Haddad nega que MEC irá alterar conteúdo de material de combate à homofobia nas escolas

(por Amanda Cieglinski, da Agência Brasil) O ministro Fernando Haddad negou que o Ministério da Educação (MEC) tenha decidido alterar o conteúdo do kit de combate à homofobia que será distribuído às escolas públicas de ensino médio. Nesta quarta-feira (18/05) ele se encontrou com parlamentares da bancada evangélica que são contra o material e assegurou que os deputados poderão manifestar sua opinião à comissão de publicação de materiais do ministério, mas que as sugestões poderão ou não ser acatadas.

“O material encomendado pelo MEC visa a combater a violência contra homossexuais nas escolas públicas do país. A violência contra esse público é muito grande e a educação é um direito de todos os brasileiros, independentemente de cor, crença religiosa ou orientação sexual. Os estabelecimentos públicos têm que estar preparados para receber essas pessoas e apoiá-las no seu desenvolvimento”, defendeu Haddad durante o programa de rádio Bom Dia, Ministro, produzido pela EBC Serviços em parceria com a Secretaria de Comunicação Social da Presidência.

O kit homofobia, como vem sendo chamado, foi elaborado por entidades de defesa dos direitos humanos e da população LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais) a partir do diagnóstico de que falta material adequado e preparo dos professores para tratar do tema. O material é formado por cartazes, um livro com sugestão de atividades para o professor e três peças audiovisuais.

A previsão do ministério é que os kits cheguem às escolas no segundo semestre de 2011. O material é voltado para alunos do ensino médio – a partir dos 15 anos.

Share Button

  • é, nossas escolas estão aufa de grana para fazer investimento em homoafetivo

  • José Maria Ribeiro

    Aos meus 73 anos de vida, nunca pensei que chearia a essa idade vendo com meus próprios olhos tantos absurdos. Como pode um bando de gente, em nome da verdade, querer mudar os vslores éticos e morais da família. Onde fica meu estado de direito? Será que tenho de me curvar diante dessa imoralidade que estamos vendo? Onde fica o papel da família na educação e na formação dos filhos? Será que é isso que o nosso povo quer? Fui criado com surras pelos meus pais, no entanto partiram como meus pais e meus amigos. Desde quando era adolescente que via que aprendi a respeitar as pessoas. Nunca feri com palavra ou mesmo gestos aquelas pessoas que se apresentavam com uma determinada halomania. O homosexual ou as chamadas lésbicas, em grande parte, é devidamente comprovada, no homem para ter impusos para ser feminino e a mulher para masculina, o que não se pode é deturpar procurando incutir nas mentes de jóvens que ele deve ser um desajustado. Mas quem tem uma chamada sexóloga no senando que determina as coisas o que esperar dessa País?