Entre aspas: Silval Barbosa, em delação premiada, confirma abraço a Blairo Maggi

><>Silval, que era vice de Blairo e o sucedeu com o apoio do próprio, diz que recebeu dívida de R$ 17 milhões em troca do apoio à reeleição. BM diz em nota que as afirmações são ‘mentirosas e levianas’. Lembrando, aquilo que não conseguir provar, pode inclusive agravar a pena do delator ou mesmo anular a premiação.

Matéria assinada pelo jornalista Pablo Rodrigo.

Abre aspas: 

Silval Barbosa diz que pagou dívidas de Blairo Maggi

PABLO RODRIGO
Da Reportagem

O ex-governador Silval Barbosa (PMDB) afirma ter se comprometido a pagar dívidas que totalizavam mais R$ 17 milhões do atual ministro da Agricultura Blairo Maggi (PP), em troca de apoio para a sua reeleição ao governo do Estado em 2010. A informação consta na delação de Silval junto a Procurador Geral da República (PGR) e que foi homologada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, no dia 9 de agosto deste ano.

Na delação, o ex-chefe do Palácio Paiaguás diz que o acordo era para que ele assumisse a dívida com o empresário Gércio Marcelino Mendonça Júnior, o “Júnior Mendonça”. O valor se refere a empréstimos, que o ex-secretário Eder Moraes, teria feito para quitar alguns compromissos políticos do governo Blairo, como dívidas de sua campanha ao Senado Federal.

A delação de Silval vai de encontro aos depoimentos de Júnior Mendonça. O documento afirma que Mendonça realizava empréstimos para Eder Moraes, que dizia estar a mando do governo do Estado. Mendonça ainda disse que em 2011, Silval Barbosa e o empresário Genir Martelli, proprietário de uma transportadora, se responsabilizaram pelas dívidas do então senador Blairo Maggi.

Júnior Mendonça é o principal delator da Operação Ararath, que investiga desde 2010, a movimentação de mais de meio bilhão de reais através de crimes de lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta de instituição financeira, transações financeiras clandestinas, corrupção ativa, corrupção passiva, falsidade ideológica e falsificação de documento público, que envolveu políticos do primeiro escalão em Mato Grosso e empresários para financiar campanhas políticas.

Silval também diz que dentre as dívidas de Blairo Maggi que assumiu, estariam as do empresário Valdir Piran, referentes às campanhas de 2006 e 2010.

OUTRO LADO – Por meio de nota, o ministro Blairo Maggi voltou a classificar as declarações do ex-governador como “mentirosas e levianas”, e que não “encontram amparo nos fatos, revelando apenas o desespero e sua estratégia montada para livra-se da cadeia.”

O ministro ainda diz que vem buscando junto ao STF, o acesso ao teor da delação de Silval para apresentar a sua defesa.

“Maggi mantém a consciência tranquila quanto aos seus atos na vida pública e na atividade empresarial”, finaliza a nota.

Já a defesa do empresário Júnior Mendonça, afirmou que ele já é colaborador perante a Justiça Federal de Mato Grosso e que “já esclareceu em seus depoimentos o referido episódio, estando a disposição da justiça para quaisquer novos esclarecimentos.”

O ex-secretário, Eder Moraes, disse por meio de nota que, “nunca contraiu qualquer tipo de dívida em nome de Blairo Maggi”. E que a delação de Silval é “fabricada e forjada”.

“Eder Moraes já responde judicialmente na Operação Ararath sobre essas acusações. Trata-se de um assunto requentado para expor o ministro Blairo Maggi. Silval mente e atira para todos os lados”, finaliza a nota.

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR
nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...