar até os 17º. Vamos torcer para fazer jus ao titulo.

Segundo as organizadoras Elaine Cristina de Almeida e Suze Oliveira, o encontro é inspirado na Primavera Literária Brasileira, evento que acontece desde 2014 na Universidade Sorbonne, Paris, entre os escritores contemporâneos brasileiros e os estudantes da Universidade.

O objetivo do Inverno Literário Cuiabano é proporcionar diálogo entre pesquisadores, acadêmicos e escritores brasileiros e franceses buscando compreender as tendências da literatura contemporânea dos dois países bem como proporcionar ao público o conhecimento de alguns escritores mato-grossenses, suas percepções de mundo, obras e trabalho realizado pela Academia Mato-grossense de Letras na promoção da literatura local.

O evento é  um encontro de vozes Contemporâneas “Que preocupações humanas ressoam na literatura contemporânea?” “Há ainda vozes sem ecos?” A partir de um diálogo entre acadêmicos, pesquisadores e escritores brasileiros e francófonos, buscar-se-á conhecer e compreender as tendências da literatura contemporânea brasileira e francófona.

Além disso, espera-se, durante esse Inverno Literário Cuiabano, propiciar a estudantes de Letras e à sociedade a oportunidade de conhecerem alguns de nossos escritores mato-grossenses, a percepção de mundo destes, suas obras, assim como o trabalho realizado pela Academia Mato-grossense de Letras na promoção da literatura local.

Professor de Estudos Lusófonos da Université Paris-Sorbonne IV, “Chevalier des Palmes Académiques” pelo Ministério da Educação francês e Conseiller Littéraire pelo Conseil National du Livre para o Salão do Livro de Paris de 2015, professor Dr. José Leonardo Tonus é um dos convidados do Inverno Literário.

Participa ainda do evento a professora Dra. Véronique Bonnet, da Université Sorbonne Paris-Cité XIII, professora convidada pela USP para realizar atividades junto ao grupo de pesquisa Criação e Crítica do Programa de Pós-graduação em Estudos Franceses durante o ano letivo de 2017. Ela vai falar sobre a perspectiva das representações de escritores francófonos, as percepções da história do tempo presente e da história do tempo presente e da história imediata da perspectiva dos refugiados, da produção literária, reconfigurações da memória e as interferências disso na leitura do tempo presente, questões pungentes e bastante atuais à compreensão da sociedade contemporânea.

A programação conta com palestras, lançamento de livros e a entrega de diplomas da Université Paris-Sorbonne aos participantes do Programa de Licenciatura Internacional (PLI-França) referente ao período de setembro de 2013 e março de 2015. Por se tratar de um evento do Curso de Letras, Português-Francês, as falas dos palestrantes poderão ocorrer em Língua Portuguesa ou Francesa sem tradutores.

A programação acontece no IL , no Centro Cultural e no Museu Rondon de Etnologia e Arqueologia (Musear) além da Academia Mato-grossense de Letras. O evento é aberto à comunidade externa e contará com certificação de 16h aos participantes da atividade. As inscrições devem ser feitas até 30 de julho.

Eis a programação:  Hoje, quarta-feira, no Centro Cultural, às 19:00, acontece a abertura e acolhida aos participantes, com execução dos Hinos Nacional e de Mato Grosso.  Às 19:30 — “Da consecução e da realização do projeto PLI -UFMT”, com a Profª. Dra. Suze S. Oliveira e Representante da SECRI —UFMT;  20:10 — Cerimônia de entrega simbólica dos Diplomas da Université Paris -Sorbonne aos alunos do PLI -França (set. 2013 —mar. 2015) pelo professor Dr. José Leonardo Tonus  que na sequencia fará a palestra “Avaliação do PLI -França: desafios e perspectivas ”; 21:00 — “Panorama de la Formation de Licence de Lettres Modernes au sein de Sorbonne Paris Cité” – Profa. Véronique Bonnet e às 21:40 — Interação entre o público e os palestrantes, com encerramento previsto para às 22:00.

Na quinta-feira, 3, no Auditório do Museu Etnográfico Rondon, às  8:00 — “O livro brasileiro na França: balanço, perspectivas e impasses para uma política cultural”, como o Prof. Dr. José Leonardo Tonus; às 9:40 — “ L ’écrivain francofone et la condition migrante: Emile Ollivier, Dany Laferrière et Patrick Chamoiseau ”, com a Profª. Dra. Véronique Bonnet. No Auditório “ M” do IL, às 19:00 — Printemps Littéraire: o que é?, com o Prof. Dr. José Leonardo Tonus e alunos PLI -França/Capes – UFMT;  ás 20:40 — Conversa com a escritora Lucia Bettencourt e lançamento de “Olhar Paris” (2016) e “Escrever Berlim” (2017) seguida de Interação do público e convidados, com sessão de autógrafos.

