Bolsonaro e o Câncer terminal que estaria sendo mantido em sigilo há meses – por Jeferson Monteiro

BOLSONARO E O CÂNCER TERMINAL QUE ESTARIA SENDO MANTIDO EM SIGILO HÁ MESESQuem me conhece sabe que não sou adepto de…

Publicado por Jeferson Monteiro em Terça-feira, 16 de outubro de 2018

Por Jeferson Monteiro | Quem me conhece sabe que não sou adepto de teorias da conspiração, mas acabo de ler no twitter um relato sobre um provável câncer no trato do intestino que possui uma riqueza de detalhes e notícias que resolvi trazer para cá. As informações a seguir foram publicadas originalmente na conta @afffmulher. Todos os links estão no fim deste post.

Há rumores de que Bolsonaro, na verdade, está com câncer terminal no trato digestivo e não está bem de saúde. Fontes próximas acreditam que ele não tem saúde para terminar um possível mandato.

Desde o começo do ano, Jair Bolsonaro dá sinais de que não está com a saúde 100% para um paraquedista formado. Não, não me refiro àquelas flexões de cabeça que ele fez. Me refiro aos desmaios, passamentos, passadas de mal.

No dia 8 de fevereiro, o deputado passou mal e precisou de atendimento médico na cidade de Cascavel, no Paraná. Ele sentiu calafrios e fortes dores no estômago (guarde esta informação). Segundo informações ele teve PROBLEMAS GASTRINTESTINAIS, provocado por algum alimento (?) que teria ingerido em São Paulo, antes de visitar a cidade. Ele ficou 3 horas em observação e depois liberado. O fato aconteceu a poucos dias do carnaval, não teve muita repercussão mas alguns sites locais noticiaram o ocorrido. [Fontes 1, 2 e 3]

Já em 13 de março, o candidato Jair Bolsonaro, passou mal novamente no Aeroporto no RJ, depois de uma viagem à Rio Branco, sendo internado no Hospital Central do Exército no Rio. Diferente do primeiro incidente, este é fácil de confirmar porque o G1 falou com a assessoria do candidato que confirmou tudo. Esta notícia foi amplamente divulgada. [4]

Agora vem um fato curioso: no dia 24 de março foi publicado um vídeo de Bolsonaro no Youtube, cujo título é “URGENTE! DOENÇA DE BOLSONARO NÃO O IMPEDE DE MOSTRAR A VERDADE” (vejam aqui: https://youtu.be/_HxAwEty414). Opa! Que doença!? Você deve estar pensando “Oxe, qualquer pessoa pode colocar um vídeo dessa na internet, com qualquer título, seu idiota” Sim, é verdade. Mas cliquem no vídeo e percebam que o candidato está com uma sonda nasogástrica. Você sabe quem usa sonda nasogástrica? Quem não tem condições de se alimentar sozinho, por exemplo. Alguém com problemas no trato digestivo. Não é um procedimento feito aleatoriamente. Tem um porquê. Qual? Não sabemos. Lembra que ele foi internado duas vezes por dores no ESTÔMAGO. Então…

Não há nenhum registro público de que Jair Bolsonaro já tinha passado por um procedimento semelhante por volta de março ou abril de 2018. As notícias são datadas apenas da época da famigerada facada, mais de 4 meses após a publicação do vídeo no Youtube.

Outra coisa curiosa é que o então deputado federal cancelou vários eventos a essa época (acompanhem minha linha do tempo, estamos no final de março, começo de abril). [5] A agenda do candidato só recomeça em 27 de abril de 2018. [6] Não há nada sobre o mês de março nem no site oficial do candidato.

Eis então que surge nas redes sociais um vídeo de Jair Bolsonaro em um culto. Você deve ter se deparado com ele nos últimos dias. Um pastor clama por CURA, ou melhor MILAGRE, enquanto dois obreiros repousam as mãos sobre o ESTÔMAGO de Bolsonaro. Sim, este vídeo que está circulando e estão associando a um prenúncio da facada e a um possível livramento provavelmente é um pedido de oração para a cura da doença por parte da esposa do candidato que é evangélica. A ida ao culto ocorreu no dia 2 de maio. [Links 7 e 8]

Avançamos para o primeiro debate na TV, o da rede Bandeirantes. O debate ocorreu em 09 de agosto de 2018, Bolsonaro foi o único sentado durante toda a discussão. Guilherme Boulos Boulos, mais tarde, disse em tom jocoso que o candidato estava visivelmente dopado, sequer conseguia falar direito. [9]

No dia 06 de setembro de 2018, o atentado. A facada que aconteceu justamente no dia em que o candidato que sempre andava de colete a prova de balas, havia esquecido de usar o item de segurança. [10] Lembremos da camisa forjada com sangue [11] e toda a balela criada pelos dois lados. Temos que pensar na inconveniente conveniência deste ataque. Não esqueçamos também da saúde mental do autor do atentado [12], nem da coletiva de imprensa marcada para as vésperas do primeiro turno mas que acabou nunca acontecendo porque um deputado aliado de Bolsonaro solicitou a suspensão da entrevista e o pedido foi prontamente atendido pela justiça [13] [14] Aliás, perceberam que ninguém fala mais disso? Não acho que o episódio tenha sido uma fantasia, mas não podemos descartar a possibilidade de ter sido usado para cobrir um problema de saúde maior do candidato. E já que estamos falando de conspirações, mais uma curiosidade: Dona Aparecida, proprietária da pensão que Adélio, o autor da facada, se hospedou antes de cometer o crime, morreu 1 semana após ter prestado depoimento a PF sobre o caso (2 semanas após o atentado). [15]

Um outro fato que gerou enorme repercussão foi a mudança de hospital. Todos se lembram que uma equipe do Sírio Libanês estava a postos e foi a primeira a chegar em Minas e tinha inclusive uma UTI aérea para levá-lo a SP. Mas houve uma confusão e com a desculpa de que o Sírio era “hospital de esquerda”, ele e os filhos fizeram questão de que o ex-capitão fosse para o hospital Albert Einstein. Muito que bem, no Einstein, a cirurgia foi chefiada pelo Dr. Antônio Luiz de Macedo, ONCOLOGISTA, um dos maiores especialistas do país em câncer de intestino. [16] O médico é quem acompanha o candidato desde então.

Vale lembrar que a alta cúpula das Forças Armadas demonstra forte resistência à candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República. Mas a postura começou a mudar no começo deste ano sem maiores explicações. [17] E após a indicação do General Mourão como vice, a questão pareceu sanada e os militares embarcaram de vez na chapa.

Por fim, semana passada foi informado que Bolsonaro passará por uma nova cirurgia em janeiro do ano que vem. Ou seja, dias após uma eventual posse, caso ele seja o vencedor das eleições. [18] Qualquer problema que venha acontecer, nós já sabemos: o Vice assume. E o Vice dele todos nós conhecemos.

Isso tudo pode ser mais uma mera teoria da conspiração, mas me pareceu conter peças que se encaixam perfeitamente. E se houver algum vestígio de verdade nessa história é obrigação não apenas do candidato mas também de seu médico de informar o real diagnóstico à nação. Mentir ou omitir um quadro tão grave num momento tão delicado de nossa história seria um crime contra nossa democracia.

__________________________________
FONTES
1. Jair Bolsonaro passou mal e precisou de atendimento médico em Cascavel (08/02/2018 10h26) – http://umuaramanews.com.br/…/jair-bolsonaro-passou-mal-e-p…/

2. Jair Bolsonaro passou mal e precisou de atendimento médico em Cascavel (08/02/2018 10h06) – https://catve.com/…/jair-bolsonaro-passou-mal-e-precisou-de…

3. Bolsonaro passou mal e precisou ser atendido em clínica médica de Cascavel (08/02/2018 10h16) – https://cgn.inf.br/…/bolsonaro-passou-mal-e-precisou-ser-at…

4. Jair Bolsonaro passa mal e é atendido em Hospital Central do Exército no Rio (13/04/2018 21h39) – https://g1.globo.com/…/jair-bolsonaro-passa-mal-e-e-atendid…

5. Agenda de Bolsonaro deixa de fora eventos com pré-candidatos (06/06/2018 21h39) – https://www1.folha.uol.com.br/…/agenda-de-bolsonaro-deixa-d…

6. Jair bolsonaro divulga sua agenda de 27 de abril a 5 de maio (27/04/2018) – https://portalcanaa.com.br/…/jair-bolsonaro-divulga-sua-ag…/

7. Pastor orando e colocando as mãos sobre barriga de Bolsonaro – https://twitter.com/zehdeabreu/status/1051496576357687296

8. Bolsonaro No Maior Evento Evangélico Pentecostal do Brasil Gideões S.C (02/05/2018) – vídeo completo – https://youtu.be/wI0d5ZGU3u0

9. Boulos diz que Bolsonaro estava “dopado” no debate da Band (05/09/2018, 18H59) – https://www.revistaforum.com.br/boulos-diz-que-bolsonaro-e…/

