MT Cultura é arte, dança, música e preservação

Cerimônia de assinatura de contratos do MT Cultura, no Paiaguás Foto: Mayke Toscano/GCom-MT

A cerimônia de assinatura dos contratos de liberação de recursos para os projetos aprovados pelos editais de cultura do Circula MT, Prêmio Tradições e Prêmio Territórios foi quase uma festa. Faltaram apenas os salgadinhos do Buffet Leila Maluf para tal. Houve música da melhor qualidade, dança de catira e muitos registros, selfies e muita gente alegre com a premiação, afinal serão mais de R$ 2 milhões investidos nas mais diversas manifestações culturais deste nosso Estado de Mato Grosso. A solenidade aconteceu na noite de terça-feira, 11, no Palácio Paiaguás, Salão Nobre Cloves Vettorato, com as presenças do governador Pedro Taques e o secretário de Cultura, Leandro Carvalho – e uma legião de culturetes, não tantos quanto eu esperava.

O secretário Leandro Carvalho, é bom que se diga, quando começa a falar e diz que vai ser breve e no meio do discurso enfatiza que vai ser brevíssimo, não se assuste e sempre assim, até que a plateia se acostume com suas intermináveis prestações de conta, que, com o passar do tempo, só crescem pois as ações só aumentam. Desta leva serão mais 540 ações, por meio de 51 projetos, que atenderão mais de 85 mil pessoas de diversas regiões e lugares de difícil acesso a ações culturais, como assentamentos, centros socioeducativos, aldeias e quilombos, no mais profundo coração de Mato Grosso.

Um desses projetos em comunidade indígena é o da aldeia no Xingu Piyulaga, da etnia Waurá, que vai registrar a cerâmica, ao mesmo tempo que faz o resgate e valorização da cultura do povo Waurá e – talvez o mais importante – é o de recuperação das nascentes do rio Batovi e de suas margens, que ficam fora do Parque Nacional do Xingu. Quem nos conta é Jean Nunes, fotógrafo que ensina fotografia para os indígenas e atualmente atende tem uma turma mista formada por 15 homens e seis mulheres. Na noite de terça, os índios Waurá brilharam na solenidade, falando de suas dores e de sua arte em sua língua natal, com direito a tradução. Ficou patente que eles vivem sob ameaça de extermínio e agradeceram muito ao governador Pedro Taques por lhes estender a mão, através do financiamento do Prêmio Territórios.

Segundo dados obtidos em informações dos projetos inscritos, 56 municípios serão beneficiados com a circulação de espetáculos, shows, exposições e ações educativas, além de iniciativas que visem preservar manifestações da cultura popular e tradicional, bem como com a oferta de atividades artísticas em pontos estratégicos do mapa.

Todos esses projetos – relatou Leandro Carvalho – são escolhidos por parecistas (pessoas formadas ou habilitadas para dar parecer) e as pessoas participantes recebem esses pareceres, de forma transparente, e “não precisam mais ser amigas do secretário” para terem os projetos aprovados e a grana liberada. Depois destacou a formatação dos editais, que possibilita a realização de parcerias com outros entes públicos e mesmo com a iniciativa privada. Como exemplo disso, citou o caso Ilson de Oliveira, da Cia Theatro em Cena que, com o seu Palhaço Limbilim Plimplim, no ano passado teve recursos aprovados para realizar seis apresentações e acabou fazendo 18 espetáculos.

“Não estamos deixando nenhum mato-grossense para trás”, destacou o governador Pedro Taques depois de elencar as mais diversas manifestações culturais, artísticas contempladas de diferentes regiões do Estado. “A cultura não vai ficar no eixo Cuiabá e grandes polos”. Na sequência o governador – digamos – respondeu àqueles que criticam a atual política cultural de Mato Grosso, dizendo que o “CPF de Cultura é um marco para a cultura do Estado. Quem critica, não entende, temos que respeitar”, ponderou.

O propalado CPF da Cultura, cujo F é do Fundo Estadual de Política Cultural, é um avanço já que o mesmo passa a contar com dotação orçamentária definida em percentuais mínimos de repasse da receita tributária líquida (RTL) de 0,3% este ano; 0,4% em 2018 e, a partir da próxima gestão, o índice será de 0,5%

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR
nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...