Uma imitação de soneto: Manga Madura no Quintal

O amarelo
Não é uma cor, apenas cor,
Vai além do horizonte
E acompanha o morrer do sol

O amarelo
Quando chega, de manhã cedinho,
Provoca espantos, o galo canta…
O amarelo, vê, é luz
O amarelo,
Na minha memória, é manga,
Perpitola manga madura

O amarelo
Hoje para mim, saliva
É água na boca.

><>Este poema faz parte do livro “Imitações de Soneto – Ou De Falar Pantanal”, que continua à venda. Tratar pelo messeger do Facebook.com/JoaoBosquoCartola.

Share Button