10. Bolsonaro usa colete à prova de balas e tem seguranças voluntários (26/06/2018 às 07h31) – https://www.gazetaonline.com.br/…/bolsonaro-usa-colete-a-pr…

11. Campanha de Bolsonaro recria camisa com sangue e deve exibir facada (09/09/2018 04h00) – https://noticias.uol.com.br/…/campanha-de-bolsonaro-recria-…

12. Laudo psiquiátrico aponta insanidade mental em agressor de Bolsonaro (01/10/2018 09:55) – https://www.correiobraziliense.com.br/…/laudo-psiquiatrico-…

13. Urgente: TRF-3 suspende entrevistas com Adélio Bispo (27/09/2018 20:49) – https://www.oantagonista.com/…/urgente-trf-3-suspende-entre…

14. Deputado vai à Justiça para impedir entrevistas de agressor de Bolsonaro (21/09/2018 às 13:55) – https://paranaportal.uol.com.br/…/deputado-vai-a-justica-p…/

15. Morre dona da pensão em que Adélio se hospedou (21/09/2018 16:20) – https://www.oantagonista.com/…/morre-dona-da-pensao-em-que…/

16. Dr. Antonio Luiz Macedo (site Albert Einstein visitado em 17/10/2018 às 02:50) – https://www.einstein.br/…/entrevistas/dr-antonio-luiz-macedo

17. Cai resistência a Bolsonaro no Exército (17/01/2019 05:00) – https://politica.estadao.com.br/…/geral,cai-resistencia-a-b…

18. Nova cirurgia de Bolsonaro deve ser realizada em janeiro, diz médico (11/10/2018 05:00) – https://politica.estadao.com.br/…/eleicoes,nova-cirurgia-de…

Share Button

Canto Manifestação, letra de Carlos Rennó e voz coletiva dos artistas brasileiros

Música de Russo Passapusso, Rincon Sapiência e Xuxa Levy, letra de Carlos Rennó
Cantam: Ana Cañas, As Bahias e a Cozinha Mineira, BNegão, Camila Pitanga, Chico Buarque, Chico César, Criolo, Ellen Oléria, Fernanda Montenegro, Filipe Catto, Larissa Luz, Letícia Sabatella, Ludmilla, Luedji Luna, Marcelino Freire, Marcelo Jeneci, Marcia Castro, Moska, Paulo Miklos, Pedro Luis, Péricles, Pretinho da Serrinha, Rael, Rico Dalasam, Rincon Sapiência, Roberta Estrela D’Alva, Russo Passapusso, Siba e Xênia França.

Share Button

Como nossos pais, com Elis Regina em som e imagem remasterizados -Beleza!!!

 

Share Button

Quer ver um tucano preso??? Vai querendo

O judiciário virou piada. Ninguém mais acredita que possa existir um resquício sequer de justiça como Lula preso e Paulo Preto solto.

Share Button

O Mundo Binário de Eduardo Mahon – por Ana Lúcia Rabecchi

Por Ana Lúcia G. S. Rabecchi | As histórias de Eduardo Mahon, além de serem nutridas pela experiência de leitura que reconhecemos num grande repertório, elas oferecem e tiram a ilusão de compreensão. O romance O homem binário e outras memórias da senhora Bertha Kowalski é uma alegoria das atitudes que o homem toma, ou se entrega, diante da perspectiva da morte, daí a narrativa ter como conteúdo a busca incansável por aquilo que ele, até então, não podia comprar: a imortalidade. Naturalmente essa busca é permeada pela discussão do conceito de humanidade de “forma mais radical”, como diz o autor, que termina por nos levar a uma reflexão do que seja humano versus desumano e da vida versus a morte. Vejamos a reflexão da psiquiatra Justyna Klos:

“Não é preciso nem mesmo estar num consultório médico, senhora Kowalski. Basta recorrer aos arquivos de história. Homens podem não ter humanidade alguma. O que chamamos de humanidade é, na verdade, uma construção tão rebuscada quanto fictícia. A humanidade, enfim, não é uma propriedade inata. E, se esse conjunto de atributos que apelidamos de humanidade não é partilhado por todos os seres humanos, é verdade que pode ser observado noutros seres, até mesmo nos virtuais. Basta não ter preconceito e levar a proposta do senhor Platek às últimas consequências” (p.143, grifo meu).

É exatamente discutir esse “e se…” que o romance faz ao nos deixar sufocados não pela morte em si, mas pela clausura da vida num software, que pode encarnar também a metáfora dolorosa do mito de Prometeu Acorrentado. Essas reflexões justificam a boa trama de O homem binário, onde vida e morte são verso e reverso da mesma moeda. A fragilidade e finitude da vida na realidade realçam o medo e a angústia da morte.

A vontade de se perpetuar mesmo numa vida diferente faz com que a empresa Continuum Co alcance sucesso com sua fórmula de prolongar a vida e vender a felicidade ao homem através da visão de eternidade. A morte, então, perde o “caráter monstruoso” e passa a ser um estado de mudança de existência, uma migração deste lugar para outro como diz a epígrafe Apologia de Sócrates, com a qual o romance mantém diálogo, dentre outras obras.

Mahon, porém, vai além, banaliza a morte ao exaltar ironicamente a ciência e a tecnologia que conseguem guardar a personalidade, mas não abrandar seus medos, pois Josef Platek se ressente de ser um homem torturado ao “virar uma alma sem corpo, penando sem espaço e sem tempo”, o que a personagem diz ser uma condenação “não dormir, não acordar, não envelhecer e não morrer”, ou seja, uma cópia desumana do homem.

Em Alegria a questão da aparência e da realidade que permeiam toda boa ficção continua em pauta. Assim como Macondo em Cem anos de solidão, de Gabriel Garcia Márquez, Alegria é uma ilha da imaginação. A narrativa passa da criação ao apocalipse cumprindo um ciclo de vida e morte, onde esta mostra suas múltiplas faces. A cidade é vitimada por uma epidemia de suicídio em massa de peixes que desencadeia o medo, a angústia, a tristeza, o desespero, a solidão e, consequentemente, o suicídio dos homens, que vai se transformar em epidemia por impotência diante de um fato inexplicável, onde “a morte alcança até quem não havia nascido” (p.107).

Assim como A peste, de Albert Camus, que serve de epígrafe em Alegria, a iminência da morte relembra ao homem a sua pequenez diante da finitude e o faz querer agarrar com todas as forças à vida, que teme perder a qualquer momento. O desespero das pessoas é narrado por um dos médicos da cidade que tenta amenizar os males sem sucesso, restando-lhe apenas a solidariedade e a compaixão.

A morte neste romance de Mahon é recorrente e faz com que o narrador vá refletindo sobre a postura do homem perante o mundo e a si próprio. Com seu senso de humanidade e/ou desumanidade vive toda tragédia e reflete: “Há solidão em qualquer lugar, não é preciso buscá-la, com tanto afinco. Na ilha estive nessas condições sem buscar por elas” (p.160). A ilha, então, vem ser a clausura do homem abandonado à própria sorte.

Nessa contação de história, cujo final nos desestabiliza, valemo-nos de Garcia Márquez em O amor no tempo do cólera, para também afirmar a suspeita de que em Alegria “é a vida, mais que a morte, a que não tem limites”.

* Profª. Drª Ana Lúcia G. S. Rabecchi é professora da UNEMAT – Cáceres.

Share Button

Até quem estava quieto se manifestou depois que a senadora Ana Amélia abriu a boca e confundiu (?) Al Jazeera com Al Qaeda: o Instituto de Cultura Árabe divulga nota de repúdio

Nota de repúdio às declarações da senadora Ana Amélia sobre os árabes

O Instituto da Cultura Árabe repudia veementemente a declaração da senadora Ana Amélia (PP-RS) em sessão do Senado transmitida pela TV que, ao criticar um depoimento da senadora Gleisi Hoffmann sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à rede de televisão Al Jazeera, relacionou a emissora a grupos terroristas.

A Al Jazeera é um dos grupos de comunicação mais respeitados do planeta. Além de praticar um jornalismo que serve de referência, entrevista e promove reportagens com líderes, artistas, intelectuais e ativistas que se identificam com a luta em defesa dos direitos humanos, respeitando a diversidade de opiniões.

Relacionar uma emissora de TV do mundo árabe a grupos terroristas, além de demonstração de desconhecimento em relação aos países árabes, é prática explícita de preconceito racial e islamofobia. A Constituição brasileira é clara quanto aos delitos de racismo e discriminação e quaisquer formas de sistemas religiosos e profissões de fé. Partindo de uma senadora da República, constitui-se em um constrangimento ainda maior para nossa a sociedade.

O Brasil historicamente é destino de imigrantes de diversas partes do mundo, entre eles, os árabes. Os imigrantes sempre viram no país um local acolhedor para recomeçarem suas vidas. Seu legado está presente em todas as áreas do conhecimento e na construção do próprio país.

Temos certeza de que a sociedade brasileira em geral não aceita e não compactua com atos dessa natureza, que incitam crimes de ódio, abrindo-se as portas à barbárie.