Na sexta-feira,4, na Academia Mato-grossense de Letras, às 19 horas — A Academia Mato-grossense de Letras e a difusão da literatura mato-grossense, com a presidente da entidade, Prof.ª Dra. Marília Beatriz de Figueiredo Leite; às 19:40 — Roda de conversa com escritores mato-grossenses convidados: “Por que escrevo?”, “Escrever em Mato Grosso” – Cristina Campos, Ivens Cuiabano Scaff, Daniela Freire e Ric Milk.

A atividade conta com o apoio da Secretaria de Relações Internacionais (Secri), Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), Academia Mato-grossense de Letras (AML).

Share Button

O novo Bom de Bola, Bom de Escola vai atender 400 crianças

Projeto Bom Bola, Bom de Escola chegou a ser referência nacional.

Por Alessandra Barbosa | O programa “Bom de Bola, Bom de Escola” será retomado pela Prefeitura de Cuiabá. O projeto, que vai beneficiar alunos de escolas públicas, terá suas inscrições abertas a partir do dia 11 próximo e serão encerradas tão logo sejam preenchidas as 400 vagas previstas inicialmente.

Conforme o prefeito Emanuel Pinheiro, o programa ressurge com o compromisso de acompanhar o desempenho escolar dos alunos, evitando a evasão escolar e proporcionando a inclusão social por meio da descoberta de novos talentos. Neste primeiro momento, o projeto vai abranger as unidades de ensino públicas próximas do Complexo Esportivo Dom Aquino.

“O que queremos é auxiliar na formação dessas crianças e ajudar esses pais na educação de seus filhos. É para estas famílias que o projeto foi retomado. Este programa vai envolver a participação de toda prefeitura e cada Secretaria terá seu papel. Não podemos imaginar o ensino de uma prática esportiva sem a base pedagógica da educação, sem o apoio da assistência social ou mesmo sem o aval da saúde. Esta ação é a primeira dentro do contexto geral que engloba o ‘Programa Bom de Bola, Bom de Escola’. Estamos fechando parcerias importantes, que vão oportunizar a realização dos sonhos da menina e do menino, portador de deficiência e ou não, para que eles possam brilhar futuramente em campeonatos pelo Brasil e quem sabe pelo mundo a fora”, afirmou o prefeito.

As vagas disponíveis são para alunos de 06 a 14 anos, divididos entre masculino, feminino e portadores de deficiência, nas modalidades de futebol com 140 vagas, futsal com 110, atletismo com 90 e o tênis de mesa com 60. Os alunos interessados deverão procurar a direção da escola e solicitar sua “Declaração Escolar”, comprovando que o aluno está regularmente matriculado e frequentando as aulas. Em seguida, o aluno deverá se dirigir ao Complexo Esportivo Dom Aquino acompanhado pelos pais ou responsáveis para efetuar sua inscrição.

A atribuição da Secretaria de Cultura, Esporte e Turismo será em caráter técnico e organizacional do programa. Adotado pelo cronograma. A aula inaugural está prevista o dia 19 de agosto. Ao todo serão nove técnicos, que deverão observar as necessidades das crianças.

“Esse é um projeto que o prefeito Emanuel Pinheiro coloca dentre suas principais prioridades. É um projeto que oportuniza a formação do cidadão com a participação do aluno com sua família. Nesse primeiro momento, a Prefeitura entra praticamente sozinha, mas já tem parceiros como, por exemplo, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que já sinalizou sua participação dentro da CBF social”, detalhou o secretário de Cultura, Esporte e Turismo, Francisco Vuolo.

Dentro do programa, a Secretaria Municipal de Educação tem uma comissão formada por vários profissionais, para avaliar as funções pertinentes à área educacional.

“O esporte é fundamental para o melhor desempenho escolar dos nossos alunos. Existem estudos nacionais e internacionais que comprovam a melhora em até um ponto na média nas disciplinas de matemática e línguas. Então, é nossa obrigação enquanto gestor, enquanto gestão humanizada, oferecer mecanismos para o melhor aproveitamento pedagógico. Lançamos o Mais Esporte na Escola para ser um braço do ‘Bom de Bola, Bom de Escola’ e a ideia é alinhar o esporte com a educação para alcançarmos uma educação de qualidade”, secretário de Educação, Rafael Cotrim.

O programa também terá como embaixador o jogador Julio César, ex-zagueiro da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1986 e como embaixatriz a primeira-dama do município Márcia Kuhn Pinheiro.

O Programa O “Bom de Bola, Bom de Escola” foi criado em 1998 pelo ex-prefeito Roberto França e funcionou como ‘fonte motivadora’ para que estudantes melhorassem suas notas escolares e para

estimular suas habilidades esportivas e ainda proporcionar o sonho de muitas crianças carentes em se tornarem atletas profissionais.

