‘Se Jesus não tivesse nascido’, poema originalmente publicado no jornal Gazeta, lá nos anos 90

Se Jesus não tivesse nascido

Feliz Natal, meu amigo
Se Jesus de Nazaré tivesse morrido velhinho
E não na cruz como de fato aconteceu
Será que o natal seria diferente?
Será que essa vontade de não-morrer
Ainda faria companhia para gente?

Quem sempre está só neste natal
Se Jesus tivesse ficado velhinho
Talvez estivesse com alguém ao lado
Para conversar, falar, rir e mentir

Feliz Natal, Ricardo Guilherme Dicke
Se não estivesses aqui
E Jesus velhinho tivesse morrido
Madona dos Páramos”, “Deus de Caim”
E o “Último Horizonte” seriam
– ninguém tem certeza –
Escritos numa língua diferente
– Quem sabe a germânica –
Falando duma realidade
Que não a de Mato Grosso

Feliz Natal, Dunga
Se não imaginasses Dunga
E Jesus não tivesse morrido
Da forma cruel e triste que morreu
Pregado numa cruz ao lado de ladrões
Talvez agora fosses avó,
Com netos peraltas a pedir histórias
Sobre uma Cuiabá que não existe mais

Feliz Natal, Gervane de Paula
Se não criasses artista pintor
E Jesus-Cristo não estivesse na cruz
Talvez não tivesse o dom das tintas
Estarias em outras terras chupando mangas
Conversando debaixo do arco-íris
Sobre cores que pintam o universo

Feliz Natal, Montezuma
Se não escrevesses repórter-viajante
E Cristo não fosse unigênito de Deus
– Talvez Gutenberg não inventasse a imprensa
E os jornais não circulariam de manhã
Trazendo notícias de dois mil anos
Que insistem e se repetem todos os dias –
Sobraria tempo para inventar mais filhos

Feliz Natal, Dona Josefa
Se não fosses minha mãe
E Jesus Cristo nem tivesse nascido
Para não dar tempo de morrer na cruz
Talvez eu não estaria, agora, nesta hora
Escrevendo sobre minha vontade de ser
Autor de mim mesmo e tentar lembrar
Que Jesus é vivo mesmo pregado na cruz

Feliz Natal, meus amigos
Se Jesus não tivesse nascido
Ou, melhor, nascido mulher
A memória, que tudo guarda,
E conta a história, companheiros,
humanamente, seria diferente…

><>Cada natal, invariavelmente republico alguns poemas, como este, que fiz quando trabalhava na Gazeta – no caderno Vida, editado pela jornalista Rita Comini. Na época provocou pequena polêmica. Hoje, contudo, sabemos que Cristo, naqueles tempo, poderia ser mulher.

Importante dizer que a versão ora publicada tem sutis diferenças teológicas em relação a anterior, publicada aqui mesmo neste BJB.

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR
nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...