O governador Blairo Maggi, diferente de muitos políticos que gostam da ‘disputa’ numa boa, diz que não teme perder

Maggi diz não temer derrota e comemora resultado de pesquisa

(por Patrícia Sanches) O governador Blairo Maggi (PR) afirma não ter medo de perder as eleições neste ano. Segundo ele, tudo faz parte do processo democrático e cabe à população decidir se ele deve continuar num cargo eletivo. O republicano é pré-candidato ao Senado e deve deixar o Paiaguás em abril. No lugar dele assume o vice Silval Barbosa, pré-candidato à sucessão. “Se ganhar vou trabalhar, se perder também vou continuar trabalhando do mesmo jeito”, declarou Maggi, em entrevista durante o lançamento de um pacote de obras de pavimentação asfáltica na Capital, nesta terça (9).

Fonte: RDNews

><>Comentários, meus João Bosquo: Já estamos – eu e Meu Peixe – praticamente convencidos que o governador Blairo Maggi vai se eleger senador, quebrando mais um paradigma, entrando de forma definitiva para a história política do estado de Mato Grosso.

Mesmo assim estamos tristes: assistindo a TV Senado, Blairo Maggi vai ter que chamar de vossa excelência o senador José Sarney (leia o livro Honoráveis Bandidos), Renan Calheiros… Todos os dias Pedro Simon, Mão Santa e Eduardo Suplicy, numa interminável rotina, reclama da corrupção, outro fala da Grécia Antiga e o terceiro canta velhos sucessos do repertório americano.

É nesse ambiente que Blairo Maggi irá viver nos próximos 8 anos. Certa vez, o ex-senador Darcy Ribeiro, com sua verve, disse que o senado era espécie de clube, no qual ninguém falava mal de ninguém, e que isso é ruim para a política.

Vamos torcer que Maggi sobreviva a tudo isso. No nosso modesto ponto de vista, o governador deveria sair candidato a presidente da República, assim como fez certa vez um sindicalista, e recandidatar a segunda e na terceira, quem sabe, eleito presidente possa implementar, com a visão de empresário, as mudanças que  o ex-operário não foi capaz de fazer.

Enquanto isso, num intervalo entre uma eleição e outra, participar e fazer seminários pelo mundo, fazendo negócios e, o mais importante, atraindo novos investimentos. Se tiver disposição, realizar uma ‘caravana’ pelo interior do Brasil…

No presidencialismo, principalmente no nosso, quem tem o executivo é que pode fazer as mudanças, o resto é parlamento.

Share Button