Rua do Rasqueado, projeto criado e coordenado por Guapo, comemora 24 anos com edição especial

Show com alguns dos legítimos representantes dos ritmos mato-grossenses acontece nesta quinta-feira (14), no Centro Histórico de Cuiabá

Da Assessoria | A Rua do Rasqueado, projeto que por mais de 20 anos promoveu efervescência em pleno Centro Histórico da Capital, enaltecendo o ritmo tradicional de Mato Grosso, terá nova edição nesta quinta-feira (14.12), a partir das 18h. O palco e cenário é o mesmo: a praça Caetano Albuquerque, no Calçadão da Galdino Pimentel.

Entre as atrações figuram alguns dos maiores expoentes do gênero como Roberto Lucialdo, João Eloy e o pesquisador musical e incansável entusiasta da música regional, Guapo. O idealizador do projeto, que nesta edição conta com apoio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC-MT), é o próprio Guapo, que o criou para contemplar o público que valoriza as manifestações artísticas populares.

“Foi o projeto Rua do Rasqueado que deu alento para os músicos da Baixada Cuiaban, desenvolverem os novos ritmos, lambadão e lambadinha, expressões atualmente consagradas na noite cuiabana”, destaca. E o lambadão estará bem representado por Os Originais e os dançarinos do grupo Lambadeiros de Elite.

“A Rua do Rasqueado é um projeto importante de valorização da cultura popular ao levar, para o centro da cidade, uma manifestação antes restrita aos bairros. Isso vem de encontro com as políticas públicas do atual governo focadas na democratização”, enfatizou Leandro Carvalho, secretário de Cultura.

Para se manter fiel ao estilo, as atrações da Rua do Rasqueado são músicos mato-grossenses que valorizam, em suas composições, as coisas da terra.

Surgido em 1993, o projeto da Rua do Rasqueado foi interrompido no ano seguinte e retomado dez anos depois quando o lambadão vinha ganhando força e popularidade. Em 2005, a Rua do Rasqueado foi novamente suspensa e voltou em 2012. Em 2015 houve uma edição especial realizada com o apoio da SEC.

“O projeto manteve a sua originalidade. O objetivo é valorizar o que é nosso, os músicos, a dança, a sonoridade regional. Começou com o rasqueado, depois veio o lambadão e a lambadinha, que pode ser definida como um rasqueado mais suingado. Tudo isso junto é a legítima cultura da noite cuiabana”, ressalta Guapo que nesta edição, atua em parceria com apoio do Instituto Case. A Rua do Rasqueado tem ainda apoio da Secretaria de Município de Esporte, Cultura e Turismo.

Share Button