O Quintal na Memória – uma imitação de soneto de João Bosquo

De onde estou, mesmo em movimento,
Vejo a manga madura no quintal
A fruta da mangueira no quintal
Da casa de minha vó

A casa já não existe
O próprio terreno
As hortas, o galinheiro
Tudo que fazia um quintal
Ser quintal não resistiu

O quintal apenas existe
No resquício de memória
De onde estou, meus olhos deslocados
Olham para trás e veem as mangas
Como numa pintura de Gervane de Paula.

><>Relembrando: este poema integra o livro “Imitações de Soneto” e encontra-se à disposição dos amig@s, combinar pelo facebook.

Share Button