Só para constar… antes que “Tudo mais vá pro inferno”

Volta e meia costumamos ouvir: “brasileiro tem memória curta”, tenho minhas dúvidas. Eventualmente, aqui ou ali, dependendo do grupo, nicho, igrejinha, ou interesses econômicos, alguns nomes, momentos, são esquecidos, mas não de forma proposital.

Cada categoria com suas memórias, histórias próprias para contar… Na MPB (a MPB chique, vamos dizer assim) a primeira a reconhecer a importância para essa mesma MPB da dupla de compositores Roberto Carlos e Erasmo Carlos (em especial Roberto), foi Nara Leão, em 1978, quando lançou o LP “E que tudo mais vá para o inferno”, depois relançado como título “Debaixo dos Caracóis de Seus Cabelos”, a pedido de Roberto.

Hoje, é elegante falar bem e é fácil reconhecer o talento de RC, uma unanimidade.

Trinta anos atrás, as coisinhas eram um pouquinho diferentes. Maria Bethânia, por exemplo, só veio a gravar o CD “As Canções que Você fez pra Mim” em 1993, uma década e meia depois do LP de Nara.

Que fique constado: quem fez o primeiro link de Roberto Carlos, não foi Caetano, como querem crer alguns, mas Nara Leão.

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR
nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...