O ICArabe, organização autônoma, laica, de caráter científico e cultural, trabalha desde sua concepção para desconstruir esses estereótipos, via promoção e divulgação da rica cultura árabe. Valorizamos o caminho da harmonia entre as comunidades e entre os povos e o respeito às diferenças. Acreditamos que a integração entre as culturas e o diálogo são essenciais, assim como o respeito aos direitos humanos de todas as pessoas, brasileiras ou não.

O incentivo a práticas preconceituosas, de qualquer natureza, e a difusão do discurso do ódio constituem atos hediondos e instrumentos de fragmentação e de segregação de um povo conhecido em todo mundo por sua união e amabilidade nas relações com todas as etnias de sua constituição.

Diretoria do Instituto da Cultura Árabe

Share Button

Lula manda uma mensagem aos acampados em Curitiba pelo #LulaLivre

 

Share Button

Agora estamos sem Dona Ivone Lara, autora de “Sonho Meu”

Aos 97 anos, morre no Rio a sambista Dona Ivone Lara

A sambista Dona Ivone Lara morreu na noite desta segunda-feira (16)  Portal Brasil – Foto: Divulgação

Por Vitor Abdala, da Agência Brasil | A cantora e compositora Dona Ivone Lara morreu na noite de ontem (16), aos 97 anos, no Rio de Janeiro. Ela estava internada desde a última sexta-feira (13)  no Centro de Tratamento e Terapia Intensiva (CTI) da Coordenação de Emergência Regional (CER), no Leblon, com um quadro de anemia.

O corpo será velado na quadra da Império Serrano, sua escola do coração, em Madureira, na zona norte da cidade. O sepultamento está marcado para a tarde, no cemitério de Inhaúma.

A Portela, outra escola tradicional de Madureira, divulgou nota chamando dona Ivone Lara de “patrimônio do Império, da Portela e da cultura brasileira”. Considerada um dos maiores nomes da música popular brasileira em todos os tempos, a cantora sempre foi muito ligada também aos compositores da Portela. Era grande amiga de Candeia, Monarco e Paulinho da Viola, por exemplo.

O sambista Dudu Nobre usou o seu perfil no facebook para homenagear a artista. “Obrigado por tudo dona Ivone Lara. As bênçãos, os ensinamentos,as conversas, os sambas, a poesia. Descanse em paz, Grande Dama do Samba”.

Nascida em 13 de abril de 1921, no Rio de Janeiro, dona Ivone Lara compôs seu primeiro samba aos 12 anos, “Tiê, tiê“, depois de ganhar de seus primos um pássaro da espécie tiê.

Aprendeu a tocar cavaquinho com o tio  Dionísio Bento da Silva, que tocava violão de sete cordas e integrava o grupo de chorões que reunia Pixinguinha e Donga.

Sua primeira escola de samba foi a Prazer da Serrinha, que começou a frequentar em 1945 e para quem compunha sambas que eram assinados pelo seu primo Fuleiro, devido ao preconceito contra as mulheres que existia nas agremiações naquela época.

Enfermeira e assistente social, trabalhou com pacientes que tinham doença mental. Ingressou na Império Serrano em 1965 e gravou seu primeiro disco, “Samba minha verdade, samba minha raiz”, em 1974. Ao se aposentar da área da saúde em 1977, passou a se dedicar integralmente à música.

Entre suas composições mais conhecidas estão Sonho meu e Acreditar, ambos em parceria com Délcio Carvalho.

Source: Aos 97 anos, morre no Rio a sambista Dona Ivone Lara | Agência Brasil – Últimas notícias do Brasil e do mundo

Share Button

A foto que denuncia que Lula é Lula viralizou

 

Share Button

“Deus nos proteja dos bons, que dos maus, protejo eu”, diz o dito popular

Deus me proteja de mim

Chico César

Deus me proteja de mim e da maldade de gente boa.
Da bondade da pessoa ruim
Deus me governe e guarde ilumine e zele assim

Caminho se conhece andando, então vez em quando é bom se perder
Perdido fica perguntando, vai só procurando e acha sem saber

Perigo é se encontrar perdido, deixar sem ter sido, não olhar, não ver
Bom mesmo é ter sexto sentido, sair distraído espalhar bem-querer

Share Button

Arena Pantanal evidencia desde logo a necessidade de criação de uma estrutura especializada para sua gestão e garantir uma agenda mínima de eventos esportivos, culturais e outros

A Arena e os Laudos    

    José Antônio Lemos | Recordo minha surpresa quando vi a Arena Pantanal resplandecente em seu primeiro teste de iluminação. Foi da varanda de meu apartamento. Maravilhado com aquela imagem fantástica subitamente engastada entre as luzes da noite cuiabana escrevi o artigo “A nave pousou”, em 25 de março de 2014, há 4 anos. Não me ocorria melhor comparação do que uma espaçonave daquelas de Spielberg ou talvez Flash Gordon. Espetacular! Aliás, foi considerada uma das arenas mais espetaculares do mundo pelo jornal espanhol El Gol Digital, de Bilbao, cidade que entende do assunto pois abriga alguns dos mais importantes exemplos da arquitetura contemporânea.

    “Mas para essa nave voar e trazer seus benefícios é preciso antes entendê-la e aprender pilotá-la” previa o artigo, aprofundando em reflexões sobre suas enormes potencialidades e dificuldades. As arenas modernas não são só um estádio de futebol, mas um equipamento multiuso, um novo tipo de edifício resultante das demandas e possibilidades do mundo moderno com o avião a jato, a internet, a fibra ótica e a TV via cabo e satélite. São filhas do tempo atual, irmã da nossa fantástica agropecuária high tech, que alimenta boa parte do mundo e segura a balança comercial brasileira. São complexas plataformas midiáticas globais para eventos que extrapolam o interesse local e podem chegar ao nível da audiência planetária, como numa Copa do Mundo ou num show do Rolling Stones, através da TV via satélite.

    A viabilidade das arenas está em plateias nacionais ou mundiais via direitos de transmissão, publicidade e pacotes de viagens, não mais só pelas bilheterias locais. Assim, transformam-se em poderosas ferramentas de desenvolvimento não só na área do esporte, mas no turismo, educação, saúde e até na segurança pública, tema tão cruel e desafiador no Brasil atual. O esporte é uma das formas mais sublimes de expressão da vida e, investir no esporte é investir na vida saudável, pois o corpo é seu principal instrumento, sem espaço para as drogas e os outros descaminhos da violência, do crime e da degradação humana. Além disso, o esporte é uma das mercadorias mais valorizadas e consumidas no planeta, um mercado de trabalho fascinante aos jovens acenando-lhes como um caminho de realização profissional e pessoal, o único competitivo frente às tentações fáceis do mundo do crime.

    Assim, a Arena Pantanal me atrai não só como arquitetura, mas como uma poderosa arma de desenvolvimento social que nos  custou muito caro e urge ser aproveitada. Só que as arenas são instalações enormes, sofisticadas e complexas. Eram previsíveis muitas dificuldades de gestão, em especial para a Arena Pantanal, evidenciando desde logo a necessidade de criação de uma estrutura especializada para sua gestão, privatizada ou não. De outra forma, como garantir uma agenda mínima de eventos esportivos, culturais e outros de interesse nacional ou internacional capazes de viabilizar o complexo? E como garantir o constante funcionamento, limpeza e manutenção desse equipamento que envolve grandes extensões de pisos, milhares de assentos, instalações sanitárias, placas solares, redes de TIC, iluminação interna e externa, sonorização, telões, catracas eletrônicas, sistemas de segurança, e mesmo o gramado, seu principal palco, que deve permanecer sempre dentro dos elevados padrões internacionais?

    Qual o quê! Apesar de algumas interessantes iniciativas avulsas no último ano, é triste ver que até hoje os responsáveis pela Arena Pantanal não conseguem providenciar os simples laudos técnicos anuais para seu funcionamento contínuo, como faz qualquer boteco ou bolicho de ponta de rua. Triste, parece que nossa nave pousou em terra errada.

Share Button

José Lemos: Ainda que os investimentos da Copa 2014 não tenham sido concluídos totalmente Cuiabá sem dúvida deu um salto em termos de estrutura urbanística e prestação de serviços urbanos

Atrás da Copa América

Por José Antônio Lemos | Semana passada foi noticiado o interesse da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer do Estado em pleitear para a Arena Pantanal ao menos uma fase da Copa América. Noticiou-se também a visita do prefeito de Cuiabá à CBF oferecendo a cidade como alternativa para grandes eventos daquela entidade. Mesmo com mínimas chances quanto a Copa América pelo número restrito de sedes, trata-se de pleitos justos e válidos, afinal Cuiabá acolheu com total sucesso uma das sedes da Copa do Mundo de 2014 sob os olhos do Brasil e do planeta. Para esse êxito recebeu seu maior pacote de investimentos públicos e privados concentrados em curto espaço de tempo, e impôs uma dose muito grande de desconforto urbano para sua população com o intuito de se preparar em termos de infraestrutura para o grande evento.

