O blogueiro Enock Cavalcanti comenta as revelações de Pedro Nadaf e José Riva sobre as indicações para ocupar as vagas de conselheiro o TCE/MT

Nadaf e Riva

Enock Cavalcanti, jornalista

Por Enock Cavalcanti | Meus amigos, meus inimigos: a gente se impressiona com as patifarias articuladas, ao longo dos anos, em torno do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso. O que nossas elites predadoras fizeram com esta corte espanta pela ousadia, pelo despudor.

Agora nos aparece este corrupto confesso que é o sr. Pedro Nadaf, filho de uma das mais tradicionais famílias cuiabanas, para contar que outro corrupto confesso, o sr. José Riva, teria promovido indecente leilão com a vaga no TCE ocupada por seu parceiro dileto, Humberto Bosaipo.

Sim, dezenas de processos movidos do MP documentam uma das mais temerárias parcerias criminosas que já tivemos em Mato Grosso. Quando se revezaram no comando da Assembleia, Riva e Bosaipo usaram e abusaram da arte de desviar dinheiro público, conforme documentaram os promotores Célio Fúrio e Roberto Turin.

Conta agora o sr. Pedro Nadaf que, mesmo com Bosaipo caído, submetido ao opróbrio, ainda teria propiciado novo negócio sujo para o pai da Janaína. Vejam que o sr. Riva, pelo que conta Nadaf, teria comprado a vaga de conselheiro do Bosaipo para sua esposa Janete (que ingressara na política como vice de Antero na disputa do Governo, em 2002), por nada mais nada menos que R$ 6 milhões.

Só que uma decisão judicial impediu a candidatura de Janete e aí, o sr. Riva, ao invés de recuar, teria bolado nova trama: vender a vaga do sr. Bosaipo para o sr. Silval Barbosa, outro corrupto confesso que aparece nesta história, por nada mais nada menos que R$ 10 milhões. Fechada a negociata, o sr. Riva pagaria ao sr. Bosaipo e ainda ficaria com belo troco.

Ora, não foi à toa que a senadora Serys Slhessarenko, em sua passagem por Brasília, apresentou no Senado Federal a PEC 90/07 propondo a extinção de todos os Tribunais de Conta. É que essas cortes se transformaram em verdadeiros antros para a corrupção. Os fatos revelados em Mato Grosso falam por si.

Existe demorado processo que investiga os R$ 12 milhões que teriam sido pagos para a compra da vaga de conselheiro por Sérgio Ricardo, jornalista e político também acusado de corrupção, mas que ainda não confessou. Mas pensem comigo: essa patifaria vem rolando no Tribunal de Contas de Mato Grosso há muito tempo.

Quanto será que custou à dupla Dante de Oliveira e Antero Paes de Barros transformar tantos dos seus parceiros de governo em privilegiados conselheiros no TCE-MT? E os indicados pela família Campos, quanto será que pagaram? Quanto será que receberam?

Desde que se tornou, aparentemente, um puxadinho das jogadas de poder, depois da Lava-Jato, o Ministério Público, federal ou estadual, não faz estas perguntas e, pior, não faz essa investigação. Para saber dos crimes, ficamos dependendo da deduragem de corruptos confessos como os srs. Nadaf e Riva.

Enock Cavalcanti

Enock Cavalcanti é jornalista, bacharel em Direito, blogueiro, proprietário do Página do E (paginadoenock.com.br) e editor de Cultura do DC Ilustrado.

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Ruanda Luci disse:

    Sempre polêmico!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *