Maior banco de desenvolvimento do mundo está conhecendo MT

A missão chinesa que se encontra em Mato Grosso, liderada pelo CDB, o maior banco de desenvolvimento do mundo, e até o próximo dia 10 realiza uma série de reuniões e painéis sobre o momento econômico vivido pelo Estado, tem como foco quatro pontos para os futuros investimentos: infraestrutura, agricultura, ferrovia (logística) e minério. A comitiva chinesa é formada por profissionais de alto nível, conforme destacou o vice-diretor geral do Departamento de Planejamento do CDB, Hu Dong Sheng, durante sua apresentação.

Os chineses foram recepcionados pelos secretários de Estados, Eder Moraes, da secretaria de Articulação Institucional em Brasília, e Francisco Vuolo, da secretaria- extraordinária de Estado de Acompanhamento da Logística Intermodal de Transportes e membros do Grupo de Trabalho do Governo de Mato Grosso.

O governo de Mato Grosso, por meio da Sicme, realizou um painel no qual apresentou a política de incentivos fiscais, os programas de desenvolvimento da mineração e indústria, e o potencial mineral do estado, com os grupos de jazidas, destacando que a exploração ainda é inviável por conta da falta de logística, principalmente pelo modal ferroviário.

O diretor Hu Dong Sheng realizou um apanhado do China Development Bank (CDB), destacando inicialmente que o CDB é o maior banco de desenvolvimento do mundo, com um capital que já ultrapassou a casa de um trilhão de dólares americanos. Depois o executivo chinês destacou que o banco, além da capacidade de investimentos, tem uma expertise em planejamento e está em Mato Grosso em busca de um modelo de cooperação. Segundo ele, o CDB já está incentivando outras entidades financeiras a apoiar empresas chinesas que desejam investir em Mato Grosso.

Francisco Vuolo, da Selit, lembra que a costura que Mato Grosso procura realizar com os chineses, com destaque na construção da ferrovia Cuiabá-Santarém, que vai demandar um investimento de mais de R$ 10 bilhões, é resultado de um trabalho que vem sendo construído por etapas. A primeira, lembra, foi a retomada da concessão que estava nas mãos da ALL e devolveu para o governo federal e permite agora a entrada de novos interessados; a segunda etapa foi o estabelecimento do novo modelo de concessão que permite o direito de passagem e, finalmente, a assinatura do convênio entre a ANTT e a UFSC para a realização de estudos de viabilidade econômica e de impactos ambientais, que vão permitir a realização dos leilões.

O secretário Eder Moraes, por seu turno, destaca que “o embrião para os novos investimentos chineses é a logística”, mas Mato Grosso está neste encontro, por meio do Grupo de Trabalho, mostrando todo o potencial de investimentos, como nas áreas de estocagem e armazenamento e mineral, que dependem do transporte seguro e barato. Os executivos chineses são das áreas de planejamento, tecnologia e do ministério da Agricultura. Nestas quarta e quinta feiras eles participam de mais quatro painéis que serão apresentados pelas secretarias e associações de produtores, como Aprosoja. Na sexta-feira a comitiva se desloca até Juína, onde permanece até domingo. Na segunda, o retorno para Cuiabá, quando acontece as discussões finais e o encontro com o Governador Silval Barbosa.

Share Button