Ainda que tais investimentos não tenham sido concluídos totalmente por problemas diversos, a cidade sem dúvida deu um salto em termos de estrutura urbanística e prestação de serviços urbanos.  Depois de todo esse esforço, que continua na conclusão de parte das obras e no pagamento das dívidas, nada mais natural e até imperativo que as autoridades do estado, de Cuiabá e Várzea Grande (no mínimo), e as entidades civis ligadas ao comércio e ao trade turístico busquem, promovam e fomentem eventos de médio e grande porte, não só futebolísticos, capazes de otimizar a infraestrutura disponível gerando trabalho, empregos e renda. O setor hoteleiro por exemplo dobrou sua capacidade confiando em um esforço institucional pós-Copa na promoção do turismo no estado, o que não aconteceu.

    Hoje, às vésperas de comemorar 300 anos Cuiabá dispõe de um aeroporto com capacidade triplicada em relação ao período pré-Copa, um sistema viário com grandes melhorias, um ótimo centro de convenções, uma rede hoteleira, de restaurantes e bares de alta qualidade e sofisticação, belos parques urbanos e uma fantástica Arena Pantanal de fazer inveja a muitos lugares do mundo. Tudo isso em meio às atrações do Pantanal, do Cerrado, da Amazônia, da Chapada, das “plantations high-tech”, das águas termais e de um calor sadio inigualável. Sempre disse meio brincando, meio a sério que a Copa do Pantanal foi um artifício do Senhor Bom Jesus de Cuiabá para preparar sua cidade para as festas de seu Tricentenário. E foi. Ainda pode dar certo com um pouquinho de ajuda das autoridades, das lideranças locais e nossa.

    Assim, o correto é que o pessoal daqui corra atrás de eventos importantes que tragam público e dinheiro, promovendo o nome da cidade e do estado na maior amplitude nacional e global possível. Daí a importância da manifestação do interesse da secretaria estadual no sentido da pré-candidatura da Arena Pantanal como um dos palcos da Copa América no ano que vem, ano do Tricentenário de Cuiabá, o que seria mais um argumento favorável à pretensão. Daí a importância também da visita do prefeito de Cuiabá à CBF. Estranha-se até agora o silêncio dos demais setores governamentais e entidades civis ligadas ao comércio e ao turismo no estado e em Cuiabá e Várzea Grande.

    Uma importante informação para concluir. No sábado passado o jogo Flamengo x Botafogo com times titulares no Engenhão, Rio de Janeiro, contou com 7.126 pagantes e uma renda de pouco mais de 200 mil reais. No sábado anterior na Arena Pantanal o Fluminense x Flamengo teve 15.884, mais que o dobro, rendendo quase 1 milhão de reais, quase 5 vezes mais, mesmo tendo sido um jogo confirmado de última hora, numa semana de chuvas constantes em Cuiabá, inclusive no dia e o Flamengo anunciando aos 4 ventos que jogaria com time totalmente reserva. Ainda assim, tem gente que achou um fiasco o Fla x Flu do Pantanal.

Share Button

Eduardo Mahon faz a primeira noite de autógrafos da maratona de lançamentos de O Homem Binário em Santo Antônio de Leverger

Por João Bosquo | O lançamento do livro “O Homem Binário e Outras Memórias da Senhora Bertha Kowalski” e a apresentação do livro “Alegria”, ambos os dois romances do escritor Eduardo Mahon, na noite desta quinta-feira, primeiro de março, no município de Santo Antônio de Leverger, marca o início do ciclo de lançamentos e noite de autógrafos por diversas cidades de Mato Grosso, outros estados e países, como aconteceu no o livro anterior “Contos Estranhos”, que teve lançamentos em Sinop, Cáceres, Tangará da Serra, São Paulo, Mato Grosso do Sul e encerrou em Cuiabá, num grande evento, no Cine Teatro Cuiabá.

O lançamento em Santo Antônio tem também um componente histórico – segundo os presentes – foi E primeira vez que um autor faz o lançamento na terra natal de Cândido Mariano da Silva Rondon, o nosso Marechal Rondon, do poeta Benedito Santana da Silva Freire e, claro, sem esquecer o escritor e dramaturgo Luiz Carlos Ribeiro.

A noite de autógrafos aconteceu na Câmara de Vereadores do município com a presença de autoridades e um grande número de estudantes da escola estadual de ensino. O projeto Arte Cidadão, com apenas um violão e trompete, fez a parte musical.

O deputado Allan Kardec, presente no evento, foi o convidado pelo cerimonial para saudar o escritor Eduardo Mahon. Em sua fala o deputado destacou que a terra de Leverger, o Barão de Melgaço, é rica em tradição e cultura, mas que esta era a primeira vez que acontecia um lançamento literário na cidade.

A primeira-dama, Thayane Castro, fez um emocionado depoimento contando como foi o seu primeiro contato com a literatura. Depois destacou o trabalho do Centro de Convivência de Idosos (CCI) que vem desenvolvendo atividades voltadas para a cultura.

A professora Kelly Carvalho, coordenadora do evento, apresentou a aluna Juliana Dias, que recitou um trecho livro “O Homem Binário”, enquanto ela destacou a importância de se celebrar o livro. “É uma oportunidade sem precedente, que deveria se repetir mais vezes”.

O candidato… ops, o escritor Eduardo Mahon, de forma bem humorada disse que não estava lançando o livro, mas sim sua candidatura ao governo de Mato Grosso. Vai que alguém acredita e resolve lança-lo de verdade. A janela de filiação ainda está aberta.

Voltando aos livros: Mahon fez um rápido resumo das histórias tanto de “O Homem Binário” e de “Alegria”, explicando que o segundo livro é uma coedição, portanto o lançamento seria distinto e ali era uma espécie de apresentação.

Os jovens alunos que fizeram fila para o autógrafo e um registro fotográfico junto com o escritor, por certo vai gostar da história. Segundo a professora Icleia Gomes, no posfácio do “O Homem Binário”, “o romance de Mahon levado à escola muito provavelmente estará ao gosto dos jovens leitores”.

Share Button

Entre aspas: Blairo Maggi escapou da primeira, safou-se da segunda, mas agora a PF diz que HÁ indícios de embaraços à operação Ararath por parte do senador

><>O senador licenciado, ex-governador de Mato Grosso e ministro da Agricultura do governo golpista de Michel Temer será réu no conjunto dos processos da operação Ararath.
A PF finalmente descobriu “indícios suficientes” que indicam que o indigitado agiu para embaraçar as investigações.
Matéria no site “Ponto na Curva”, assinada pela jornalista Antonielle Costa.

Abre aspas:

PF diz que há indícios suficientes de que Maggi atuou para embaraçar a Ararath
O relatório da PF traz que as constatações decorrentes do material apreendido durante as buscas envolvendo o ministro são harmônicas com as informações prestadas pelos colaboradores

Eder Moraes e Blairo Maggi observam Silval Barbosa

Por Antonielle Costa | A Polícia Federal concluiu, em relatório parcial, pela existência de “indícios suficientes e aptos a justificar a continuidade e aprofundamento das investigações em relação a conduta de Blairo Borges Maggi”, após a deflagração da Operação Malebolge, em setembro do ano passado.

O ministro da Agricultura é acusado de “embaraço a investigação de infração penal envolvendo organização criminosa e corrupção de testemunha” juntamente com mais sete pessoas, no bojo de um inquérito que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF).

O relatório da PF traz que as constatações decorrentes do material apreendido durante as buscas envolvendo o ministro são harmônicas com as informações prestadas pelos colaboradores, neste caso, o ex-governador Silval Barbosa e seu ex-chefe de gabinete, Silvio César.

Em suas delações, Silval e Silvio afirmaram que Maggi juntamente com o primeiro colaborador teriam pagado a quantia de R$ 6 milhões ao ex-secretário de Estado, Éder Moraes Dias, no ano de 2014, a fim de que este se retratasse dos depoimentos que prestou perante o Ministério Público de Mato Grosso no início do mesmo ano.

Silval revelou que sua parte foi paga com recursos oriundos de propina paga pela empresa Três Irmãos Engenharia. Já de Maggi por um empresário.

“Nesse contexto, foi realizada a análise de parte dos documentos apreendidos nas sedes das empresas do grupo, a qual se encontra consubstanciada nos Relatórios de Análise 005/2017 e 008/2017- GT/ARARATH/SR/PF/MT, os quais, em razão da pertinência com o Caso I, foram juntados a estes autos. Nos documentos acima, foram constatadas operações suspeitas que devem ser aprofundadas e que também são consentâneas com o contexto apresentado pelo ex-governador Silval Barbosa”, diz um trecho do relatório.

