Não Escrevo Mais

Não escrevo mais
Não sou mais
Nem menos poeta

Passei dos quarenta
Minha lira
Meu repertório
Meu dicionário
Minha musa
Meu estilo
Estão gastos
Precisam de reformas…

– A poesia
não se reforma,
João Bosquo!
Diz uma das vozes
Da gramática drama
Escondida dentro de mim

Não escrevo mais
Não é possível
Sentar-me à máquina
E datilografar um poema
Máquinas não mais existem

A poesia foi pro Baú Sereno
Agora é uma caixa-preta
Perdida nas águas
Do mar profundo pantanal

A poesia desceu a níveis
Nunca antes imaginados
E não consegue voltar à tona
E se fazer presente
Mesmo nos momentos
Mais singelos do poeta.

21/03/2001
Poemas de João Bosquo
Share Button