Nada é para sempre – Uma imitação de soneto de João Bosquo

Nada é para sempre
Inclusive a manga verde
Que um dia ficará perpitola
E um guri faminto
Vai passar a mão

Nada é para sempre
A manga rosa
Também será saboreada
Quando chegar a chuva
Da temporada

Nada é para sempre…
– A mangueira, resultado
De uma semente,
Treme ao vento.

*Poema integrante do livro Imitações de Soneto – Ou De Falar Pantanal, que continua à venda. R$ 10,00 pelo Facebook.com/JoaoBosquoCartola (inbox)

Share Button