Flauta Mágica concorre no Rio de Janeiro com o projeto de ballet ao Prêmio Anu

Foto: Lenine MartinsO Instituto Cultural Flauta Mágica está concorrendo ao Prêmio Anu Preto 2010 com o projeto Ballet (dança), vencedor do prêmio em esfera estadual, representando o Estado de Mato Grosso. O prêmio, criado pela Central Única das Favelas (Cufa), tem o objetivo de chamar a atenção da sociedade para os projetos socioculturais que impactaram positivamente as comunidades populares durante o ano de 2010. “O prêmio foi criado para dar visibilidade às instituições que trabalham na área social tendo a arte como linguagem”, diz o fundador e diretor de Artes do Flauta Mágica, Gilberto Mendes.

Flauta Mágica, projeto surgido em 1998 no bairro Jardim Vitória, em Cuiabá, teve como base a flauta doce, atendendo as crianças do bairro Jardim Vitória, e recebeu diversos prêmios no âmbito nacional, como o Darcy Ribeiro de Educação, concedido pela Câmara dos Deputados, em 2005, e Itaú-Unicef de Ações Socioeducativas, em 2007. O Prêmio Anu de Ouro é o primeiro que a instituição recebe no Estado. Há sete anos vem trabalhando o projeto Coral e apenas há cinco anos o Ballet foi iniciado e no ano de 2010 começou a Orquestra Sinfônica.

Foi com base num Concerto da Flauta Mágica, que executou duas músicas da MPB – Canção da América, de Milton Nascimento, e Aquarela, de Ari Barrozo, e apresentação do Ballet, que o Instituto concorreu e foi vencedor ao Prêmio Anu no Estado de Mato Grosso e qualificou a concorrer ao Prêmio Anu nacional. A escolha do melhor projeto social está sendo feita por meio de votação na internet.

Gilberto Mendes pede o apoio da população, votando no projeto na página oficial do Prêmio Anu: http://www.premioanu.com.br. A votação é muito simples. O internauta faz uma rápida inscrição fornecendo um e-mail e o número do CPF. No instante seguinte, recebe uma senha na caixa postal e com ela tem acesso à página e pode votar. O CPF é para evitar que aconteça de uma mesma pessoa votar diversas vezes. Uma mesma máquina só é liberada para votar de 30 em 30 minutos, também para desestimular qualquer tipo fraude.

A votação nacional começou no último dia 7 deste mês e vai até o dia 7 de fevereiro para votar em até três das 27 iniciativas concorrentes. Nesta data, acontece no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, a cerimônia de entrega do prêmio ‘Anu de Ouro’ aos vencedores estaduais, e o prêmio ‘Anu Preto’ para o melhor projeto nacional.

O Instituto Flauta Mágica, além dos prêmios nacionais, já recebeu apoio do Criança Esperança, da Unesco, que considerou o projeto modelo por mudar a perspectiva de vida de crianças, jovens e adolescentes de um bairro da periferia como o Jardim Vitória. O instituto atende cerca de 300 crianças e adolescentes carentes por mês, com atividades artísticas como o Ballet, Coral e Orquestra. Além disso, a entidade oferece aulas com conteúdo da história da arte e cultura, educação ambiental, noções de cidadania e civismo. Como também desenvolve projetos na área educacional o Governo de Mato Grosso apóia através de convênios com a Secretaria de Estado de Educação (Seduc).

O Prêmio Anu foi criado pela Cufa e realizado em todo o país para valorizar e reconhecer publicamente iniciativas desenvolvidas em favelas e demais espaços em desvantagens sociais, gerando o bem comum para a população, autoestima das comunidades, trabalho, renda, qualidade de vida e equilíbrio social. O pássaro anu foi escolhido para ser o símbolo do prêmio pelo fato de, mesmo discriminado e rejeitado histórica e popularmente, sempre estar de cabeça erguida e não se intimidar facilmente, simbolizando a luta e superação.

Share Button

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...