Leia mais no site Ponto na Curva: PF diz que há indícios suficientes de que Maggi atuou para embaraçar a Ararath | Ponto na Curva

“>

Share Button
2

Teatro de Mato Grosso nunca mais será o mesmo sem Luiz Carlos Ribeiro

Morte do mítico ator de Rio Abaixo, Rio Acima, de Gloria Albuês, está sendo chorada por seus amigos, colegas e admiradores

Por João Bosquo | Luiz Carlos Ribeiro não está mais em carne e osso entre nós, no entanto permanece, pois permanecer é a sina de todo grande artista, na memória coletiva de sua gente de seus amigos, afetos e – porque não – desafetos. Permanece na lembrança de cada cena, na sutileza do gesto teatral, do olhar e jeito de ver o teatro como instrumento de sensibilização da alma de um povo, de uma gente, de uma comunidade, de um estado, de um país. “Fica, Pedro!”, escrito em parceria com Flávio Ferreira, tem muito disso, do pulsar de denuncia social que toda grande obra deve ter.

Neste tributo a Luiz Carlos Ribeiro o olhar de cada um é um olhar particular, pessoal, daquilo que conseguimos enxergar num dado momento de nossas vidas e, por isso mesmo, o que mais amamos, sem que ninguém esteja certo absolutamente, mas ninguém está errado, pois não conseguimos absorver a humanidade em sua integridade. Bem como o pensar a cultura, o nosso bem maior.

Ivan Belém, ator e ativista, um dos criadores do Gambiarra: Luiz foi um dos principais líderes do movimento teatral organizado de Mato Grosso, atuando de forma a questionar as questões políticas e sociais e combater a ditadura militar. Ele tinha um escritório no calçadão de baixo. Era ali que nós artistas nos reuníamos frequentemente. Tinha uma preocupação com a nossa identidade e com a ocupação desordenada de nosso território. Protestava contra a indústria cultural, e contra a ideia da arte pela arte. Atuou muito na interiorização do teatro e na luta por uma dramaturgia que bebesse nas fontes da cultura popular mato-grossense, valorizando o siriri, o cururu, o Boi-à-Serra. Tudo isso fruto das suas origens em Santo Antônio de Leverger. Com isso, popularizou o teatro e deu à ele uma cara e um conteúdo local. Foi um dos autores mais escreveu peças para o Grupo Gambiarra, e para a dupla Liu Arruda e Ivan Belém. Em novembro do ano passado estreei uma remontagem da sua peça “Vespa 7”, à qual ele assistiu e saiu muito feliz com o que viu. Deixou um grande legado e uma grande quantidade de textos teatrais inéditos. Nós artistas e o povo mato-grossense, devemos muito a ele. Enfim, Luiz Carlos Ribeiro foi imprescindível”!

Clóvis Matos, do Inclusão Literária, afirma que “Luiz Carlos Ribeiro foi uma das poucas pessoas que todos chamavam pelo nome todo. Nome forte, marcante, como foram suas vidas, o homem e o criador. Bom e velho companheiro de algumas andanças com o Inclusão Literária pelas estradas desta nossa terra, onde o Mato é Grosso, mas, sua gente é sensível e criativa como o foi LUIZ CARLOS RIBEIRO”

O ator e comunicador Vital Siqueira reconhece que “Luiz é ilustre brasileiro que nasceu em Santo Antônio de Leverger e já brilhava desde criança. Estudou, desenvolveu o dom que Deus lhe deu. Se lapidou nos trilhos árduo do mundo artístico. Deixou um rico legado e foi brilhar em outras “Ribaltas”. A sua passagem telúrica ficou marcada! Vá em PAZ AMIGO!”.

Entre tantos trabalhos de mão dupla, idas e vindas, o Homem do Barranco, o poema dramático de Carlos Roberto Ferreira, está entre eles. Os dois no palco em diálogo, quando do retorno de Carlinhos aos palcos e agora nos revela que “Luiz Carlos Ribeiro é o ator mais pantaneiro do Mar de Xaraés. Luiz Carlos Ribeiro deixa o cerrado, pra viver eternamente no mundo do Pantanal. Advogado, Ator, Dramaturgo, Contador de causos e histórias, filho do Morro de Santo Antônio de Leverger, Luiz Carlos nos aplaude em pé, diante da ÚLTIMA CENA. O teatro e a cultura mato-grossense estão em luto. Mas as águas do Pantanal estão mais claras e mais brilhantes com o seu mais novo Embaixador Pantaneiro”.

Meire Pedroso, colega de palco e amiga e irmã na tradição cuiabana: “Eu passei pela vida de Luiz Ribeiro encantada pelo seu jeito de fazer teatro e por suas narrativas míticas. Em ‘Goodbay meu boizinho’ de sua autoria, guiada por sua sabedoria, eu reencontrei minhas raízes e retomei meu lugar no palco do Teatro cuiabano. A trajetória de Luiz cruza com a história dessa cidade e de seres da arte que nela habitam. Aqui, ele construiu personagens usando a emoção e a razão, contando causos pra espantar o medo do coração em tempos sombrios. Espero que os gestores de cultura saibam reverenciar com grandeza a sua importância para a memória cultural dessa Cuiabá e do Estado. Agora, resta pra nós, aprendizes de sua arte, puxar o mocho e prosear sobre as outras trezentas histórias dessa terra que já existia muito antes de Paschoal, muito antes de Sutil. Bem assim, como ele ensinou. E lá se foi… Quem conta um conto, aumenta um ponto”.

Lucia Palma, a nossa Cacilda Becker, que atuou junto com Luiz Carlos Ribeiro na mítica “Rio Abaixo, Rio Acima”, e ultimamente nos “Crônicos”, uma trupe de arte e humor, idealizada pela poeta Marília Beatriz de Figueiredo Leite. Em nossa conversa por WhatsApp, Lucia Palma diz que agora fica “matunano” em querer saber “quem me irá trazer aquelas mangas Rosa perpitas, do seu quintal? Apanhadas a mão cor você, Luiz? Não mais as longas conversas telefônicas três vezes ao dia, trocando ideias de artes, lembrando outras que fizemos no transcurso dos nossos longos anos de amizade. O ouvidor das minhas histórias, as últimas sobre um velório que fui e ele se esbaldava de rir e repetia: escreve Lúcia, escreve! As brigas eternas sobre qualquer bobagem, ficamos de mal: ‘Belém-Belém, nunca mais fico de bem’, como duas eternas crianças brincando de viver. Foi um prazer enorme Luiz Carlos Ribeiro, compartilhar tantas histórias, tantas vidas com você! Inté”.

E Marília Beatriz recita: “Luiz Carlos Ribeiro, expoente de nossa arte/cultura, mão doce para a colheita e justa para os desatinos escuta: o que você deixa é legado que como ressaltou Professor Dorileo ‘é difícil de aqui garimpar’ A estrada que ficou com a febre urgente de ganhar o fato cultural com suas idas e vindas na cena ou nas aulas ministradas ou nos sonhos, deve ser a bandeira que será conduzida.  Mas chegou sua hora concedida para o silêncio e à beatitude. Sobe os degraus é empurra a porta. Daqui para frente não tem que esperar incentivo de nada, agora tudo será amplidão e contemplação da VIA LÁCTEA, AMADO PARCEIRO”.

O poeta Aclyse Mattos diz que ficou “muito triste com a perda do grande Luiz Carlos Ribeiro!” e ao mesmo tempo lembra do último encontro, em 7 de dezembro, num evento literário na terra natal de Luiz Carlos Ribeiro. “Quando estivemos em Santo Antônio ele contou com orgulho do início no Teatro naquele mesmo palco. E na abertura da exposição Manoel de Barros nos brindou com um show de poesia acompanhado pelo Pescuma. O Teatro e as Artes de Mato Grosso devem muito a ele!”

A professora de dança Maria Hercília Panosso: “A princípio nossos caminhos eram paralelos. Foi uma longa jornada para que me chamasse de “Diva Madrinha”, neste ano que se passou. Emocionada agradeci e você me respondeu: ‘pela sua generosidade Maria Hercília’. Luiz Carlos Ribeiro. Esta sua ausência tão inesperada pegou-nos de surpresa e levou-me a reflexão de que não ha espaço e tempo no coração de nós, artistas. Somos o que somos e o que representamos em cena ou pela vida afora. A peça tanto queria, com certeza ira acontecer agora. Grande homem! Grande Mestre! Grande Amigo. Te sinto ao meu lado e assim, permaneceras”.

Carlos Gattass, o Carlão dos Bonecos, conta que tinha recém chegado em Cuiabá, no início da década de 80, e estava hospedado num dormitório, por nome Iporã, que fica na região central. Nesse mesmo hotel também estava hospedado Amauri Tangará. Os dois não se conheciam, não se falavam, nem davam bom dia. Bem, nesse período, no Colégio Estadual Liceu Cuiabano, estava sendo encenada a peça “Rio Abaixo, Rio Acima”.  Carlão conta que foi até lá pra assistir ao teatro. Antes, porém passou no Bar do Sinfrônio, que ficava de fronte do colégio. Lá estavam dois jovens senhores conversando sobre teatro. Um deles era o hóspede da pensão Iporã e o outro era o protagonista da peça: Luiz Carlos Ribeiro. “Comecei no teatro pelas mãos de Amauri Tangará, ao mesmo tempo conheci LCR”, destaca.

