Eduardo Mahon celebra o cancelamento da divulgação dos resultados do Prêmio MT Literatura e credita a vitória à Academia de Letras, na pessoa da presidenta Marília Beatriz

O escritor, acadêmico e polemista Eduardo Mahon credita o cancelamento da divulgação dos resultados dos ganhadores do Prêmio MT Literatura à presidente da Academia Mato-grossense de Letras e também à escritora Cristina Campos, que concederam entrevista nesta terça-feira, 27, a uma emissora de tv local, na qual questionavam o excessivo número de inabilitados, quase dois terço dos inscritos.

Em e-mail enviado à escritora Mahon disse: Caríssima Presidente Marília Beatriz: Quero cumprimentá-la pela postura firme em defesa da literatura mato-grossense. O que tenho acompanhado das autoridades da cultura estadual são atos autocráticos que merecem inúmeras críticas que, até então, nunca foram tornadas públicas. No entanto, a lambança que a SEC ultimou no edital do Prêmio MT de Literatura – retificado 4 vezes consecutivas – deu oportunidade para que a nossa Academia de Letras bradasse em favor dos autores regionais.

O caso vem muito a propósito, por duas razões. A primeira é fazer crer aos gestores que a razão lhes faltou completamente; a segunda, é comprovar a força, o prestígio, a credibilidade que a AML tem na sociedade mato-grossense. Nossa confreira Cristina Campos que protagonizou a discussão estava mesmo prenhe de razão e foi apoiada integralmente pela nossa Academia. Tenho certeza de que todos os demais autores agradecem e ousaria dizer que os produtores culturais de diversos segmentos estão comemorando o seu posicionamento em favor da produção. É preciso agradecer também ao jornalista Ramon Monteagudo e à TV Centro América pela força.

No Facebook,  ele escreveu “o Edital do Prêmio MT de Literatura foi cancelado pela Secretaria Estadual de Cultura. A providência administrativa de rever os próprios atos mostra humildade dos gestores que repararam o erro em tempo hábil, não resultando nenhum prejuízo para o meio literário mato-grossense. Parabenizo-os pelo gesto, portanto. No mais, meu aplauso para Cristina Campos e Marilia Beatriz Figueiredo Leite que capitanearam a defesa de todos os autores excluídos por falhas no sistema de inscrição. Tenho certeza de que o Prêmio MT de Literatura manterá íntegra a credibilidade da primeira edição”.

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR
nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...