Uma imitação de soneto: Cinco de Fevereiro

É vero, estou ficando velho, reconheço
Estou deixando para traz a mocidade
Os nervos não estão à flor da pele
Como antes, nem no endereço prometido

Estou ficando plenamente velho…
Amanhã ou depois de amanhã
Confirmar-se-á, conforme combinado,
A certeza de ser mais velho ainda

Na sala, espero e leio romances de Machado
Reconhecidos pela memória s/eletiva
E detesta o que insiste renovar o mundo

Mas aos olhos de dentro se reconhece
– sem demora – enquanto como matéria
Está ficando velho, mas não para sempre.

João Bosquo

João Bosquo, poeta e jornalista, editor deste blogue NAMARRA.COM.BR
nas redes sociais: @joaobosquo

Você pode gostar...