Segue a lista das primeiras escolas beneficiadas

EMEB Hélio de Souza Vieira

EMEB Agostinho Simplicio Figueiredo

EMEB Professora Thereza Lobo

EMEB Professor Francisval de Brito

EMEB Professora Rita Caldas Castrillon

EE Dom Francisco de Aquino Correa

EE Aureolina Eustácia Ribeiro

EE Alina do Nascimento Tocantins

EE Senador Azeredo

EE Santos Dumont

EE Barão de Melgaço

><>O prefeito Emanuel Pinheiro ao retomar o projeto Bom de Bola, Bom de Escola, sem mudar o nome, ou coisa que valha, demonstra respeitar os legados alheio e, com certeza, também será respeitado no futuro.
Os gestores públicos de um modo geral gostam ‘enterrar’ o passado e iniciar o novo… 

Share Button

6º Encontro Estadual de programa Educacional é realizado em Cuiabá

Foto Jorge Pinho / Secom CBA

Por Lina Obaid | O programa ‘A União Faz a Vida’ da Secretaria Municipal de Educação (SME) realizou realização a 6ª edição do encontro estadual realizada, nos dias 28 e 29 de junho, em Cuiabá com a temática: Um Espetáculo de Programa.

Entre os temas, voltado à gestores escolares, profissionais de educação, secretários municipais de Educação, estiveram assuntos ligados a Gestão Escolar Democrática, Boas Práticas, entre outros.

O objetivo central foi a vivência dos princípios de cooperação e cidadania, por meio de práticas de educação cooperativa, os quais contribuem com à Educação Integral de crianças e adolescentes.

Para a gerente de programas sociais do Sicredi em Mato Grosso, Andrea Passos, a expectativa é de expandir o programa e fortalecê-lo nos locais onde ele já existe. “Esperamos que ele [A União Faz a Vida] se fortaleça cada vez mais e vire um movimento em todo o Estado de Mato Grosso”, disse a representante da instituição parceira dos Executivos municipais na implantação do ‘A União Faz a Vida’.

Quanto à parceria com a Secretaria Municipal de Educação de Cuiabá (SME), a gerente avalia ser fundamental. “Porque é a Secretaria que tem a expertise da educação, que irá nos ajudar a aplicar os valores transformadores essenciais, propostos pelo programa como a solidariedade, o respeito à diversidade, a Justiça e empreendedorismo no dia a dia das escolas”, esclareceu.

A diretora de Ensino da pasta de Educação do município de Cuiabá, Zileide Lucinda dos Santos, afirma que a iniciativa contribui com a visão inovadora no conceito de educação da capital. “Trabalhar em propostas interdisciplinares como este programa é o que defendemos, pois assim se estimulam as capacidades de aprendizagem e de vivências da criança, colaborando para sua formação integral enquanto cidadãos”, pontuou.

Dentro das áreas trabalhadas pelo programa está o trabalho de capacidades como a leitura, as artes, a música, as ciências da natureza, a alimentação saudável, o trânsito, a reciclagem, as atividades de coordenação motora, entre outros.

Visão Escolar Já a gestora da Escola Municipal de Educação Básica (Emeb) Quintino Pereira de Freitas, Glaucia de Oliveira, a qual conheceu o programa há um ano, por meio de convite da Secretaria, conta que a unidade atende a cerca de 412 crianças, com idades de 4 e 5 anos e ressalta os desafios de ritmos de aprendizagem diferentes encontrados em sala de aula pelos professores, pois todos acabam a alcançar o processo de aprendizagem.

“Apesar de estarem todos engajados com o programa, uns aprendem mais rápido, outros mais lentamente, mas no fim o objetivo geral é aumentar a bagagem pedagógica por meio de experiências no dia a dia”, contou.

Além disso, ainda segundo a diretora, os professores se sentem mais incentivados e valorizados com este trabalho. “O fato de vir aos encontros anuais, promovidos pelo organizador do programa, de receber palestras e renovar os conhecimentos valoriza o profissional de educação. E este, entusiasmo, acaba sendo retransmitido para as crianças em sala de aula. É gratificante”, assegurou.

Carla Freitas Pfingstag, professora de Educação Infantil, explica que os projetos temas de trabalho são selecionados por meio de votação das próprias crianças e tem relação direta com o meio e a sociedade em que eles vivem.

“É um tema por turma. E neste ano, a sala pela qual sou responsável escolheu trabalhar o tema ‘Animais perigosos para a saúde’, devido à grande quantidade de cães e gatos nas ruas do bairro onde fica a escola, que muitas vezes podem transmitir doenças como a raiva, alergias ou até mesmo infecções por carrapatos”, contou.