O escritor e acadêmico Eduardo Mahon, além do pesar pelo passamento artista, já está em luta contra a segunda morte, a do esquecimento. “Morreu Luiz Carlos Ribeiro. Mas, aqui em Cuiabá, é possível que o nosso grande teatrólogo morra uma segunda vez. Ou ainda, cumprindo o vaticínio de Estevão de Mendonça, morra para sempre. É que Luiz Carlos legou literatura e teatro para seu Estado. Importa agora saber como vamos honrar a produção de um dos maiores dramaturgos de Mato Grosso. Será lido? Será encenado? Por essas e outras, quero relembrar nossa batalha de incluir no curriculum escolar da rede pública de ensino a literatura produzida por nossos autores. Somente assim, não perderemos Luiz Carlos e tantos outros artistas que viverão em nossos sonhos, ajudando essa nova e trôpega civilização tão carente da luz que emanam”.

Sandro Lucose nos conta a sua última com o colega de arte: “Luiz sempre foi um ator maduro que sempre gostei de ver em cena e de conversar. Tive o privilégio de contracenar com ele em no filme “Khora”, direção de Duflair Barradas, que ainda será lançado. Nesse filme Luiz interpreta brilhantemente um cidadão Cuiabano que fica desnorteado com a verticalização da capital mato-grossense e não sabe que o estádio do Verdão foi demolido. Luiz fez comigo uma cena que é um plano sequência de atropelamento. Nunca mais esquecerei deste dia de filmagem e o que é melhor será eternizado pelo cinema mato-grossense”.

O jornalista e produtor, Luiz Marchetti: Muito do que ha em Mato Grosso, nos teatros, filmes e textos, tem um pouco do respeito conquistado por ele. Desde guri, em Cuiabá, eu acompanho Luiz Carlos Ribeiro como referencia essencial nas nossas artes. Como filho da atriz Wanda Marchetti, cresci aplaudindo Luiz Carlos em pé. Tive a sorte de bate papos incríveis e a eterna gratidão de dirigi-lo nos mais diferentes formatos, apresentações teatrais, vídeos, performances e mais recentemente no filme BALA PERDIDA, da dupla NICO E LAU. Um HOMEM DE TEATRO que por onde andou, plantou confiança e crença no/s artista/s ao lado. Nesta sociedade onde migalhas são atiradas para a indústria criativa, muitos artistas acabam se especializando no engalfinhar, no desdenhar do próximo pra se manter respirando, LUIZ CARLOS RIBEIRO foi impecável, sendo agregador, apaziguador e criativo.

O compositor e cantor Pescuma, que trabalhou junto na abertura da exposição sobre Manuel de Barros, escreve em música “um poeta não morre. Já nasce imortal! Principalmente se recebe de Deus alma linda igual o Pantanal” e por fim confessa “Pude conviver com o amigo, irmão e mestre das artes Luiz Carlos Ribeiro na vida e nos palcos. Um exemplo de ser humano e de artista: Generoso, sábio, apaixonado pela cultura de nossa terra”.

O presidente da Academia Mato-grossense de Letras, Sebastião Carlos, em manifestação nas redes sociais diz que “Pode ser um lugar comum, mas não há como deixar de repeti-lo num instante de lamento. O passamento de Luiz Carlos Ribeiro causa um vácuo em nossa escassa história do teatro em Mato Grosso”.

Raimundo Henrique, técnico em turismo e de assuntos culturais, na Casa da Cultura, sob Therezinha Arruda, hoje morando no Piauí, diz que “são tantas as lembranças que no momento, quilômetros distantes, aqui no planeta terra, nesta noite de 12 de janeiro de 2018, fitando no espaço infinito uma estrela distante, brilhando, para ela aceno, digo: “sempre foste uma estrela, estavas desgarrado, felicidade amigo, nos ilumine como sempre ocorreu”.

Flávio Ferreira nos descreve, enfim, a Cena Final: “A GRANDE VIAGEM DE LUIZ CARLOS RIBEIRO – Luiz foi meu professor de teatro e de vida! Em rio abaixo, rio acima me apaixonei pela sua linguagem simples e bela. Com Luiz aprendi a dirigir, a escrever e a sonhar. Juntos escrevemos “Fica, Pedro!” Juntos sonhamos com um teatro rebelde, generoso e forte! Ficou um pouco do Luiz em mim e no Cena Onze. E Luiz pegou sua mala de fugir e viajou! Adeus amigo querido. Que o Mestre Jesus o acolha!”

(Texto modificado em 17/01/18)

 

Vai Luiz

Carlos Roberto Ferreira

Vai Luiz Carlos Ribeiro

Vai Dginho

Vai amigo-irmão-camarada de todas as horas

Atravesse as águas do Pantanal

Junte-se ao nosso Demiurgo Embaixador das Coisas do

Chão, Manoel de Barros

E gritem bem alto: que “o Pantanal não tem limites”!

Até logo, companheiro

Até então…

Adiante com o remo

Até mais tarde, talvez

Até um dia, quem sabe

Mas não teremos um ADEUS

Pois as cortinas do teatro, pra você, nunca estarão fechadas

Os aplausos serão e t e r n o s!

LEIA TAMBÉM:

Agora estamos sem Luiz Carlos Ribeiro, um dos homens mais completos do teatro mato-grossense, quiçá brasileiro

Luiz Carlos Ribeiro e Flávio Ferreira lançam livro “Fica Pedro” sobre a vida de Dom Pedro Casaldáliga

 

Share Button

Entre aspas: A prova definitiva contra a Globo, por Anthony Garotinho

Por Anthony Garotinho | Até há pouco tempo eu mesmo cheguei a duvidar se conseguiriam pegar Ricardo Teixeira, Marco Polo Del Nero, Marcelo Campos Pinto e os irmãos Marinho. Mas com o desespero que tomou conta dos advogados de José Maria Marin, após sua condenação, não há mais dúvida. Cairão um por um dos dirigentes das confederações sul-americanas, inclusive alguns ex-presidentes, entre eles o mais “notável” e esperto, Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, além de atingir a própria cúpula da FIFA. A investigação chegou na seguinte situação:

Marin para não pagar a conta sozinho começou a acusar Del Nero, que por sua vez está entregando Ricardo Teixeira, que por sua vez está entregando seus antigos companheiros de longa data dos esquemas de propina que envolveram dirigentes de vários países do mundo.

Agora com a delação de J. Hawilla e Alejandro Burzaco, mostrando o caminho do dinheiro até as contas da T&T e de Júlio Grondona, ex-presidente da Associação de Futebol Argentina, é hora da Globo parar de mentir.

Nas reportagens que faz sobre o Fifagate, onde só para garantir o direito de exclusividade na transmissão das copas de 2026 e 2030, mais torneios sul-americanos, a Globo está pagando propina de R$ 50 milhões, é hora de parar com o cinismo de dizer que a empresa “não sabia de nada.”

Está tudo lá bem explicadinho nos documentos do Tribunal do Brooklyn (Nova Iorque): “Os direitos foram transmitidos à TeleGlobo no Brasil. Para isso a T&T Netherland recolheria da TeleGlobo e usaria parte dos fundos para pagar subornos”. Essa é só uma das acusações de Alejandro Burzaco. Ele afirma ainda que os preços dos direitos de transmissão foram colocados abaixo do valor real de mercado, para que houvesse espaço para propina. O depoimento dele somado ao de Marin, junto com os documentos enviados pela Promotoria da Suíça são arrasadores para a Globo. Está bem detalhado como Ricardo Texeira, José Maria Marin e Marco Polo Del Nero receberam milhões pela transmissão de jogos da seleção brasileira, da Copa do Mundo, da Copa América e outros eventos. Só na Copa América de 2015, Teixeira, Marin e Del Nero receberam R$ 10 milhões.

Se os investigadores entrarem no trabalho feito pela Promotoria da Suíça vão chegar em João Havelange, aliás considerado o “pai da propina”. O promotor suíço que investigou Teixeira e Havelange encontrou as empresas pelas quais os dois cartolas receberam milhões de dólares ao longo de pelo menos 20 anos. Como explica bem o promotor suíço, e agora confirmado pelas investigações americanas, não existe propina recebida sem pagador. Claro que Marcelo Campos Pinto, ex-diretor de Esporte da Globo, nunca comprou direitos de transmissão para si nem muito menos usando o próprio dinheiro. A Globo agora está lascada. O próximo caminho da Justiça dos Estados Unidos é fazer o que a Suíça infelizmente não fez. Lá a FIFA, sob o comando de Joseph Blatter, escalou um batalhão de advogados para defender Ricardo Teixeira, e ele deve pagar apenas uma multa de US$ 2,5 milhões. Já a Justiça americana deve indiciá-lo juntamente com Marco Polo Del Nero e mais uma gama de dirigentes esportivos. O indiciamento está muito próximo, e já prevendo que sua pena será longa, já que diversos delatores estão envolvendo seu nome e de seu ex-sogro João Havelange, Teixeira sabe que só escapará se fizer o que J. Hawilla fez, delatar e pagar uma multa bilionária. É bom lembrar que J. Hawilla, o ex-sócio da Globo está pagando uma multa de R$ 500 milhões para cumprir prisão domiciliar nos Estados Unidos. Dinheiro nunca foi problema para Ricardo Teixeira. Suas fazendas, apartamentos em Paris, mansão na Flórida e outros bens garantirão o cumprimento das obrigações que virão da Justiça americana.

