Morte – Um poema de Marília Beatriz

Se a cruz é o surto
o verbo e o voo
continuam.

— Marília Beatriz

A cruz é a sentença,

o verbo é presença

onde a morte?

O surto é periférico

o vôo é atmosférico

onde a morte?

Se a cruz é o surto

o verbo e o vôo

continuam.

O sorriso é o estádio

e a lembrança da promessa

é pressa.

 

Share Button

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR
nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Enzo Corazolla disse:

    Belo. Significativo. Inspirador.