Comissão de Erradicação do Trabalho Escravo reúne representantes de prefeituras

São Félix do Araguaia, MT – A Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo (Coetrae-MT), apoiador e participante do Seminário “1970 -2012: A Luta pela Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil – somente em rede poderemos erradicar o trabalho escravo”, realizou na tarde desta sexta-feira (01.02), no auditório do Ministério Público de Mato Grosso, em São Félix do Araguaia, uma reunião com representantes de 11 dos 13 municípios do pólo do Vale do Araguaia para apresentar o Plano Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo.

Marcos Veloso, da Coetrae-MT, após a apresentação do representante do Ministério Público do Trabalho, que conceituou o que é situação de trabalho análogo ao trabalho escravo, fez um rápido painel narrando a implantação e atuação da comissão em Mato Grosso, cujo marco de criação é o ano de 2007 e o ano de 2012, quando o Governador Silval Barbosa assinou a lei que amplia a atuação da Comissão.

Já o secretário executivo da Coetrae-MT, Edimar Roberto Plandini, destacou que os marcos estratégicos da comissão, que é o de articular e integrar os mais diversos atores que compõe a comissão, que vão desde os entes federais, como o Ministério Público do Trabalho, Ministério da Justiça, o judiciário estadual e federal e uma infinidade de organizações não governamentais – que vão das pastorais, passando pelas OABs, até entidades sindicais, para que as ações sejam mais eficientes no combate e erradicação do trabalho escravo. O foco da reunião é o envolvimento dos entes municipais.

Edimar também destacou a criação do Fundo Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo (FETE), que agora faz parte do PPA, que demonstra o comprometimento do Governo de Mato Grosso nessa ação contra o trabalho degradante.

Como ação preventiva, o secretário executivo citou a lei que proíbe o Estado de Mato Grosso a contratar empresas que usam o trabalho escravo. Ele lembrou ainda que está em tramitação do projeto que proíbe a concessão de créditos a empresas que fazem uso de mão de obra escrava.

No período da noite acontece a abertura do Seminário “1970 -2012: A Luta pela Erradicação do Trabalho Escravo no Brasil – somente em rede poderemos erradicar o trabalho escravo”, no auditório da Prelazia de São Félix e divulgação do Prêmio de Jornalismo Coetrae-MT Dom Pedro Casaldáliga.

Fonte:Secom-MT

Share Button