Entre aspas: Site RepórterMT revela que secretário de Cultura pagou R$ 4,8 milhões para orquestra da qual é o principal regente

Secretário de Cultura Leandro Carvalho é um dos fundadores da Orquestra de Mato Grosso Foto: RepórterMT

><>Matéria assinada pelo jornalista Rafael de Sousa, do Repórter MT, revela que  o Secretário de Cultura, Leandro Carvalho, liberou pagamento de serviços prestados pela Orquestra Mato Grosso, da qual é fundador e o principal regente.

Segundo a reportagem, foram liberados nos últimos dois anos perto de R$ 5 milhões por conta de um contrato assinado ainda no governo Blairo Maggi e renovado pelo atual governo. Até aí, nada de mais. Acontece que o regente, diretor artístico da referida orquestra é nada mais, nada menos que o atual secretário de Cultura.

A SEC emitiu uma nota contestando as informações da reportagem, de que os pagamentos à Orquestra MT passaram por cima do decreto do governo do Estado, o de número 02, suspendeu todos os pagamentos, e – a principal – de que continuaria comandando administrativamente a entidade.

Só uma observação. Na nota a SEC diz que “a Orquestra do Estado de Mato Grosso foi criada em 2005 e desde então integra a política pública cultural de Mato Grosso”, por então, quando de suas exibições, pelo menos da última no Cine Teatro Cuiabá – como notou Meu Peixe – as fotos são proibidas. Nos espetáculos (teatro e concertos) os organizadores geralmente pedem que não se usem o flash pois podem desconcentrar o artista, mas nesse os espectadores foram orientados a não fazer nenhuma foto, mesmo sem flash.

Penúltima observação, nos próximos dias 25, em Jaciara, 26 e 27 em Cuiabá, acontece o espetáculo “Chora o Cavaco de Cazes”, com participação de Henrique Cazes, e regência de Leandro Carvalho.

Última observação: o que deixa o meio cultural intrigado é que com o discurso de contenção, falta de recursos, o que valha, projetos de terceiros os pagamentos demoram a serem liberados, mas os da orquestra, em dia…

Abre aspas: 

Secretário pagou R$ 4,8 milhões para orquestra privada que dirige

O secretário Leandro Carvalho também contrariou decreto do governador e pagou, mesmo estando proibido, R$ 412 mil para a associação que administra a Orquestra de MT.

RAFAEL DE SOUSA
DA REDAÇÃO

Dados do Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado (Fiplan) mostram que o secretário de Cultura do Estado (Sec), Leandro Carvalho desrespeitou um decreto de contenção de gastos do governador Pedro Taques (PSDB) e repassou R$ 412 mil à Orquestra de Mato Grosso, criada como associação civil com sede no Centro de Cuiabá.

Apenas sob a regência do secretário Leandro Carvalho, nos últimos dois anos e meio, os valores repassados à empresa que administra a orquestra já ultrapassam o montante de R$ 4,8 milhões.

O Fiplan aponta que no ano de 2015, o secretário Leandro Carvalho – que no site aparece como diretor artístico da orquestra – repassou R$ 2, 6 milhões em sete parcelas a empresa. Inclusive, em 20 de fevereiro daquele ano, período que vigorava o decreto, autorizou o pagamento de R$ 412 mil à empresa. Parte desses valores referentes à gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), que estava sob suspeita e motivou a auditoria do novo Governo. Veja o decreto aqui.

À época, o governador comentou que os secretários de Estado só deveriam manter o pagamento dos serviços considerados essenciais das áreas de Segurança Pública,

O secretário de Cultura, Leandro Carvalho, é citado no site da orquestra como “um dos fundadores da Orquestra do Estado de Mato Grosso e seu atual diretor artístico e regente principal”

Educação e Saúde.

“Nós precisamos fechar a chave do cofre durante 90 dias para sabermos quanto temos e o que pode ser gasto”, disse Taques.

Ao , a assessoria de imprensa da SEC informou que os pagamentos foram realizados dentro de um cronograma e faz parte do contrato anual na ordem de R$ 1,6 milhão firmando entre Governo e a orquestra desde 2007, sem que houvesse qualquer reajuste.

Em relação ao pagamento feito no período em que o governador suspendeu todos os pagamentos para a realização de auditoria nos contratos e convênios de todas as secretarias, no entanto, a Cultura garantiu que só efetuou pagamentos emergenciais e a orquestra foi um deles.

Em notam a orquestra afirmou que desde que atua como secretário de Cultura, Leandro Carvalho não faz parte do quadro da direção e justificou que os valores pagos pelo Estado não tinham repasse impedido pelo decreto em questão.

A Pasta destacou que a Orquestra de Mato Grosso atua há mais de 10 anos no Estado. E por ter compromissos com temporadas pré-definidas e eventos programados foi necessário realizar o repasse para que eventos não fossem cancelados. Além disso, explica que “a orquestra leva o nome de Mato Grosso para todo o Brasil e o exterior”.

Somente no primeiro semestre deste ano, a Secretaria de Cultura destinou R$ 660 mil à orquestra.

Desde 2007, o Governo do Estado já repassou pouco mais de R$ 15 milhões à Orquestra de Mato Grosso, a parceira começou na gestão do ex-governador Blairo Maggi, atual ministro da Agricultura Pecuária e Abastecimento.

Leia mais: clique aqui

Fecha aspas.

Share Button