A delação é que está deixando-o numa encruzilhada. Ele terá que entregar décadas de negociatas de bastidores com a família Marinho, iniciadas quando a Globo ganhou de João Havelange os direitos de transmissão da Copa do Mundo da Argentina de 1978, portanto há 40 anos atrás. Resta saber se a Justiça brasileira fará alguma coisa, ou ficará assistindo de camarote a Justiça americana mostrar a vergonha ocorrida durante décadas, que destruiu o futebol brasileiro. É bom lembrar que a Copa do Mundo foi o escândalo que todos nós sabemos. Até hoje o Brasil, especialmente o Rio paga a conta da farra que consumiu bilhões de reais. Como castigo terminou no vexaminoso 7 a 1 da Alemanha. É importante ressaltar que o julgamento nos Estado Unidos está sendo conduzido pelos departamentos de Justiça e do Tesouro, por meio do FBI, e revela crimes de extorsão, organização mafiosa, fraudes financeiras e lavagem de dinheiro. A juíza do caso, Pamela Schen, não está livrando a cara da Fox Sports americana, da Televisa mexicana, da MediaPro, da Espanha, por que livraria a cara da Globo?

Nos depoimentos as afirmações contra a Globo são contundentes e não há escapatória para a empresa que só na última Copa do Mundo, enquanto governos estaduais e o governo federal ficaram mergulhados em dívidas, no caso do Rio sacrificando até salários de servidores, recebeu mais de R$ 2,853 bilhões em patrocínios, além de vergonhosos R$ 30 milhões, doados pelo Governo do Rio e Prefeitura do Rio, leia-se Sérgio Cabral e Eduardo Paes, para transmissão do sorteio dos grupos da competição, realizado na Marina da Glória. A Globo detém 57% das ações da Geo Eventos, e a RBS, sua afiliada no sul, outros 35%, ou seja 92% da Geo Eventos, que ficou com grande parte da grana da Copa também foi parar na mão da Globo.

Não tem desculpa. Assim como a quadrilha liderada há 40 anos por João Havelange, que teve como sucessor Ricardo Teixeira, a Globo é propineira, e quem diz isso não é um juiz de primeira instância, mas investigações independentes feitas fora do Brasil, porque em terras brasileiras juízes decidem como numa escabrosa sentença onde o magistrado ao mandar trancar um processo que investiga a CBF termina com a seguinte pérola: “O que importa é que o futebol é a nossa paixão e agora somos penta”. Acreditem, mas é verdade, está tudo nos anais da Justiça do Rio.

Source: Blog do Garotinho – A prova definitiva contra a Globo

Share Button

Leonel Brizola antes e depois de tudo um brasileiro

Daqui uns anos, quando todas as paixões serenar, vamos reconhecer que Leonel Brizola foi um dos maiores gênios da política nacional, apenas um simples e singelo dado: como governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro foi o que mais investiu na educação.

A educação é melhor caminho para evolução d segurança pública, o melhor caminho para a manutenção da saúde e o melhor – talvez único – caminho para acabar com a corrupção.

A Rede Globo sabia e sabe disso, por isso mesmo lutava com todas as armas e baixarias para impedir a ascensão  de Brizola ao poder.

Lula não tem essa compreensão da educação, por isso deixou a Educação Básica meio que ao léu e investiu de forma significativa no Ensino Superior. Não está errado. A Educação Básica e o Ensino Médio necessitam de um carinho especial daí é fundamental separar o Ensino Superior do Ministério da Educação, com exceção dos cursos de licenciatura, os demais cursos podem ficar sob o guarda-chuva, por exemplo, do Ministério das Ciências e Tecnologias e os cursos das áreas médicas sob o Ministério da Saúde.

Share Button

Professora Elizabeth Madureira fala do seu novo livro “História de Mato Grosso”

Entrevista conduzida pelo repórter Enock Cavalcanti

Share Button

A premiação e lançamento das obras do 2º prêmio será no dia 25

A Secretaria de Estado de Cultura divulgou nesta manhã, por meio de sua assessoria, que premiação e lançamento das obras do 2º prêmio será no dia 25 de outubro, às 19h30 no auditório Cloves Vetoratto, no Palácio Paiaguás, como nas vezes anteriores.

Os vencedores do certame foram anunciados em fevereiro. Depois de idas e vindas, os escritores ficaram entusiasmados, diria até eufóricos, enfim tornariam público os seus trabalhos, com o anúncio que o mesmo aconteceria no dia 20, sexta-feira, dentro programação da LiteraMato.

Eis que vem a bomba do feriadão e o cancelamento do evento, que também prometia ser o grande acontecimento literário de 2017, quiçá da década.

Quando seria a entrega dos prêmios e cheques aos vencedores do II Prêmio MT Literatura? Era a pergunta que não queria calar, mas agora está respondida. \o/

Share Button

Minuta do edital do Prêmio MT de Literatura já está disponível para contribuição da sociedade; o prazo termina dia 30

O certame busca incentivar a produção literária em Mato Grosso – Foto por: Junior Silgueiro/GCom-MT

Da Assessoria | Já está disponível para consulta pública a minuta do edital do Prêmio Mato Grosso de Literatura 2017. Interessados podem ter acesso ao conteúdo e contribuir com críticas e sugestões até o dia 30 de outubro no site Participação Social.

O Prêmio Mato Grosso de Literatura é uma iniciativa do Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC-MT), e faz parte do Plano Estadual de Cultura que visa fortalecer e descentralizar as políticas públicas, fomentar a cultura de forma ampla por meio da promoção e difusão da produção artística e cultural no Estado.

Esta será a terceira edição do certame que irá premiar 10 obras literárias nas seguintes categorias: duas em poesia, quatro em prosa, duas infanto juvenis e duas em revelação.

O valor total do prêmio é de R$ 300 mil, sendo R$ 30 mil para cada obra. As duas edições anteriores divulgaram os talentos de 20 escritores residentes em Mato Grosso, que tiveram seus livros inéditos publicados por meio do edital.

Fonte: Minuta do edital do Prêmio MT de Literatura já está disponível para contribuição da sociedade – Notícias – SEC

><> 

Share Button

Posse de Aclyse Mattos na AML foi uma noite de poesia

A festejada solenidade teve Casa Barão com lotação esgotada, tanto que muitos assistiram de pé

O auditório da AML lotou e muitos assistiram em pé – Foto: Facebook

Por João Bosquo e Enock Cavalcanti | A solenidade comandada pela professora Marilia Beatriz Figueiredo Leite, que está se despedindo do cargo de presidente, fechou com chave de ouro sua temporada à frente da Academia Mato-grossense de Letras , marcada pela ‘interminável’ reforma da Casa Barão de Melgaço. O mandato da atual presidenta se encerra em outubro e ela será sucedida pelo historiador e polemista Sebastião Carlos.

Os imortais mato-grossenses estavam, vamos combinar, alegres, daríamos esfuziantes com a chegada do novo acadêmico. Quem estava contrariada era a própria Marília Beatriz que foi orientada a não quebrar o protocolo e fazer o seu discurso devidamente sentada. Para quem não sabe a professora quando fala, em meio a sua fala, costuma meter cacos no texto digitado.

O poeta, letrista e compositor Moisés Martins – que agora também terá a companhia do também músico Aclyse Mattos, disse que “a AML estava de parabéns por receber um ilustre intelectual. Uma pessoa que vem para congregar mais ainda. Um jovem que vem oxigenar a nossa instituição”.

O intrépido acadêmico Eduardo Mahon, poeta, contista e romancista, ex-presidente da AML, destaca o fato de Aclyse Mattos estar adentrando a Casa Barão de Melgaço por ser um literato. “Como disse uma vez Vinicius de Morais: o que tinha de ser. O que tinha de ser dentro da academia era a literatura e é essa a nossa bandeira. Aclyse vem fortalecer o grupo da literatura. A Academia é o lugar de todas as letras, mas sobretudo da literatura”, declara.

O acadêmico José Cidalino Carrara disse que a “AML se engrandece com a aquisição de um poeta, de um intelectual de qualidades reconhecidas como de Aclyse. Fernando Tadeu, professor e pro-reitor de Cultura da UFMT, festejava o fato de ter estudado, quando adolescente, na mesma turma do novo imortal.

O deputado Alan Kardec, a reitora da UFMT, Myrian Serra e o secretário dos 300 anos, Junior Leite, ficaram no dispositivo das autoridades, ao lado dos acadêmicos. Izis Dorileo fez as honras do cerimonial. A PAGINA DO E fez transmissão ao vivo de parte do evento, que está lá, registrada no Facebook.

