Poesia do Dia: Desculpa, amigo

Desculpa, amigo,
mil perdões, humildemente peço
pelas desavenças e mal-entendidos
no passado longínquo ou recente

Peço, por bondade, esqueça
como devo esquecer o “o quê”,
do “por quê” de andarmos assim
sem um olhar para o outro

Sem um olhar pelo outro
sem compaixão, sem indulgência
e estamos ficando velhos
a hora e de pedir clemência ao Pai

Pai nosso que estais nos céus,
porém, há de exigir de todos nós
que perdoemos – amemos uns aos outros
assim como Jesus, nosso irmão, ensinou.
><>Ainda da mesma seleção de poemas inscrita num concurso da Prefeitura (gestão WS),que foi cancelado por baixa qualidade dos participantes.

Share Button