Marli Walker lança o seu “Apesar do Amor” na próxima segunda, 10, na sede da OAB-MT

A editora Carlini & Caniato traz a público mais um livro; no próximo dia 10, segunda-feira, acontece o lançamento do livro “Apesar do Amor”, de Marli Walker.

A nossa poetisa maior, Lucinda Nogueira Persona, faz apresentação do livro de Marli Walker , no qual a autora ingressa nas regiões da memória e coração para buscar tudo o que aí habita, ou dorme, como dentro de um fruto dorme a semente. E, na transcendente aventura que é a poesia, encontra matéria significativa. O seu tom se articula, num abraço vigoroso, com substâncias da terra, compondo um universo nutritivo de potência singular.

O poeta Ivens Cuiabano Scaff é quem faz o prefácio da obra escreve. Abre aspas:  Versos curtos. Curto versos curtos. Curto estes versos sintéticos com imagens que me vêm imediatas à cabeça. Pérolas. Orvalho. Rosas em botão. A primeira estrela da tarde. A última estrela da manhã. A lua nova. Não por acaso uma das palavras preferidas de Marli é semente. Outra é menino. Menino que sintetiza o futuro que desconstruímos para os que vêm.

O pão, presente e futuro que falta:

“houve pão se não está na mesa do menino?”

“mais viçosa é a fome do menino”

“a fome que vira nos olhos do menino”

A crua realidade que o cerca e espera:

“vala aberta ao menino”

“menino em leilão na rua”

“o olho estio daquele menino”.

Estes nossos “meninos verdes franzinos”. Impossível não nos emocionarmos quando “choram menino e homem”, frente “aos olhos bons do Menino”.

Mas não despreza a esperança:

“Levanta menino

vai”.

Mãe, também dita ou mesmo não dita, somos todos nós, incapazes e perplexos. Espanto e estranhamento também presentes em cada mirada para o mundo real, apesar da crença preservada “a mãe fazia seus os milagres de deus”. Revolta por ser isso, só isso, quando podia ser mais, muito mais.

A capacidade de síntese destes versos. Seu conteúdo de chave, senha, acesso. Precisas como um instantâneo fotográfico. Mesmo sem a forma de hai-kais, hai-kais são. Quantos significados contidos/revelados na interação com o leitor.

Quando afirma “o início sentencia o fim/ mas o amor não termina”, o coração se aperta.

Quando constata “para onde vai/ de onde veio/ o pastor que se perdeu” é o deserto que se vê.

Pura inveja poética de “poesia é palavra leito”.

E mulher, “Mulher” como no dizer do sambista, é poema em feitio de oração. Fecha aspas.

Para quem não conhece Marli Walker, a poeta é natural de Santa Catarina, mas está entre nós, mato-grossenses, há mais de 30 anos. Trabalha como professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso e acredita que a educação formal é o único caminho para transformar a vida das pessoas. Em 2006, publicou “Pó de serra” e, em 2009, “Águas de encantação”, ambos livros de poesia. Mãe de Wilson Júnior e avó de Giovana, Isabel e Isaac, entende que o aprendizado amoroso da maternidade e “avoternidade” é tarefa para toda a vida.

O lançamento, com noite de autógrafos, será na Sede da OAB/MT, no Centro Político Administrativo, dito CPA, às18 horas.

Share Button

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...