O poeta acadêmico Ivens Cuiabano Scaff, que está dentro dessa leva de novos membros literatos, foi quem fez o discurso de recepção e explicou que “não precisou escrever um ‘discurso’ mas apenas usar versos e mais versos do recém-chegado. E ao ler esses versos, Ivens confessava um ponta de inveja de querer escrever esta ou aquela tirada. É bom esclarecer que a inveja confessada não é pecado.

O empossado Aclyse Mattos, como regra da imortalidade das academias, lembrou de todos os antecessores da cadeira e, em especial, de Rubens de Castro, o Baiano, que veio para Corumbá e adotou com sua cidade natal. Rubens de Castro publicou dois livros em vida e tem oito inéditos.

A parte cultural ficou por conta do mestre da viola de cocho, Habel Dy Anjos que – junto com Fidel Fiori – fez a música ambiente e depois executou o Hino Nacional Brasileiro com seu amado instrumento. Na parte do piano, Habel Dy Anjos lembrou a primeira vez que esteve na Casa Barão de Melgaço, e que naquele mesmo piano tocara a nossa inesquecível Dunga Rodrigues, com ele acompanhando na viola. Quase no final, o Quinteto de Cordas da UFMT executou uma valsa de Zulmira Canavarros, que Aclyse fez questão de dançar com a esposa, em cena muito aplaudida. Para fechar, realmente com chave de ouro, a execução digital do Hino de Mato Grosso, travou no meio da música e a plateia, para nossa alegria, levou até o final, no gogó, os versos de Dom Aquino: “Salve, terra de amor, terra do ouro/ Que sonhara Moreira Cabral!/ Chova o céu dos seus dons o tesouro/ Sobre ti, bela terra natal!”.

Share Button

Geddel Pinheiro em 2015 em um protesto contra a corrupção, contra a ladroagem…

Geddel Vieira, em um raro momento de luta contra a corrupção, em agosto de 2015. Dois anos, portanto, quando se descobre uma montanha de dinheiro em seu apartamento oculto que já passa de R$ 40 milhões, sendo de longe a maior apreensão de dinheiro vivo roubado dos cofres públicos.

Share Button

Canto Pantaneiro – Uma imitação de soneto

O canto vivo do pantanal
É o som do rio corrente
Que corre como um signo
Entre peixes e aquário

O canto pantaneiro, amor
Tem xis, chiados e pipios
Entre a luz e o entardecer
De todos os voos singulares…

O canto é música sonora
Que os ouvidos do coração
Ouve sem precisar escutar

O canto do pantanal – ouça –
Guarda mais que revela
Toda natureza infinita.

><>Este poema não faz parte do livro “Imitações de Soneto”,  que você, amigo leitor, pode comprar pelo facebook.com/JoaoBosquoCartola

Share Button

Entre aspas: O ministro Blairo Maggi no radar do MPF não consegue acesso as denúncias de Silval Barbosa

><>O ministro, senador licenciado e ex-governador Blairo Maggi tentou acessar as ações que transcorrem em segredo de Justiça no STF, mas não conseguiu. Eis a informação veiculada no Diário de Cuiabá, em reportagem assinada por Kamila Arruda. Abre aspas:

Maggi sofre nova derrota no STF

Da Reportagem

O ministro da Agricultura Blairo Maggi (PP) teve mais uma tentativa frustrada de acessar as ações sigilosas que tramitam contra a sua pessoa no Supremo Tribunal Federal (STF). A ministra Cármen Lúcia voltou a negar o pedido do progressista nesta terça-feira (15).

No início deste mês, a Corte Suprema já havia negado o mesmo pedido. O ministra, por sua vez, havia concedido a ele a possibilidade de ter uma cópia dos processos que são de acesso público.

Maggi recorreu da decisão, e teve o pedido novamente negado pela presidente do STF.

O ministro teve o nome citado em três colaborações premiadas referentes às ações que tramitam sob segredo de justiça no STF. Além de ter sido lembrado nas delações de ex-executivos da Odebrecht, o ministro ainda foi citado nos depoimentos do ex-governador Silval Barbosa e do ex-secretário da Casa Civil, Pedro Nadaf.

Todas as delações encontram-se em sigilo sob a relatoria do ministro Luiz Fux. Devido ao fato de elas estarem em sigilo, apenas o relator tem acesso ao conteúdo. Foi com base neste princípio que Cármem Lúcia negou o pedido de Maggi.

Na última sexta-feira (11), o Jornal Nacional revelou parte da colaboração premiada de Silval Barbosa. Conforme a reportagem, Maggi teria pago R$ 3 milhões ao ex-secretário de Estado Eder Moraes, para que ele mudasse a sua versão a cerca de uma denúncia de compra de vaga no Tribunal de Contas do Estado. (KA)

Share Button

Porto Alegre do Norte recebe próxima etapa do Festival de Quadrilhas

O grupo vencedor do Festrilha 2017 representará Mato Grosso em um festival nacional de quadrilhas juninas – Foto por: Mayke Toscano/Gcom-MT

Assessoria | SEC-MT O município de Porto Alegre do Norte (1.159 km de Cuiabá) será a próxima parada do Festival Mato-Grossense de Quadrilhas (Festrilha 2017), nesta quinta-feira (08.06), sexta-feira (09.06) e sábado (10.06). As apresentações ocorrem no Complexo de Esporte Gezil Araújo, a partir das 20h, com entrada gratuita. O Festrilha é uma realização da Federação Mato-Grossense de Quadrilhas e tem a Secretaria de Estado de Cultura (SEC-MT) como principal apoiadora.

Nessa etapa do festival, participam seis grupos: Beija Flor (Confresa), Os Caipiras do Araguaia (Confresa), Coração Caipira (Porto Alegre do Norte), Flor do Sertão (Porto Alegre do Norte), Matutos do Xingu (Santa Cruz do Xingu) e Junina Saia e Chapéu. As três melhores equipes se classificam para a final, que será na cidade de General Carneiro, entre os dias 30 de junho e 02 de julho, quando serão premiadas as cinco melhores equipes. Continue Reading

Share Button

Um dia ainda acabo pensando diferente como todo mundo

Um dia ainda acabo pensando diferente como todo mundo.

Share Button

Equidade de gênero no mercado de trabalho vai demorar 80 anos, indica estudo

Por Isabela Vieira – Repórter da Agência Brasil 

Apesar do aumento de mulheres no mercado de trabalho nas últimas décadas, a equidade com os homens pode levar até 80 anos, segundo o Relatório Global de Equidade de Gênero, do Fórum Econômico Mundial. Para tentar diminuir esse tempo, equivalente a uma geração, pesquisa feita com líderes de 400 empresas ao redor do mundo indicou que três medidas prioritárias podem ser tomadas. Todas relacionadas ao engajamento da corporação na estratégia.

As medidas constam do estudo Women Fast Forward, feito pela consultoria Ernst & Young (EY) e apresentado nesta quinta, 08, no Rio de Janeiro. O trabalho indica como prioridade: “Iluminar o caminho para a liderança feminina, acelerar a mudança na cultura empresarial com políticas corporativas progressistas e construir um ambiente de apoio”, alicerçado no combate ao preconceito “consciente e inconsciente”, para aumentar o ritmo das empresas rumo à equidade.

De acordo com Tatiana da Ponte, sócia de Impostos da EY no Brasil, uma das principais vantagens da paridade é o ganho financeiro. Entre as empresas pesquisadas, 64% daquelas com melhores resultados econômicos encorajam suas funcionárias. Isso se deve, segundo ela, ao aumento da participação na tomada de decisões e favorece a visão global.“Não é porque isso [a visão global] é mais da mulher ou do homem. É porque o aumento da participação gera diversidade. São opiniões diferentes subsidiando as decisões”, explicou.

Leia mais: Equidade de gênero no mercado de trabalho vai demorar 80 anos, indica estudo | Agência Brasil

Share Button

A mídia não mostra nada além da violência

http://

Share Button

Novos, novíssimos colaboradores: Johnny Marcus e Roberto Boaventura

O nosso blog participativo a partir desta semana conta com a colaboração dos jornalistas Johnny Marcus e Rorberto Boaventura, que passam a integrar o nosso time de colaboradores se juntando a Eduardo Mahon, jurista, escritor e polemista.

Johnny Marcus, além de jornalista, formado pela UFMT, é radialista, escritor e professor. Mora e trabalha em Lucas de Rio Verde.

Roberto Boaventura da Silva Sá, doutorado em Ciências da Comunicação/Jornalismo pela USP, é professor Associado da Universidade Federal de Mato Grosso. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em análise de discursos publicitários e jornalísticos, atuando, principalmente, nos seguintes temas: mídia, ideologia, política, cultura, contemporaneidade e Literatura Brasileira.

Share Button

Pátria furtada

Dirigentes petistas são tão desprezíveis, tão pequenos, mas tão mesquinhos que, dos 568 itens que a presidência recebeu de outras representações internacionais, Lula deixou no patrimônio apenas 9. Dilma não foi diferente: dos 163 itens, 6 apenas ficaram para a União. Embolsaram tudo. No Palácio, sumiu até mesmo a faixa presidencial, com ouro e pedras preciosas. Os dados são do TCU e, portanto, são oficiais.

Share Button