Remanhecer – Poema de João Bosquo

Morri e aqui estou
Neste corpo que nunca foi meu
Nem a outra pessoa pertenceu
Mesmo quando muito amei
Se amar eu não pude
Como fôra minha intenção

Morto da silva
Estou esperando (quem sabe)
Um beijo que me adormeça
E faça sonhar menos
Fora destes pesadelos
Que não se dissipam
Nem que eu desligue as luzes

Encontro-me morto e só
E sozinho converso
Tentando o dia
Que a solidão inventou
De quebrar as vidraças
E deixar entrar o ar
Pelas minhas narinas

Meu corpo se levanta
Abre as portas e janelas
A vida invade minha casa
Como quem não quer nada
Mostra-me a paisagem…
– Vou-me embora pássaro.

><>Este poema já tem um tempinho, acho que, inclusive, que já o postei aqui ou em outro saite, não lembro, mas ao ler agora vejo outra possibilidade de leitura. Espero que gostem…

Share Button

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...