Poesia Curta Metragem – uma imitação de soneto

Minha poesia é curta,
pouca inteligência à mostra,
poucos centímetros de um decassílabo
e sobrevive apenas uma década

A sobrevida dos versos,
no papel ecológico,
é menor ainda que na web
escritos na memória

A) do computador aposentado
B) no notebook esquecido
C) no desktop reformatado

Pois Zé, a poesia não parte…
“Stop!”, diz o poeta Silva Freire!
É a rima que se parte em sons.

Poema integrante do livro “Imitações de Soneto – Ou de falar Pantanal”, à venda pelo facebook.com/joaobosquocartola.

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR
nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...