Entre aspas: A blogueira Adriana Vandoni perde a primeira e vai pagar R$ 25 mil ao PT; o valor não significa muito, mas a condenação tem significado

><> A blogueira Adriana Vandoni, ex-PDT, ex-PSDB, e agora ex-secretária do governo tucano de Mato Grosso, não era dada a pesar a língua para acusar os petistas de ladrões, como se fosse uma exclusividade, mas apenas e tão somente discurso político, da pior política, como os udenistas de outrora.

O valor, R$ 25 mil, chega a ser insignificante, mas o que vale, como explica o autor da sentença, juiz Yale Sabo Mendes, destacou que “os profissionais da comunicação (jornalistas/comentarista/colunista), a seu turno, por mais espontâneos que sejam, têm o direito legal de se expressar livremente, porém com elevada consciência e prudência, por ser parte integrante da transmissão de uma informação plena e fidedigna, que formará o pensamento crítico da sociedade. Devem ter em mente, muito bem clarificado, a diferença entre crítica jornalística e imputação criminosa” . Como toda razão diz este blogueiro.

Abre aspas: 

Adriana Vandoni é condenada a pagar R$ 25 mil por difamar PT

Celly Silva, repórter do GD

Adriana Vandoni, foto: José Medeiros

A blogueira e ex-secretária do Gabinete de Transparência e Combate à Corrupção, Adriana Vandoni Curvo, foi condenada em uma ação de reparação de danos morais a pagar R$ 25 mil em indenização ao Partido dos Trabalhadores (PT). O valor deverá ser acrescido de juros de 1% ao mês a partir da data do fato, que ocorreu em 20 de março de 2014, e correção monetária a partir do arbitramento da pena.

Além desses valores, Vandoni também foi condenada a pagar os honorários advocatícios e custas processuais, que foram ficadas em 15% do valor da condenação. A decisão foi proferida nesta quarta-feira (26), pelo juiz Yale Sabo Mendes, da 7ª Vara Cível de Cuiabá.

Ele julgou parcialmente procedente o pedido impetrado pelo diretório nacional do PT, que queria indenização por acreditar que Adriana Vandoni extrapolou o cunho informativo e opinativo de uma notícia, passando a fazer “declarações de cunho ofensivo, degenerativo à imagem e reputação da instituição, de modo a macular a trajetória do Partido dos Trabalhadores”.

Conforme consta na ação, o fato ocorreu em 20 de março de 2014, no programa televisivo “Preto no Branco”, que tratava sobre a compra, por parte da Petrobras, da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, ocorrida em 2006 e que virou alvo da operação Lava Jato, ocasião em que ela falou: “(…) filiem-se ao PT e roubem, mas roubem muito. Porque não é shampoozinho que vai te fazer ficar cada vez mais alto num cargo público. Roube bilhões e bilhões de dólares (…)”.

A defesa do PT argumentou na ação que o intuito da ré teria sido de prejudicar o partido perante a sociedade, desqualificando-o.

Leia a matéria completa: Gazeta Digital

Share Button