Os resultados das vivências e aprendizados diários também são visíveis para os pais em casa. Jucelina Pereira da Silva, mãe do aluno Otávio, de seis anos, disse que seu desenvolvimento está evoluindo muito em sala de aula. “O Otávio é uma criança autista. E este é o primeiro ano em que ele estuda  em escola municipal e eu como mãe percebo que sua evolução está crescente, inclusive no domínio da fala” revelou.

Alcance Em Mato Grosso, 23 unidades de ensino participam do programa e, dentre elas, três em fase de articulação que é quando a proposta é apresentada aos municípios para posterior adesão.

Cerca de 70 mil crianças e adolescentes são atendidos, através do envolvimento de 3.743 educadores de 221 escola e juntas contabilizam a realização de 2.196 projetos. O programa ainda conta, ao todo, com mais de 50 apoiadores.

Em Cuiabá, as unidades escolares participantes são as Escolas Municipais de Educação Básica (Emeb) Antônio Ferreira Valentim, Henrique da Silva Prado, Tenente Octacílio Sebastião da Cruz, Senador Darcy Ribeiro e Quintino Pereira de Freitas.

Em todo o país, 219.866 crianças e adolescentes são atendidas pelo programa, que envolve 18.743 educadores que atuam em 1.428 escolas, realizando 6.601 projetos.

Programa O Programa é um iniciativa de responsabilidade social do banco Sicredi e foi desenvolvido em 1995 para ampliar o conhecimento das comunidades sobre o cooperativismo e a natureza das sociedades cooperativas.

Sua proposta se dá a partir de exemplos internacionais e da parceria com o Centro de Desenvolvimento e Pesquisa sobre Cooperativismo, da Universidade do Vale do Rio do Sinos (Unisinos – São Leopoldo/RS). Os projetos cooperativos são desenvolvidos pelos alunos nas escolas, com o apoio de educadores, dos pais e da comunidade.

Seu objetivo é promover atitudes e valores de cooperação e a cidadania por meio de práticas de educação cooperativa, por meio da contribuição para a educação integral de crianças e adolescentes em âmbito nacional com uma metodologia própria que instiga o protagonismo do aluno.

A formação continuada é realizada por meio de encontros orientados pelos assessores pedagógicos e intensificadas, no universo educacional do município, com as práticas de cooperação e cidadania.

Share Button

Acadêmicos da Unemat podem concorrer a 359 bolsas de extensão e pesquisa

Por Lygia Lima / Da Assesoria Unemat | A Universidade do Estado de Mato Grosso publicou, nesta terça-feira (23), cinco editais de bolsas direcionadas aos acadêmicos da instituição, nas modalidades de extensão e pesquisa. As bolsas terão duração de um ano. As inscrições podem ser feitas até o dia 20 de junho.

As bolsas são para o cumprimento de 20 horas semanais de atividades em projetos de pesquisa e/ou extensão e os valores são pagos com recursos da Universidade, da Fundação de Amparo à Pesquisa de Mato Grosso (Fapemat) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Continue Reading

Share Button

Terminam nesta quarta-feira, 24 as matrículas para cursos da Universidade Aberta

Por Hemília Maia/Unemat | O período para a realização de matrícula para os alunos convocados pela Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) em primeira chamada para ingressar nos cursos ofertados por meio da Universidade Aberta do Brasil (UAB) termina nesta quarta-feira (24.05). As matrículas devem ser feitas no polo de Apoio Presencial do curso escolhido das 13h30 às 17h e das 19h30 às 21h.

Os cursos ofertados estão distribuídos nos polos de Água Boa, Alto Araguaia, Arenápolis, Aripuanã, Barra do Bugres, Cáceres, Campo Verde, Colíder, Comodoro, Cuiabá, Diamantino, Guarantã do Norte, Jauru, Juara, Juína, Pedra Preta, Pontes e Lacerda, Porto Esperidião, Primavera do Leste, São Félix do Araguaia, Sapezal, Sorriso e Vila Rica.

Para efetivar a matrícula o aluno precisa entregar cópias do certificado de conclusão do Ensino Médio ou equivalente, do histórico escolar do Ensino Médio, do comprovante de quitação com o serviço militar (para candidatos do sexo masculino), do título de eleitor e comprovante de quitação eleitoral, do número de Cadastro de Pessoa Física (CPF), da carteira de identidade ou equivalente, da certidão de nascimento ou de casamento, uma fotografia 3×4 recente e declaração de não ter vínculo como acadêmico em outra Instituição de Ensino Superior pública.

Mais informações aqui, na página da Diretoria de Gestão de Educação a Distância (Dead), inclusive os endereços dos polos de apoio presencial dead.unemat.br/portal/, e por meio dos telefones  (65) 3222.1103 ou 3211.2837

Fonte: Terminam nesta quarta-feira (24) as matrículas para cursos da Universidade Aberta – Notícias – mt.gov.br

Share Button