O ministro Blairo Maggi, acusado de envolvimento no esquema de compra e venda de vagas no TCE-MT, usa a sua página do facebook para “combater o bom combate” e publica o parecer da PGR que o excluiu da Operação Ararath e se dizer inocente

Blairo Maggi, acusado de envolvimento no esquema de compra e venda de vagas no TCE-MT, publicada nota em sua página no Facebook:

Abre aspas: Muitos amigos têm acompanhado a repercussão na mídia de uma decisão no mínimo inusitada. Nove meses depois de inocentado pelo Procurador-Geral da República, Dr Rodrigo Janot, no âmbito das investigações da Operação Ararath, e, também, após as investigações criminais contra mim terem sido arquivadas pelo STF, fui surpreendido por uma decisão liminar de um juiz de Mato Grosso, recebendo uma denúncia e me tornando réu, em ação civil, que deriva dos mesmos fatos, sem que nada de novo tenha surgido.

Isso me fez reviver um pesadelo. Afinal, como posso ser inocente de um crime e culpado pelos seus danos? Decidi me recolher, meditar e não permitir que sentimentos ruins me envenenassem. Foi então que me veio à mente a frase de São Paulo na carta a Timóteo: “combate o bom combate com fé e boa consciência; pois alguns, rejeitando a boa consciência, naufragaram na fé”.

Sigo estes ensinamentos com determinação e serenidade para superar mais esse desafio. Muito obrigado a todos pela solidariedade e carinho. Quem me conhece sabe que tenho dedicado o melhor da minha energia para trabalhar pelo Brasil, aumentando a oferta de alimentos baratos e de qualidade para cada brasileiro e abrindo novas oportunidades no mercado internacional, que aqui dentro significam mais empregos, mais renda e qualidade de vida ao nosso povo.

Temos feito nossa parte ajudando a garantir a paz social nesta difícil travessia de resgate político e econômico do Brasil. Vou em frente, com a consciência tranquila, com determinação e fé, porque a fé não falha. Fecha aspas.

Posto aqui o parecer, onde o procurador-geral me inocenta: https://goo.gl/kUjDVY

Fonte: (7) Blairo Maggi

><>O ministro Blairo Maggi rebate as acusações que o envolve no esquema de compra e venda de vagas no Tribunal de Contas de Estado (TCE-MT), conforme denúncia proposta pelo MPE e aceita pelo juiz Luís Aparecido Bortolussi Jr., da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular, que o fez réu na ação civil junto com outros – Eder Moraes, Gercio Mendonça Júnior, Humberto Bosaipo, José Riva, Leandro Valoes Soares e Silval da Barbosa – e bloqueia bens para ressarcir os danos causados ao erário público.

Além de tornar réus o juiz também afastou Sérgio Ricardo do cargo de conselheiro.

Meu Peixe observa apenas que, com relação a Operação Ararath ao qual se refere parecer, o procurador da república Rodrigo Janot não viu elementos para autorizar a AÇÃO PENAL, enquanto o despacho do juiz Luís Aparecido Bortolussi Jr. trata-se de uma AÇÃO CIVIL por improbidade administrativa, por enquanto, na esfera estadual.

Como dizia o filósofo Abelardo Barbosa, o Chacrinha: Uma coisa é uma coisa; outra coisa é outra coisa. 

Leia também:
Abre aspas: Blog do Antero informa que o juiz Luiz Bertolussi afasta Sérgio Ricardo do TCE/MT e bloqueia bens do Ministro da Agricultura, Blairo Maggi

Leia a íntegra da decisão do juiz Luís Aparecido Bortolussi Jr., da Vara Especializada Ação Civil Pública e Ação Popular, que determina o afastamento do conselheiro Sérgio Ricardo, do Tribunal de Contas do Estado (TCE/MT) e bloqueio de bens de Blairo Maggi

Entre aspas: Estadão – Juiz determina bloqueio de bens de Blairo Maggi

 

Share Button